Connect with us

Opinião

NAVIOS FAMOSOS VIII

“VASA” – Não se trata de uma ordem mal-educada, mas do nome de um navio à vela do Século XVII.

Publicado

em

Não se trata de uma ordem mal-educada, mas do nome de um navio à vela do Século XVII. O rei sueco da época, Gustavo Adolfo II, vivia às turras com a Polônia e Dinamarca e nas lutas contra eles havia perdido uns 10 navios de guerra importantes de sua esquadra, o que o levou a encomendar outros navios, porém maiores e mais poderosos, capazes de suplantar seus adversários pelo domínio do Mar Báltico. Assim, embora ele mudasse seus pedidos com muita frequência quanto ao tamanho e armamento dos navios que encomendava, chegou-se à definição de um “navio de linha” (como se definiam as belonaves de 1.ª categoria) com 200 pés de comprimento (69 metros) e com um convés principal para salvas de 32 canhões, divididos entre bombordo e boreste (“estibordo” é lusitanismo, não usado no Brasil). Foi encarregado da construção um mestre construtor holandês, Hendrik Hybertson, visto que os Países Baixos (nome oficial daquele país) eram possuidores da mais sofisticada técnica de construção naval à época. Prova disso era a constituição no começo do mesmo Século da primeira Sociedade Anônima do mundo, a Companhia Unida das Índias Orientais (“VOC”), que explorava o Extremo Oriente (Japão, China, Filipinas, Indonésia, etc.), via Cabo da Boa Esperança. Para o início da construção no ano de 1626, do primeiro de uma série de cinco, que receberia o nome de “VASA”, foram cortadas cerca de 1.000 árvores maduras de carvalho, usados no cavername, na superestrutura e nas estátuas que enfeitariam a embarcação, como era costume da época. Outra vez, por decisão do rei Gustavo Adolfo, foi acrescentado mais um convés no casco, para permitir a instalação de mais 32 canhões, o que tornaria o casco bastante “bandoleiro” (com pouca estabilidade transversal), não obstante as dúvidas levantadas pelo mestre do estaleiro real e pelo mestre construtor. Não houve jeito, quem mandava era o rei.

Falece o mestre construtor holandês e assume seu irmão Arendt Hybertson, também experiente, até terminar a construção. Por força da necessidade de o navio apresentar mais paióis para munição, pólvora e mantimentos, o espaço destinado ao lastro de pedras, que garantiria a estabilidade transversal, ficou bastante reduzido, a contragosto dos construtores.  Nos testes de estabilidade do navio, bem elementares na época, o mestre do estaleiro fez 30 homens adultos e pesados correrem juntos de um bordo para outro, analisando o comportamento do casco nessa transferência de pesos. Não satisfeito com o resultado aparentemente negativo, na dúvida repetiu o teste outra vez, com o mesmo resultado adverso. Incomodado com o prazo de entrega imposto pelo rei, desistiu de tomar providências para corrigir o defeito do navio, permitindo que fosse feita a cerimônia de entrega da embarcação ao rei.

No dia de sua viagem inaugural, 10 de agosto de 1628, o tempo se apresentava com muito vento, numa ocasião que deveria ser de festa. As portinholas no costado das obras mortas (expostas) do navio, atrás das quais se localizavam os 64 canhões, foram abertas para as salvas habituais de comemoração da efeméride.

O “Vasa” deveria navegar uma distância de cerca de 01 (uma) milha desde o estaleiro até o cais real, quando ocorreu uma lufada de vento mais forte que o normal, adernando (inclinando) o navio além do esperado. Com as portinholas dos canhões já abertas, não existiu qualquer obstáculo para impedir a entrada de água aos borbotões no convés intermediário, drenando para os espaços mais abaixo, alagando o navio por inteiro, fazendo-o tombar e, em consequência, afundar sob os olhares atônitos dos espectadores com todos seus canhões, pólvora, mantimentos e tripulação. Ao rei Gustavo Adolfo II coube ver tudo isso acontecer a seus pés. Nada do navio ficou à mostra, nem para indicar onde estava deitado sob o fundo do porto, até que, em 1956, ou sejam, 328 anos depois, um pesquisador marítimo, Anders Franzen, o encontrou intacto e completo no estuário de Estocolmo. Com ajuda financeira nacional, o “Vasa” foi içado num mutirão e levado a local adequado para sua recuperação e proteção da madeira, encontrando-se hoje em ambiente climatizado e exposto à visitação pública. Cerca de 25.000 objetos, entre utensílios, ferramentas e outros artigos, foram recuperados e também se encontram expostos aos turistas e demais visitantes. “Sic transit gloria mundi”.

Geert J. Prange

Engenheiro Naval

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.