Connect with us

Coronavírus

Paraná ultrapassa 3 mil casos entre população economicamente ativa

Informe mostra que 3.077 casos são de pessoas entre 20 e 59 anos (Foto: Ari Dias/AEN)

Publicado

em

O boletim epidemiológico publicado na quinta-feira, 28, pela Secretaria de Estado da Saúde demonstra que a população economicamente ativa é a mais afetada pela pandemia do Coronavírus no Paraná. O informe mostra que 3.077 casos da Covid-19 são de pessoas entre 20 e 59 anos. Isso representa 77% do total de 3.984 casos no Paraná.

Entre 22 de abril (dia em que essa métrica começou a ser computada) e 28 de maio, a evolução foi percentualmente mais rápida entre os mais jovens e a população adulta na comparação com os idosos. Em números absolutos, foram 59 novos casos entre crianças e adolescentes, 2.293 entre adultos e 439 entre idosos.

A faixa etária mais afetada pelo Coronavírus desde o começo da pandemia é de pessoas com 30 a 39 anos. O boletim de quinta-feira indica 949 casos nessa faixa. Em 22 de abril, eram 242 casos nesse recorte, ou seja, o crescimento foi de 292%. Desde o começo de maio o aumento foi de 197% (eram 339 casos no dia 1.º).

Desde que a métrica foi inserida nos informes os casos escalaram também 352% entre pessoas com 20 a 29 anos (de 147 para 665); 315% entre 40 e 49 anos (de 200 para 831); e 224% entre 50 e 59 anos (de 195 para 632). Entre zero e 19 anos o salto foi de 545% (de 35 para 226 casos) e entre pessoas com mais de 60 anos de 181% (de 242 para 681).

Esse crescimento contínuo da circulação da doença na população adulta ajuda a justificar a queda diária na média da faixa etária dos infectados no Paraná, que já está em 43 anos, menor índice desde o começo desse registro. No dia 1.º de maio a média era de 45,7 anos; no dia 15 passou para 44,7; no dia 20 era 44; na quarta-feira, 27, chegou a 43,1 anos.

As mulheres continuam sendo as mais atingidas no Paraná: 2.074 x 1.910 casos de homens.

Internados

Dos 3.984 casos confirmados no Estado na quinta-feira, 28, 297 pessoas estão internadas (122 em UTI e 175 em enfermaria) e 1.806 se recuperaram (45,3%). É o maior número de internados com diagnóstico positivo da série histórica do informe epidemiológico, na soma de casos graves e moderados.

A marca de 200 internações foi atingida pela primeira vez na sexta-feira, 22, com 223 pacientes. A média da semana encerrada na quinta-feira (22 a 28) foi de 246 e o crescimento de quarta para quinta foi de 56 novos internamentos.

No dia 15 de maio, na metade do mês, eram 175 internados. Na semana anterior, dia 7 de maio, o número era de 134, e no dia 1.º de maio havia 137 pacientes internados. No dia 17 de abril, quando a métrica começou a aparecer nos boletins, eram 144.

Percentualmente o número de recuperados também tem caído nos últimos dias no Paraná. No começo de maio, o índice era de cerca de 67%, em meados do mês ultrapassou 70% e desde o dia 20 apresenta queda ininterrupta, saindo de 61,5% para 45,3%.

Uma novidade do boletim é o volume de casos por semana epidemiológica (domingo a sábado, conforme a Organização Mundial da Saúde). A última que aparece no informe traz o número de casos até sábado, 21, com 853 registros, crescimento de 83% em relação aos dados da semana exatamente anterior. O maior crescimento regional foi registrado na macrorregião Norte, de 254%.

Cidades

A doença já atingiu 232 cidades no Paraná (58,1%). A disseminação estadual de casos começou em Curitiba e no Interior concomitantemente. Em 12 de março os primeiros casos foram identificados na Capital e em Cianorte. Dez dias depois eram 11 municípios e oito Regionais de Saúde diferentes com confirmações.

No dia 1.º de abril eram 43 municípios e 19 das 22 regionais atingidas. Um mês depois, em 1.º de maio, 132 municípios e apenas a 4.ª Regional de Saúde (Irati) ainda não apresentava casos confirmados. No dia 14, metade do mês, algumas cidades como Curitiba, Londrina e Cascavel já contabilizam mais de 100 casos cada. Na quinta-feira, 28, já eram três cidades com mais de 300 casos.

Óbitos

Na contramão da realidade de casos, a média de idade de óbitos se mantém praticamente igual entre 22 de março e 28 de maio, de 67,8 anos para 67 anos. Nesse período o maior índice foi em 30 de abril (69,2 anos) e o menor foi nesta quinta-feira, 67 anos, dois dias depois da morte da segunda pessoa mais nova no Estado, um jovem de 18 anos de Rancho Alegre.

No recorte entre 22 de abril e 28 de maio, os óbitos cresceram 200% entre os que tinham mais de 80 anos (de 15 para 45), 266% entre 60 e 69 anos (de 9 para 33), e 184% entre 70 e 79 anos (de 13 para 37). Os óbitos têm acometido mais os homens no Estado e eles cresceram 114% no Paraná no recorte da semana epidemiológica.

Segundo o boletim, apenas duas das 22 regionais não registraram óbitos no Estado: Irati e Guarapuava. No dia 20 de maio, eram cinco regionais sem óbitos: além dessas duas, Ponta Grossa, União da Vitória e Telêmaco Borba.

Perfil dos Óbitos

A Secretaria de Estado da Saúde também passou a divulgar nesta semana o perfil das pessoas que vieram a óbito. Cerca de 80% tinham outras comorbidades (hipertensão, diabetes, cardiopatia, doença renal crônica e obesidade lideram a lista) e 20% não apresentavam outros problemas. A maioria era branca (80%) e os principais perfis de escolaridade eram ensino superior completo e ensino médio completo.

Casos

FAIXA ETÁRIA

0 – 5 anos – 65 casos – 1,6%

6 – 9 anos – 32 casos – 0,8%

10 – 19 anos – 129 casos – 3,2%

20 – 29 anos – 665 casos – 16,6%

30 – 39 anos – 949 casos – 23,8%

40 – 49 anos – 831 casos – 20,8%

50 – 59 anos – 632 casos – 15,8%

60 – 69 anos – 345 casos – 8,6%

70 – 79 anos – 202 casos – 5%

80 anos ou mais – 134 casos – 3,3%

Total: 3.984 casos

GÊNERO

1.910 homens

2.074 mulheres

ÓBITOS

FAIXA ETÁRIA

0 – 5 anos – 1 caso – 0,5%

10 – 19 anos – 1 caso – 0,5%

30 – 39 anos – 5 casos – 2,9%

40 – 49 anos – 15 casos – 8,8%

50 – 59 anos – 32 casos – 18,9%

60 – 69 anos – 33 casos – 19,5%

70 – 79 anos – 37 casos – 21,8%

80 anos ou mais – 45 casos – 26,6%

Total: 169

GÊNERO

110 homens

59 mulheres

Fonte: AENPR