conecte-se conosco

Direito & Justiça

Júri popular da youtuber Isabelly acontece na próxima segunda-feira

Julgamento será realizado na Câmara de Vereadores de Pontal do Paraná

Publicado

em

Foto: Arquivo / Divulgação

Em setembro de 2019, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), por unanimidade, manteve a decisão que leva Everton Vargas, acusado de matar a adolescente Isabelly Cristine Domingos dos Santos, a júri popular. Após quatro anos do crime, o julgamento está próximo de acontecer. Marcado para a segunda-feira, 7, será realizado na Câmara de Vereadores de Pontal do Paraná, a partir das 9h.

O réu, Everton Vargas, é acusado pelo crime de homicídio qualificado por motivo torpe, por porte ilegal de arma de fogo e munição. Ele aguarda o julgamento em prisão domiciliar. Com 17 testemunhas, entre as de defesa e de acusação, para serem ouvidas, o julgamento não tem hora para terminar. Dependendo do tempo que cada uma será inquirida, a decisão pode sair somente no dia seguinte.

A youtuber Isabelly Cristine Santos foi morta em 2018, dentro do carro em que estava com a família e amigos
Foto: Arquivo / Divulgação

A advogada da família de Isabelly, Dra. Thaise Mattar Assad, afirmou que a expectativa é que o réu seja responsabilizado pelo crime.

“Nossa expectativa é que o acusado seja finalmente responsabilizado por ter tirado a vida de Isabelly. Acreditamos que o júri não passe de um dia. Mas pode passar, vai depender do tempo que cada testemunha será inquirida. Apenas um dos irmãos vai ser julgado, o Everton Vargas e acreditamos que seja condenado”, disse a advogada.

A mãe de Isabelly, Rosania Domingos Santos, contou que não espera vingança, mas que está confiante no processo para a responsabilização do réu por ter tirado a vida de sua filha. “Nossas expectativas são a de sempre, que a justiça de Deus não falta nunca, mas a justiça dos homens vai também prevalecer. Sempre confiei na minha fé e esperança que seria injusto algo tão cruel contra uma inocente ficar impune. Afinal, não houve briga ou confusão maior para que eles pudessem agir tão cruelmente e ser tão irresponsáveis. Não quero vingança, quero somente que paguem por um erro deles, já que um comentou que foi um erro humano. Hoje choro todos os dias, pois sinto saudades. Mas preciso de respostas mesmo ela não voltando”, relatou a mãe.

Entenda o caso

O crime aconteceu na madrugada de 14 de fevereiro de 2018, em Pontal do Paraná, quando Everton realizou seis disparos contra o carro em que estava a youtuber Isabelly. O crime aconteceu em Pontal do Paraná, na PR-412. Ela voltava de uma entrevista realizada em uma casa noturna junto com a mãe, o motorista e um colega que ajudava nas gravações para o seu canal no youtube Isa Top Show.

Um dos tiros atingiu a cabeça da vítima, ela chegou a ser socorrida e encaminhada ao Hospital Regional do Litoral (HRL), mas faleceu. Os irmãos Vargas, que estavam no carro de onde partiram os disparos, foram indiciados pelo crime alguns dias depois do ocorrido, sendo que Everton efetuou o disparo e Cleverson dirigia o carro. No entanto, somente Everton será julgado no Tribunal do Júri.

Regras para o acesso ao auditório

A Juíza de Direito, Cristiane Dias Bonfim, responsável pelo Tribunal do Júri, em sua decisão expedida no dia 24 de fevereiro deste ano, considerou que o julgamento em questão envolve elevado número de testemunhas e é de grande interesse da população. Neste caso, ela destacou que está proibida a emissão de qualquer manifestação de apreço ou desapreço ao acusado no auditório. Desta forma, estabeleceu regras para acesso ao auditório do plenário. 

Os aparelhos de telefone celular devem permanecer desligados ou no modo silencioso. Além disso, é estritamente proibida a captura e divulgação de quaisquer imagens ou vídeos por parte dos que assistirão ao julgamento na Sessão do Tribunal do Júri. 

Também está proibida a emissão de qualquer manifestação de apreço ou desapreço ao acusado, seus defensores ou qualquer das partes, por qualquer meio (cartazes, camisetas, instrumentos sonoros, faixas, entre outros), bem como a emissão de palavras de ordem, gritos em coro ou quaisquer sons que possam perturbar o julgamento.