Connect with us

Eleições 2020

Em primeira instância, Justiça Eleitoral aceita pedido de impugnação de Marcelo Roque

Juiz eleitoral Dr. Guilherme Nieto impugnou em primeira instância. Magistrado autorizou que Roque siga em campanha e que propaganda eleitoral seja veiculada

Publicado

em

Marcelo Roque

Defesa do candidato reforça que Roque segue em campanha e não houve pronunciamento do TRE-PR até o momento

Na quarta-feira, 28, a Justiça Eleitoral, por meio do juiz eleitoral, Dr. Guilherme Moraes Nieto, acatou o pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE) e realizou o indeferimento da candidatura do atual prefeito e candidato à reeleição em Paranaguá, Marcelo Roque (Podemos). De acordo com o que foi alegado pelo MPE, Marcelo teria violado um artigo constitucional abordando mandatos consecutivos de familiares, cuja interpretação advém da primeira gestão do falecido prefeito Mário Roque, que veio a óbito no ano em que assumiu a Prefeitura de Paranaguá, em 2013.

A decisão está sob o protocolo n.º 0600403-51.2020.6.16.0005 da 5.ª Zona Eleitoral de Paranaguá, tratando da impugnação ao registro de candidatura, ajuizada pela coligação Nova Paranaguá, Aramis Soares do Nascimento Junior e José Baka Filho contra o prefeito Marcelo Roque. O pedido aceito de impugnação é ainda em primeira instância e cabe a Marcelo Roque recorrer em segunda instância, no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), e em terceira instância no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Segundo o juiz eleitoral, as alegações trazidas pelos impugnantes convergem de que Marcelo Roque estaria impossibilitado de incorrer ao pleito, visto o artigo 7.º, e §§ 5.º do artigo 14 da Constituição Federal (CF), que ” impede a eleição de integrante do mesmo núcleo familiar para o exercício de um terceiro mandado consecutivo”, salienta. 

“Embora o impugnado tenha ocupado o cargo de prefeito apenas no mandato atual em razão da sua eleição no pleito pretérito, o seu pai, o de cujus Mário Manoel das Dores Roque, foi eleito e exerceu o mandato anterior. Dito de outro modo: o de cujus Mário Manoel das Dores Roque foi eleito em 2012 para exercício do mandato na legislatura dos anos 2013/2016, ao passo que o seu filho, ora impugnado, foi eleito em 2016 para exercício do mandato na legislatura dos anos 2016/2020. Daí porque, depois destes dois mandatos, exercidos pelo pai (já falecido) e filho, este último estaria impedido de novamente concorrer ao pleito eleitoral perante este Município de Paranaguá”, informa o magistrado.

“Julgo procedentes as ações de impugnação ao registro de candidatura, para o fim de declarar inelegível o impugnado Marcelo Elias Roque para as eleições 2020 e, pela via de consequência, negar o registro da sua candidatura”, salienta em primeira instância Dr. Guilherme Nieto. “Indefiro o pedido no sentido de que seja proibida a continuidade de veiculação de propaganda eleitoral com o nome do impugnado, ou mesmo de que ele seja desde logo proibido o uso de quaisquer recursos públicos para financiar a campanha do Impugnado”, informa o juiz. Outra questão indeferida, ou seja, negada, foi o pedido dos autores da ação para que a Polícia Federal (PF) faça investigação de suposto crime de falso testemunho no processo em questão. 

Advogado reforça continuidade da campanha

“Primeiro, é importante que se diga que o Marcelo é candidato. A população verá isso na propaganda eleitoral que continuará, no Rádio, na TV e, principalmente, nas ruas.  Muitos aproveitarão para propagar a desinformação, o que não pode ser permitido. O nome de Marcelo constará da urna e o eleitor poderá votar em Marcelo. A decisão de ontem (quarta-feira) foi apenas uma etapa e não há nenhum pronunciamento do Tribunal Regional Eleitoral até o momento”, informa Dr. Luiz Gustavo de Andrade, advogado do prefeito e candidato à reeleição.

“Não podemos considerar o período de 2013 de Mário Roque como um mandato, por isso é equivocado afirmar que Marcelo está dando continuidade à gestão do pai. Todos sabemos que a gestão foi feita pelo vice, Dr. Edison Kersten, que assumiu logo no primeiro semestre de 2013, porque Mário Roque adoeceu, se afastou e veio a falecer”, finaliza o advogado. 

“É importante que se diga que o Marcelo é candidato. A população verá isso na propaganda eleitoral que continuará, no Rádio, na TV e, principalmente, nas ruas”, afirma o advogado Luiz Gustavo (Foto: Divulgação)