Connect with us

Paraná Produtivo

Exportações de frango

As exportações brasileiras de carne de frango totalizaram 349,5 mil toneladas em março

Publicado

em

As exportações brasileiras de carne de frango totalizaram 349,5 mil toneladas em março, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal. O número é 2,6% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando foram exportadas 340,5 mil toneladas. A receita dos embarques chegou a US$ 552,5 milhões, número 1,7% inferior ao registrado em março de 2019, quando foram obtidos US$ 562,2 milhões. No acumulado do ano, foram exportadas 1,021 milhão de toneladas, volume 8,8% maior que as 939 mil toneladas embarcadas no mesmo período do ano passado. A receita trimestral ficou em US$ 1,635 bilhão, número 6% maior que o saldo relativo a 2019, com US$ 1,542 bilhão.

A cadeia paranaense da avicultura abate cerca de 1,6 bilhão de aves por ano. (Foto: Divulgação/Sindiavipar)


Exportação de carne suína

Já as exportações brasileiras de carne suína totalizaram 72,1 mil toneladas em março, resultado 31,45% acima do registrado no mesmo período de 2019, quando foram embarcadas 54,8 mil toneladas. O saldo cambial das exportações de março alcançou US$ 166 milhões, número 56,1% maior que o efetivado no mesmo mês do ano anterior, com total de US$ 106,3 milhões. No ano (janeiro a março) os embarques do setor chegaram a 208 mil toneladas, número 32% acima do obtido no primeiro trimestre de 2019, quando foram exportadas 157,5 mil toneladas. Em receita, houve aumento de 62,6%, com US$ 485,1 no primeiro trimestre deste ano, contra US$ 298,3 milhões nos três primeiros meses do ano passado.



Dobrou a venda

De acordo com o banco BTG, as exportações de carne suína foram novamente o principal destaque do trimestre entre as proteínas, com volumes trimestrais e preços em dólares avançando 34% a / a e 2% a / a, respectivamente. As vendas em reais foram 97% maiores a/a no primeiro trimestre, enquanto os spreads avançaram 5% m/m em março para um nível 11% acima da média. No geral, os dados de exportação do primeiro trimestre sugerem que a demanda no exterior por proteína brasileira permanece forte e que os impactos do surto de covid-19 até agora foram limitados. Os analistas acreditam que essa tendência deve melhorar daqui para frente, à medida que a China se acelera gradualmente.

Ovos com maior preço

As cotações dos ovos atingiram o maior patamar real da série história do Cepea/USP, iniciada em 2013 para o produto. Esse cenário está atrelado à demanda pela proteína, que segue bastante alta, e à oferta, que está menor devido ao número de pedidos ter superado a produção das granjas. Além de o período de quaresma tradicionalmente impulsionar a procura por ovos, a preocupação da população com uma possível falta de alimentos nas próximas semanas, por conta da pandemia de Coronavírus, tem levado mercados atacadistas e varejistas a aumentar seus pedidos. Segundo pesquisas do Cepea, o ovo branco tipo extra teve preço médio de R$ 116,84 por caixa de 30 dúzias na quinta-feira, 2, alta de 3% em sete dias. Para os ovos vermelhos, as valorizações têm sido ainda mais intensas.



Convênio prorrogado

A renovação do prazo de vigência do convênio 100/97 foi aprova pelo Conselho Nacional de Política Fazendária. O colegiado, formado por secretários de Fazenda dos 26 estados e do Distrito Federal, decidiu pela prorrogação até dezembro de 2020. O antigo prazo de vigência era 30 de abril de 2020. O Convênio 100 reduz a base de cálculo do ICMS de determinados insumos agropecuários nas transações interestaduais. O benefício concede redução de 30% do imposto em fertilizantes e sementes e de até 60% em defensivos agrícolas. A renovação do convênio 100 é frequentemente debatida pelos membros do Confaz.


Produção de petróleo e de gás

A  Agência Natural do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis divulgou boletim mensal da produção de petróleo e gás natural referente a fevereiro. Neste mês, foram produzidos de 3,783 milhões de barris de óleo equivalente por dia, sendo 2,972 milhões de barris por dia de petróleo e 129 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural. Com relação a janeiro, a produção de petróleo reduziu 6,2% e aumentou 19,4% na comparação com fevereiro de 2019. Já a de gás natural reduziu 7,1% em relação a janeiro e aumentou 17,1% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. De acordo com os dados da ANP, a queda na produção de petróleo e gás natural em comparação com o mês anterior foi provocada principalmente pela ocorrência de paradas programadas e outras necessárias para a mitigação de riscos de segurança operacional em algumas instalações.


Queda na economia

A crise desencadeada pela covid-19 pode levar à queda da economia (PIB) da América Latina e do Caribe de, pelo menos, 1,8%, em 2020. A Cepal divulgou a previsão no relatório “A América Latina e o Caribe diante da pandemia de covid-19: efeitos econômicos e sociais”. Antes da chegada da covid-19, a Cepal previa que a região cresceria no máximo 1,3% em 2020. Entretanto, os efeitos da crise levaram a mudar essa previsão e a prever uma queda do PIB de pelo menos 1,8%, embora não se possa descartar que se chegue à retração entre 3% e 4%, ou até mais. Para a Cepal, o impacto econômico final dependerá das medidas tomadas nos níveis nacional, regional e global. Segundo o relatório, a crise da covid-19 terá efeitos econômicos diretos nos sistemas de saúde e nas taxas de mortalidade, e efeitos indiretos, que se materializarão no lado da oferta e da demanda na economia.

Compra com cartões

As compras com cartões de crédito e débito estão em queda diante da crise causada pelo novo covid-19 no Brasil, indica pesquisa feita pela Elo, empresa de cartões de crédito e débito. Segundo a pesquisa, transações com os dois tipos de cartão caíram no período da quarentena, principalmente nos setores de postos de combustíveis (-31%), bares e restaurantes (-59%), vestuário (-78%) e turismo (-80% ). Enquanto isso, houve aumento nas vendas com débito e crédito em supermercados (25%) e farmácias (10%). A análise verificou as alterações nos padrões de gastos com cartões de 19 de março a 1º de abril e comparou com as vendas do período de 5 de janeiro e 22 de fevereiro, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Nas compras em geral, houve queda de 21% nas vendas feitas com cartão de débito e 36% nas feitas com cartão de crédito.


Produção de veículos

A produção nacional de veículos caiu 21,1% em março, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os resultados foram divulgados na última segunda-feira, 6, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores e apontaram o impacto da pandemia do Coronavírus no País. Foram produzidas 189.958 unidades, contra 240.763 no mesmo período de 2019. Em relação a fevereiro deste ano, quando foram feitos 204.200 exemplares, a queda foi de 7%. Já no acumulado de janeiro a março, a redução foi de 16%. Para o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, a queda não foi causada por falta de componentes, mas diretamente pela parada da produção. No mês de março, praticamente toda a indústria automotiva brasileira suspendeu suas operações como prevenção à Covid-19.

Vendas de máquinas

A Anfavea também divulgou que as vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias pela indústria a concessionárias no Brasil saltaram 10% em março quando na comparação com mesmo mês do ano passado, enquanto também avançaram fortemente ante fevereiro. Os dados mostraram vendas de 4,1 mil unidades desses equipamentos no mês passado, o que representa alta de 46% frente a fevereiro. Já as exportações de equipamentos desses setores em março deste ano somaram 980 unidades, com queda de 11,9% ano a ano, mas avanço de 18,9% na comparação com fevereiro. A produção de máquinas agrícolas e rodoviárias no país, por outro lado, somou 4,1 mil unidades em março, com queda de 7,7% frente ao mesmo mês ao ano anterior. Na comparação com fevereiro, houve aumento de 14,9%.


Abertura de mercado

O Escritório Nacional de Segurança Sanitária dos Alimentos do Marrocos autorizou a importação de pintos de um dia e ovos embrionados provenientes do Brasil, informou o Ministério da Agricultura à Associação Brasileira de Proteína Animal. O pedido de exportação ao mercado do norte da África foi apresentado pela ABPA ao ministério em 2019. A viabilização dos embarques dependia da constituição de um Certificado Zoossanitário Internacional, o que foi finalizado pelas autoridades brasileiras e marroquinas este ano.


Aviões cheio

Seis aviões carregando mais de 4 mil porcas matrizes de alta qualidade da França chegaram à China, sendo os primeiros de dezenas de aviões cheios de animais que devem aterrissar no país asiático, à medida que o maior produtor de carne suína do mundo reconstrói seu recém dizimado cartel. A China está acelerando as importações dos animais conforme corre para reabastecer o mercado, depois de um surto de peste suína africana assolar o país a partir do final de 2018, matando dezenas de milhões de porcos e reduzindo as criações em até 60%. A alta nos preços da carne suína e o esforço do governo para reconstruir o cartel levaram produtores que haviam parado de comprar a retomar pedidos, chegando a dobrar alguns contratos que foram assinados antes de a doença se manifestar. Cada carregamento é avaliado em até US$ 1,6 milhão.

Redação ADI-PR Curitiba  
Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em 
www.adipr.com.br.