Connect with us

Artigos

Engenheiro naval relembra a importância do NV “CUTTY SARK”

Navio Cutty Sark, em ponto turístico de Londres (Foto: Divulgação)

Publicado

em

Navio veleiro transportava chá da China para a Europa

“Como é?”, dirão alguns leitores atentos. “Será que ele sabe do que está falando? Isso é nome de whisky!”.  Sim. Os leitores mais avisados estão corretos, mas vamos aos “fatos reais” (se não fossem reais não seriam fatos, mas boatos).

Na segunda metade do Século XIX, a Grã Bretanha havia adquirido um gosto apurado pelo chá, erva que não cresce no clima frio e pouco ensolarado daquela ilha, mas que provinha do Oriente, notadamente da China e também cultivada no subcontinente indiano. Como havia uma época certa do ano em que a erva estava disponível à comercialização, corria-se para ver quem chegava em Londres com o primeiro chá do ano, vendido a preço bem mais alto do que os que chegavam depois.  Estava dada a largada para surgirem navios mais rápidos do que os navios cargueiros convencionais da época.  Surgiam os veleiros tipo “Clipper”, com muitas velas, esbeltos e com espaço de carga restrito para umas 200 toneladas de chá.

Assim, construído em 1864, surgia o Cutty Sark (“pequena camisola”, do poema “Nannie” do afamado poeta Robert Burns), transportando chá da China para a Europa. Em corrida disputada contra o rival “Termopylae”, teria ganhado a disputa se não houvesse sofrido avarias no seu sistema de governo à altura do Estreito de Sunda, entre as ilhas de Sumatra e Java da atual Indonésia, chegando uma semana depois do concorrente. A corrida de chá por veleiros chegou ao fim ao final do século, com a abertura do Canal de Suez (muito falado nestes dias), onde navios à vela não conseguem navegar em linha reta e sem espaço para bordejar. Relegado a segundo plano, o Cutty Sark foi empregado no transporte de lã a partir da Austrália quando, em uma de suas viagens, estabeleceu um recorde de 360 milhas náuticas navegadas em 24 horas (27,7 km/h) e completando a viagem em apenas 67 dias de mar. Vendido posteriormente a uma empresa portuguesa, passou a navegar entre Lisboa e as colônias lusas, sendo depois reformado na Cidade do Cabo em 1916, passando a denominar-se de “Maria do Amparo”.

Foi adquirido em 1922 pelo Capitão Wilfred Dowman, que devolveu-lhe não só o nome original, mas também seu formato de mastreação e velame, navegando assim até 1954, quando foi levado ao distrito de Greenwich, em Londres (local do Meridiano 00o00’00”), onde permanece até hoje, aberto à visitação pública como museu. A título de curiosidade, merece ser citado que o fabricante do whisky escocês “Cutty Sark” patrocina bianualmente o “Tall Ships Race”, regata mundial em que participam os maiores navios a vela do mundo.

Por Geert J. Prange – Eng. Naval

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.