conecte-se conosco

Direito & Justiça

Empresa poderá demitir por justa causa funcionário que se recusar a tomar vacina contra a Covid-19

Vacina pode ser considerada obrigação de segurança e saúde do trabalho pelo setor responsável da empresa

Publicado

em

Empresa poderá demitir por justa causa funcionário que se recusar a tomar vacina contra a Covid-19

Advogado diz que imunização garante normas de segurança 

A vacinação contra a Covid-19 foi iniciada em Paranaguá e no litoral na terça-feira, 19, junto aos grupos prioritários de profissionais da saúde, idosos residentes e trabalhadores que atuam em asilos e indígenas. Entretanto, o pontapé inicial gera expectativa quanto a como será a imunização no ambiente da relação de trabalho, visto que a pandemia trouxe diversas adaptações necessárias nas empresas, bem como limitações no ambiente de trabalho. Segundo o advogado Fabio Peres, a vacinação poderá ser exigida pelo empregador ao funcionário, que inclusive poderá ser demitido por justa causa se houver recusa.

Segundo o advogado trabalhista e sindical, que é pós-graduado em Economia do Trabalho pela Unicamp e integrante da Comissão de Direito do Trabalho da Ordem dos Advogados do Brasil – Paraná (OAB-PR), tão logo as vacinas sejam disponibilizadas para a população em geral, o empregador poderá, efetivamente, exigir a imunização por parte dos seus empregados. “É o empregador o responsável pela integridade física e mental dos trabalhadores no ambiente de trabalho. Por isso, a empresa tem de exigir a observância de todas as instruções de segurança e o empregado deve segui-las”, defende.

“É assim com os equipamentos de proteção individual e coletiva, que mitigam ou afastam a insalubridade, por exemplo, e até mesmo com vacinas para determinadas categorias, conforme prevê a Norma Regulamentadora 32”, destaca o jurista. Além disso, de acordo com Peres, há uma importância sanitária e econômica com a imunização. “Apenas a vacinação em massa pode permitir que as atividades econômicas voltem por completo, em especial setores que produzem muitos empregos, como gastronomia, turismo, cultura e lazer, bem como que se pare em definitivo com a vergonhosa contagem de mortos”, completa.

Demissão por justa causa

Segundo o operador do Direito, se a vacina é considerada obrigação de segurança e saúde do trabalho pelo setor responsável da empresa, o empregado que se recusar a tomar a vacina pode ser sancionado quando ela for disponibilizada em massa. “A reiteração do comportamento pode, como qualquer outra falta reiterada, sujeitá-lo à rescisão do contrato por justa causa, nos termos do art. 482, alínea “h”, da CLT”, explica.

 "Apenas a vacinação em massa pode permitir que as atividades econômicas voltem por completo, em especial setores que produzem muitos empregos, como gastronomia, turismo, cultura e lazer", afirma o advogado Fabio Peres (Foto: Divulgação)
“Apenas a vacinação em massa pode permitir que as atividades econômicas voltem por completo, em especial setores que produzem muitos empregos, como gastronomia, turismo, cultura e lazer”, afirma o advogado Fabio Peres (Foto: Divulgação)

Outro ponto é que Estados e municípios poderão criar leis para reforçar a necessidade de imunização de todos os trabalhadores. “O governo poderia incluir, na citada NR 32 o fornecimento ou obrigatoriedade da vacina de Sars-CoV-2 ao menos para determinados grupos de empregados, assim como o faz para vacinas de tétano, difteria, hepatite B e outras doenças previstas no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional para trabalhadores da saúde. Se incluir a Covid-19, e pode fazê-lo por Portaria do Ministério da Economia, a obrigação legal existe”, explica, destacando, porém, que para ele a possibilidade é remota pela linha de atuação do Governo Federal atualmente. 

Segundo o advogado, a imunização com a vacina contra a Covid-19 pode ser enquadrada nas normas de saúde e segurança do trabalho em prol da saúde coletiva e individual dos trabalhadores da empresa. “Venho reiterando, em conversas com colegas, entrevistas e diálogos com a classe médica, que os responsáveis por saúde e segurança do trabalho das empresas devem incluir a imunização no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), em razão da fundamentação legal e científica”, reforça.

Ausência de máscara e desrespeito a normas 

O jurista explica que no contexto pandêmico, o uso de máscaras e os comportamentos seguros relativos à Covid-19 no ambiente de trabalho seguem a mesma lógica dos equipamentos de proteção individual (EPIs). “A recusa em usar ou o uso equivocado sujeita o empregado a sanções como advertência, suspensão e até justa causa”, relata. “Já há decisões judiciais entendendo dessa forma; trata-se de uma norma de segurança como outra qualquer. A observância dessas normas constitui-se em dever do empregado, e até que haja imunização suficiente da população, essas condutas são obrigatórias e devem ser exigidas pelas empresas”, finaliza Peres.

Leia também: Pandemia e convivência entre casais geram recorde histórico de divórcios no Paraná em 2020

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.