conecte-se conosco

Entrevista

Bispo fala sobre o verdadeiro significado da Páscoa

“Vivenciar uma data especial como a Páscoa durante a quarentena é sim um convite à reflexão”, afirma o bispo de Paranaguá, dom Edmar Peron

Publicado

em

O bispo da Diocese de Paranaguá, dom Edmar Peron, explica as orientações que foram adotadas pela Diocese de Paranaguá sobre as celebrações da Semana Santa e da Páscoa, neste momento em que o mundo enfrenta o momento mais grave da pandemia da Covid-19. Esta é a segunda vez, por conta da pandemia, que os fiéis não poderão comparecer pessoalmente às festividades de Páscoa, iniciadas no Domingo de Ramos. E o bispo enfatiza que o momento é um convite à reflexão.  Além disso, Dom Edmar fala sobre o verdadeiro significado da Páscoa, finalizando com a mensagem da união em oração e na observância das medidas sanitárias de combate à Covid-19.  Confira:

Folha do Litoral News: Como são desenvolvidas as atividades na Diocese de Paranaguá, neste tempo de pandemia?

Dom Edmar Peron: Ousada criatividade e empenho perseverante. Essas têm sido as marcas da dedicação de padres, diáconos, religiosas e leigos no desenvolvimento das atividades relativas à evangelização e à organização de nossa Diocese, particularmente a Catequese, a Liturgia, o Serviço aos pobres, em suas necessidades básicas, e os esforços para garantir o sustento econômico das comunidades.

Muitas pessoas, com grande generosidade – por si mesmas ou por meio das comunidades – têm se despertado para o compromisso caritativo da fé. A indiferença vai sendo vencida pela ajuda fraterna, expressa por meio de doações e da organização de grupos interessados em oferecer algum alívio aos que sofrem, à espera da solidariedade humana. As igrejas – nossos templos – estão fechadas para as celebrações litúrgicas, mas a “igreja viva” não está fechada. O povo de batizados se organiza e vai ao encontro. É um sinal, às vezes, pálido, daquela caridade que a Igreja inteira é chamada a realizar. É claro que as autoridades governamentais devem incluir os pobres em seus projetos, mas isso, porém, não desobriga a Igreja de exercer a caridade, de servir, de ir ao encontro dos sofredores.

A Catequese, por sua vez, revelou o lado criativo de numerosos irmãos e irmãs, que não se acomodaram, mas, especialmente, via on-line, continuam a manter unidos os grupos de crianças, adolescentes, jovens e adultos.

E a própria Liturgia superou os ambientes das nossas igrejas e entrou nas casas, por meio das redes sociais. Tivemos de nos adaptar ao modo de celebrar com pequenas equipes de liturgia, mas formando uma grande comunidade virtual. Tais celebrações garantiram a muitos irmãos o acesso ao rico tesouro da Palavra de Deus. Quando as leituras são bem preparadas, os salmos bem cantados e as homilias enraizadas na Palavra de Deus, às pessoas é oferecido o “Pão da vida, que é Cristo”. A todos, sem exclusão é dado este alimento de salvação: a Palavra de Deus, tomada das Escrituras.

Estes passos, ousados e criativos – e às vezes tímidos, cansados, marcados por muitos medos – são sinais de um longo caminho que nossa Diocese tem para percorrer, ela que está prestes a comemorar seus 60 anos, em 21 de julho de 2022.

Folha do Litoral News: Esta é a segunda vez, por conta da pandemia, que os fiéis não poderão comparecer pessoalmente às festividades de Páscoa. Vivenciar uma data especial durante a quarentena é um convite à reflexão?

Dom Edmar Peron: Essa pergunta me faz recordar de João Crisóstomo, bispo de Constantinopla, falecido em 407: “Assim como não se põe o incenso em carvão apagado, não adianta a celebração litúrgica sem uma verdadeira oração individual. O desejo espiritual é como o fogo, a oração individual faz a pessoa se abrasar nesse fogo. Então, quando as brasas estão acesas, se põe o incenso da liturgia e se realiza a oração comunitária” (São João Crisóstomo). Com esta citação, desejo afirmar que vivenciar uma data especial como a Páscoa durante a quarentena é sim um convite à reflexão. Além disso, é preciso insistir que a meditação e a oração de cada fiel são necessárias sempre, em todos os tempos, e não apenas nestes dias difíceis da pandemia. Quem deseja participar ativamente e com frutos da celebração precisa, como nos lembra o Senhor no início da Quaresma, entrar no quarto, fechar a porta e orar ao Pai que está nos Céus (Mateus 6,6 – Evangelho proclamado na Quarta-feira de Cinzas). Oração Litúrgica e oração pessoal se reforçam mutuamente. A meditação do Evangelho de cada dia será o modo concreto de abrasar o coração sempre, especialmente durante o Tríduo Pascal. Ofereço, pois, as indicações para cada dia: Quinta-feira, João 13,1-15; Sexta-feira, João, capítulos 18 e 19; Sábado Hebreus 4,1-13 ou 1Pedro 1,18-21; Domingo, João 20,1-9 ou Lucas 24,13-35.

Folha do Litoral News: O Coronavírus mexeu com o cotidiano, com o trabalho e as relações humanas. Como a igreja sente o impacto na vida das pessoas?

Dom Edmar Peron: Penso que seja possível falar de duas consequências perceptíveis em nossas comunidades: o crescente sofrimento e a não menos crescente confiança em Deus, com o despertar de uma fé mais amadurecida. Não é possível permanecer indiferente ao grande sofrimento gerado em uma família quando um dos seus amados morre de Covid-19. É uma separação brusca, cruel. Quase todas as famílias não puderam mais estar ao lado da pessoa depois de ela ter sido levada para a UTI.  E, na morte, não tiveram a possibilidade de velar a pessoa, chorar sobre ela, tocá-la, despedir-se dela. Apenas receberam um caixão lacrado com a informação de que dentro dele estava a pessoa que amavam e o depositaram no túmulo. Esta não é a única dor. Há também aquela causada pelo desemprego, a fome, a solidão. Ao mesmo tempo, percebe-se o renascer da confiança em Deus. As nossas poucas seguranças vão se desmoronando e, digamos, abrindo espaço para entrar outra claridade, a que emana da espiritualidade, a qual oferece um novo sentido para viver. Para o cristão, na Páscoa, olhamos para o Crucificado, que assumiu nossas dores e experimentou nossa morte e, vitorioso, vive, é o Ressuscitado. Ele prometeu estar conosco todos os dias, até o fim do mundo. Nele, “homem das dores” pode-se, pouco a pouco, encontrar sentido para as nossas próprias dores.

Folha do Litoral News: O senhor poderia nos falar qual é o verdadeiro significado da Páscoa?

Dom Edmar Peron: A Páscoa é o ponto alto do Tríduo pascal, chamado por Santo Agostinho, o “tríduo do crucificado, do sepultado e do ressuscitado”. Cristo por nós foi morto na cruz, sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras. A Páscoa é a celebração desta vitória de Cristo sobre o pecado e morte. Nele, a vida é vitoriosa e em definitivo. Em nós, porém, a vitória da vida e a nossa libertação vão acontecendo a cada dia. É nossa Páscoa na Páscoa de Cristo quando passamos de condições de vida menos humanas para condições de vida mais humanas. Quando a divisão cede espaço à união; à intolerância, ao respeito pelo diferente; à miséria, à posse do necessário para viver dignamente; à doença, à saúde; o pecado, à graça; e poderíamos elencar muitas outras situações para abrir nossa compreensão da Páscoa, sinais da passagem amorosa de Deus pelo meio do seu povo para conduzi-lo à verdadeira libertação.

Folha do Litoral News: As missas agora são transmitidas de forma on-line neste período de Páscoa? Como os fiéis poderão acompanhá-las?

Dom Edmar Peron: Por mais um tempo, creio eu, precisaremos seguir com as celebrações sem a participação normal de fiéis, transmitidas pelas redes sociais, rádios e TVs. Em nossa Diocese, as Comunidades paroquiais, os santuários e a reitoria estão se desdobrando para, com a melhor qualidade possível, transmitir as celebrações pelas rádios e pelas redes sociais. Na página da Diocese de Paranaguá, no Facebook – /diocesedeparanagua – as pessoas poderão acompanhar as celebrações do Tríduo Pascal, presididas por mim, na Catedral: sexta-feira, às 15h; sábado, às 19h; domingo, às 10h.

Contudo, cada pessoa ou família é chamada a celebrar em sua casa, usando algum subsídio, e não apenas acompanhar as transmissões das celebrações. Apresento dois ótimos subsídios: Celebrar em Família (https://www.cnbb.org.br/categoria/download/) e Celebrar em casa (https://revistadeliturgia.com.br/semana-santa-em-casa/).

Finalmente, unidos na oração e na observância das medidas sanitárias de combate à Covid-19, desejo a todos e a todas uma Feliz Páscoa.

Leia também: Paraná investe em ações de solidariedade e é reconhecido como o Estado mais Solidário do Brasil

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.