conecte-se conosco

Coronavírus

Todas as vacinas contra a Covid-19 utilizadas no Brasil são eficazes, aponta Fiocruz

Primeiro boletim da fundação sobre efetividade dos imunizantes foi publicado nesta semana

Publicado

em

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) publicou a sua primeira edição de um boletim que analisa a efetividade das vacinas contra a Covid-19 que estão sendo aplicadas na população em todo o Brasil. Segundo o estudo técnico, todas as vacinas em uso no Brasil, entre elas a AstraZeneca, CoronaVac, Pfizer e Janssen, têm efetividade contra o Coronavírus. Os dados que fazem parte do projeto denominado de Vigivac, da Fiocruz, demonstram claramente uma redução de casos da doença após a imunização, bem como internações e mortes decorrentes da Covid-19. 

“O informe, que apresenta análises das quatro vacinas administradas no Brasil, de janeiro a outubro de 2021, aponta que todas conferem grande redução do risco de infecção, internações e óbito por Covid-19. Considerando os desfechos graves (internação ou óbito) em indivíduos com idade entre 20 e 80 anos, a proteção variou entre 83% e 99% para todos os imunizantes. Na população abaixo de 60 anos, todas as vacinas apresentam proteção acima de 85% contra risco de hospitalização e acima de 89% para risco de óbito”, detalha a Fiocruz.

Segundo a fundação, o boletim na íntegra pode ser acessado no link: https://vigivac.fiocruz.br/pdfs/Relatorio%20Efetividade9dez2021.pdf . O estudo conta com descrição de todos os resultados encontrados para cada imunizante, bem como métodos de investigação utilizados e contexto da pandemia no Brasil, bem como evolução das variantes. 

CoronaVac

De acordo com o boletim, a CoronaVac apresentou uma alta efetividade contra a Covid-19 em pessoas com idade entre 18 e 59 anos,algo que varia de 89% a 95% e de 85% a 91% para óbitos e hospitalizações, respectivamente. “Entretanto, houve queda importante na efetividade em pessoas com 60 anos ou mais. Na faixa entre 60 e 69 anos a proteção contra formas graves da doença foi de 81%, chegando a 64% em maiores de 80 anos”, complementa.

AstraZeneca

De acordo com as informações obtidas pelo estudo da Fiocruz, a AstraZeneca foi a vacina mais utilizada no Brasil para imunização contra a pandemia. “Os resultados para a população adulta de até 59 anos mostraram efetividade de 99% do imunizante contra óbitos. A queda da efetividade também acompanhou o aumento da faixa etária. No grupo de pessoas entre 60 e 69 anos a proteção contra infecção foi de 89%, chegando a 82% nos indivíduos acima de 80 anos. Com relação aos óbitos, pessoas acima de 80 anos tiveram proteção de 91%, um pouco menor do que as outras faixas de 60 a 69 e 70 a 79 anos, que tiveram 97% e 93%, respectivamente”, detalha.

Pfizer

“As análises para a população adulta com até 59 anos que recebeu a Pfizer mostraram que a proteção manteve-se acima de 96%”, explica a assessoria. De acordo com o estudo, a proteção contra internações e mortes neste grupo até 59 anos foi de 99%. “Os pesquisadores destacam que a Pfizer foi administrada na população mais jovem e em momento epidêmico com menor circulação do vírus, o que pode favorecer a efetividade da vacina”, acrescenta a Fiocruz.

Janssen

De acordo com a fundação, na população adulta de até 59 anos que recebeu a dose única da Janssen, foi constatada uma proteção contra óbito de 78% a 94%. “Contra hospitalização a proteção ficou entre 88% e 91% e contra infecção a efetividade foi de 68% a 73%”, completa. “Para a população idosa, foi possível calcular a efetividade com segurança apenas para a população com 80 anos ou mais, que teve proteção contra óbito de 91% e contra hospitalização de 93%”, finaliza a Fiocruz.

Com informações da Fiocruz