Connect with us

Centro de Letras

A Nova Estação

A antiga região da Fonte Nova, totalmente aterrada e transformada em 1915, permaneceu um descampado pelos próximos anos,

Publicado

em

A antiga região da Fonte Nova, totalmente aterrada e transformada em 1915, permaneceu um descampado pelos próximos anos, não passando de um enorme vazio entre Paranaguá e a área portuária em expansão. O primeiro prédio importante das redondezas foi a Nova Estação Ferroviária. Velha promessa do governo federal substituiria a pequena e insalubre estação original, localizada onde atualmente funciona a Secretaria de Cultura e Turismo (em frente ao Palácio do Café) e descrita pelo jornal local da época como um vergonhoso pardieiro. São diversas críticas: falta de higiene, de bancos limpos e de banheiros; aglomeração de passageiros obrigando senhoras e senhoritas a dividirem o ambiente com os homens; o pátio virava um lamaçal quando chovia. Paranaguá não merecia uma estação ferroviária tão horrível.

Em 1921, finalmente o governo federal começou a construir o prometido prédio, entretanto os projetos sempre demoravam mais do que o idealizado e com a nova estação não ocorreu de forma diferente. No mês de abril, publicaram o edital chamando interessados em trabalhar na construção da estação ferroviária de Paranaguá. Havia serviço para pedreiro, carpinteiro, marceneiro, ferreiro, latoeiro e pintor. Além dos detalhes de cada empreitada no próprio edital publicado nos jornais, os projetos completos deveriam ser consultados no escritório da Inspetoria Geral da Via Permanente, onde os concorrentes também receberiam maiores detalhes sobre a obra.

O governo aprovou o orçamento ao final de outubro e, em meados de novembro, o Ministro da Aviação deu seu aval final tanto ao projeto quanto ao orçamento, devolvendo a documentação assinada em duas vias. Quando o ano de 1921 terminava, o prédio estava em acelerada construção e era uma promessa para muito breve. Mas, um mês depois, o prazo para finalização e entrega das obras acabou prorrogado.   

Por Alexandre Camargo de Sant’Ana