Connect with us

Paraná Empreendedor

Canal do Varadouro

No tratado de Tordesilhas por bom tempo o Meridiano da Cananéia serviu de divisor entre os domínios espanhol e português

Publicado

em

Imposto municipal

Um século e meio para construir e consolidar um importante meio de comunicação, defesa e de escoamento da produção econômica, hoje um pouco esquecido, relegado às populações locais

Varadouro, istmo que era ponto de contato dos índios Tupis, com atividades econômicas características e que se adaptaram aos costumes dos primeiros “colonos”, e os beligerantes e ferozes índios Carijós.

No tratado de Tordesilhas por bom tempo o Meridiano da Cananéia serviu de divisor entre os domínios espanhol e português. A região do istmo Varadouro, ao sul, até Cananéia (SP), ao norte, assistiu aos embates entre castelhanos e portugueses. 

No século XVII, Varadouro era conhecido como “Estrada da Marinha”, usada pelos mensageiros para correspondências à região e até ao Rio da Prata. Roteiro oficial, o canal era de responsabilidade dos portos de Paranaguá e Cananéia. Por ali passou o Batalhão dos Franco-Atiradores, em 1894, em defesa da Pátria.

Dada a importância para a economia, comunicação e defesa, Varadouro era passagem obrigatória. Mas os bancos de areia exigiam uma dragagem do canal, para melhorar a navegabilidade e facilitar o transporte de cargas.

No início do século XIX, fortaleceram-se manifestações e a cobrança pela dragagem. O primeiro documento de que se tem em registro data de 9 de junho de 1804, da Câmara de Cananéia ao Governador Geral da Capitania de São Paulo, informando sobre o “caminho do Varadouro e passagem para a vila de Paranaguá”.

Em 1828, o Conselho do Governo solicitou às Câmaras de Paranaguá e Cananéia que organizassem um plano para a abertura do canal. Paranaguá respondeu em agosto do ano seguinte. Em 1844, uma lei autorizou a exploração do canal, ligando os rios Varadouro e Ararapira. Em 1854, já como primeiro Presidente da Província do Paraná, Zacarias de Góes e Vasconcelos cobrou o cumprimento da lei. Mas somente em 1869 Antônio Augusto da Fonseca, então presidente da Província, ordenou a elaboração de novo estudo para as obras de abertura do canal. O que se tem registro é que em 1870 os rios tiveram a sua comunicação, em virtude de um canal. Finalmente em 1956, por obra da Inspetoria Geral dos Portos e Canais, ocorreu a efetiva construção do canal — 150 anos para um olhar ao povo do Vale da Ribeira e Litoral.

*Fonte, Revista USP – Traço de União Sul Paulista com o Litoral Norte Paranaense – Rodrigues, Maria Regina Cunha.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.