Connect with us

Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá

Os melhores 373 anos da Terra dos índios Carijós

“Das minhas obras qual a que prefiro?
Sempre tive predileção pela que ainda não produzi. As outras só em dias especiais é que as posso reler. Depois, não me parece que valha a pena falar de coisas que fiz, tendo eu sempre a impressão de que o público não se lembra delas, tanto mais que a maior parte dos leitores as desconhece por completo.”
Nestor Victor, filho de Paranaguá.

Publicado

em

A mais antiga referência escrita sobre Paranaguá remonta ao ano de 1549 e na mesma já se fala em “Homens Brancos”. 

Supomos viverem na Ilha da Cotinga, designação que, na língua do gentio, significa “Campo ou roça de brancos”, de “Coo” Campo, lugar, roça ou habitação e, “tinga” branco. Esta primeira referência deve-se a Robert Southey, um poeta e historiador inglês, que escreveu uma interessante história sobre este pedacinho do Brasil.

O inglês possivelmente colheu seus informes a respeito de Paranaguá e da “Ilha dos Brancos” nos relatos de Hans Staden, aventureiro teuto que viajando em um Galeão espanhol, que se dirigia para o Rio da Prata, naufragou ao largo de Superagui, na entrada de “Pernagoa”, que em língua tupi quer dizer “Paraná” o significado de Grande Rio e “Goá” o significado de Redondo, uma referência à Baía de Paranaguá, que para os Carijós significava “Grande Mar Redondo”

Quem primeiro chegou à Paranaguá continua sendo discutível. O que se afigura mais certo é que, logo depois da fundação de São Vicente, aventureiros tenham deslocado-se para outras terras do litoral.

Esses desbravadores atingiram pontos, tais como Itanhaém, Cananeia e Paranaguá, que, aliás, já eram bem conhecidos de Martim Afonso devido à sua viagem até o Prata.

Terra Fértil, águas piscosas e a possibilidade de encontrar ouro, fizeram com que a ilha da Cotinga em pouco tempo não mais comportasse os que para ela se deslocavam. 

Diante disso, os brancos começaram a se estabelecer na margem esquerda do Rio Taqueré, o atual Itiberê.  

Se a data de fundação é discutível, o mesmo não acontece com a criação do município de Paranaguá, isso graças à carta régia de 29 de julho 1648, passada em São Paulo, atendendo à petição de Gabriel de Lara, “Capitão e povoador da Vila de Nossa Senhora do Rosário de Paranaguá”.

A história é longa, por isso, continuará no próximo final de semana.

Hamilton Júnior

Historiador

Sócio Correspondente do IHGP

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.