Connect with us

Paraná Produtivo

Forbio

O Grupo Forus, com sede em Cambira e dono de 12 empresas nas áreas química, florestal, transportes, negócios imobiliários e nutrição vegetal, se prepara para inaugurar a primeira fábrica de aditivos e inoculantes de sua subsidiária Forbio.

Publicado

em

Forbio

O Grupo Forus, com sede em Cambira e dono de 12 empresas nas áreas química, florestal, transportes, negócios imobiliários e nutrição vegetal, se prepara para inaugurar a primeira fábrica de aditivos e inoculantes de sua subsidiária Forbio. Situada em Apucarana, a unidade exigiu investimentos de R$ 40 milhões, de acordo com informações do jornal Valor Econômico. Junto com a Forquímica, que atua no segmento de insumos e fertilizantes, a Forbio representa a maior parte do faturamento do grupo no agronegócio, que responde por 60% do total, que não foi revelado. O grupo foi fundado em 1985, em Cambira, com o nome Forquímica. Com a diversificação dos negócios e a criação de outras empresas, passou a se chamar Grupo Forus em 2017.


Universidade corporativaO conhecimento e a capacitação, que já eram uma realidade constante na Lar Cooperativa, agora são ainda mais crescentes e estruturados com a criação da Lar Universidade Corporativa. O evento oficial de lançamento aconteceu com público restrito, na terça-feira, 29, no Lar Centro de Eventos em Medianeira, com transmissão ao vivo. “A educação faz parte do 5.º princípio do cooperativismo e está na nossa essência. Temos muitos talentos dentro de casa, verdadeiras joias que precisam ser lapidadas”, afirmou o diretor-presidente Irineo da Costa Rodrigues. A universidade será um meio para capacitação e desenvolvimento dos mais de 11.500 associados e mais de 18 mil funcionários da Lar Cooperativa. Em 2020 já foram realizados 244 treinamentos.


Mais empregosAgosto foi um bom mês para a recuperação do mercado de trabalho no Paraná e no Brasil, segundo levantamento mensal do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged) divulgados na quarta-feira, 30. Todos os setores da economia (indústria, construção civil, comércio, serviços e agropecuária) criaram mais vagas do que demitiram. No Paraná, foram 96.672 admissões e 79.611 demissões, com saldo geral de 17.061 novos postos de trabalho. Pelo segundo mês seguido, a indústria foi a principal responsável pelo crescimento dos empregos no Estado, acumulou 42% do saldo geral de contratações no mês, sendo a quarta que mais contratou no mês em todo o País. Das 7.133 novas vagas abertas pela indústria paranaense este mês, o segmento alimentício foi o que mais contratou, 1.288 trabalhadores.


Novo recordeO crescimento da atividade manufatureira brasileira chegou a um novo recorde em setembro, em meio à forte expansão das encomendas, da produção e das vendas de exportação, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada na quinta-feira, 1.º. O IHS Markit informou que o PMI de indústria do Brasil chegou a 64,9 em setembro, nível mais alto desde o início da série histórica, em fevereiro de 2006. Em agosto, o PMI havia marcado 64,7. Assim, o setor encerra o terceiro trimestre dando continuidade à recuperação dos efeitos da pandemia de Covid-19, uma vez que leitura acima de 50 indica crescimento da atividade.


Superávit recordeAs exportações brasileiras no mês de setembro somaram US$ 18,4 bilhões e as importações US$ 12,2 bilhões, com saldo positivo de US$ 6,164 bilhões e corrente de comércio de US$ 30,7 bilhões. A cifra de pouco mais de US$ 6 bilhões é o maior saldo já alcançado pela balança comercial para meses de setembro na série histórica iniciada em 1997. No ano, o saldo positivo é de US$ 42,4 bilhões, o que representa um aumento de 18,6% sobre o mesmo período de 2019. A corrente de comércio totalizou US$ 271,1 bilhões – em que US$ 156,7 bilhões são referentes a exportações e US$ 114,3 bilhões a importações. Os dados foram divulgados na quinta-feira, 1º, pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

CVC
A maior operadora de turismo do Brasil, CVC, divulgou que sofreu prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre, ante resultado positivo de cerca de R$ 50 milhões no mesmo período de 2019, impactada por grande baixa contábil derivada dos efeitos da pandemia de covid-19 sobre o setor. A companhia, que vem trabalhando na divulgação de seus resultados desde constatar distorções contábeis, havia informado no início de setembro que encerrou 2019 com prejuízo de R$ 4 milhões. A empresa afirmou que excluindo efeitos não recorrentes que incluíram baixa contábil de R$ 637,5 milhões e provisão para perda de créditos fiscais de R$ 302,7 milhões, o resultado dos três primeiros meses do ano teria sido de prejuízo líquido aproximado de R$ 73 milhões.


Exportações de caféAs exportações de café dos países membros e não-membros da Organização Internacional do Café (OIC) totalizaram 10,044 milhões de sacas de 60 quilos em agosto, décimo-primeiro mês da safra mundial 2019/20 (outubro/setembro), contra 10,862 milhões de sacas registradas no mesmo mês de 2019, queda de 7,5%., segundo dados divulgados pela OIC na última quinta-feira, 1º. Já as exportações acumuladas da temporada 2019/20 (entre outubro de 2019 e agosto de 2020) somaram 116,537 milhões de sacas, recuo de 5,6% em relação ao mesmo período de 2018/19, quando foram embarcadas 123,436 milhões de sacas. Conforme a OIC, o Brasil exportou 3,257 milhões de sacas de café em agosto, contra 3,369 milhões de sacas no mesmo mês de 2019, queda de 3,3%.


Importação de arrozO Brasil já negociou um total de 225 mil toneladas de arroz dos Estados Unidos, Índia e Guiana, que deverão entrar no país na segunda quinzena de outubro e em novembro, informou o Ministério da Agricultura na última sexta-feira, 2. O número equivale a 56,2% das 400 mil toneladas que compõem a cota de importação sem tarifas que o governo brasileiro liberou para as indústrias comprarem de países fora do Mercosul. O governo federal tomou a decisão de zerar a Tarifa Externa Comum (TEC) até 31 de dezembro como medida para conter a alta nos preços do produto no mercado interno.


Fuga de estrangeirosOs estrangeiros continuaram retirando dinheiro da Bolsa. De acordo com dados divulgados pela B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, o saldo negativo no ano até 29 de setembro soma R$ 88,2 bilhões. O valor representa o dobro do registrado em todo o ano passado, quando os estrangeiros levaram de volta para casa R$ 44,5 bilhões. O ápice da retirada aconteceu no dia 23, quando no acumulado do ano as retiradas chegaram a R$ 89,2 bilhões. Entradas e saídas de capital estrangeiro seguem oscilando, de acordo com o noticiário sobre avanços na busca de uma vacina contra covid-19. Também entram na conta o crescimento do risco fiscal, ruídos do governo federal e a imagem desgastada da política ambiental do País.


Abertura de empresasO Indicador de Nascimento de Empresas da Serasa Experian mostra que foram criados 277.857 novos negócios em junho, um crescimento de 17,7% na comparação com o mesmo mês do ano passado. Foi a primeira alta após duas quedas do indicador. Dentre as empresas abertas em junho, os microempreendedores individuais (MEIs) equivalem a 78% do total, enquanto as sociedades limitadas ocupam 10,2% e as empresas individuais, apenas 3,6%. Quando comparados com o mesmo mês do ano anterior, apenas as empresas individuais revelam variação negativa. Na análise por região, o Norte se destaca, com aumento de 38,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Em ordem decrescente estão, o Centro-Oeste (31,1%), Sul (18,9%), Sudeste (15,1%) e Nordeste (11,4%).


Cultivo de sojaUma pesquisa divulgada na última quinta-feira, 1°, revelou que 67% dos municípios de Rondônia cultivaram soja na safra 2019/2020. Isso corresponde a 35 das 52 cidades, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somente no ano passado foram plantados 344 mil hectares de sojicultura no estado, o que gerou uma produção de 1,19 milhão de toneladas (um aumento de 18% em relação a 2018). Apesar de Vilhena ser chamada por muitas pessoas como a “capital da soja”, Corumbiara foi o município que mais colheu soja no ano de 2019, segundo a pesquisa Produção Agrícola Municipal (PAM).

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.