Connect with us

Coronavírus

TJPR suspende habeas corpus e interdita praias de Guaratuba

Medidas restritivas adotadas pelo município de Guaratuba têm como objetivo a prevenção contra a Covid-19 (Foto: Prefeitura de Guaratuba)

Publicado

em

Judiciário reforçou legalidade do decreto da Prefeitura

Na sexta-feira, 17, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), por meio de Mandado de Segurança Criminal assinado pelo Desembargador Paulo Edison de Macedo Pacheco, suspendeu habeas corpus impetrado por um morador na terça-feira, 14, retomando a interdição de praias, rios, baía e calçadão da cidade de Guaratuba. A decisão tomou por base a autonomia de municípios, Estados e Distrito Federal (DF) firmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para tomarem medidas em seu território no enfrentamento ao novo Coronavírus, o que inclui, por exemplo, interdição das praias e reforço do isolamento social, bem como compreendendo também que o Tribunal não possui competência para apreciação de habeas corpus em fase de ato administrativo de prefeito, no caso concreto, do gestor municipal Roberto Justus. 

Segundo a decisão, o mandado de segurança analisou o Habeas Corpus N.º 0016667-45.2020.8.16.0000 da 2.ª Câmara Criminal do TJPR, que suspendeu efeitos do artigo 2.º do Decreto 23.337/2020, assinado pelo prefeito Roberto Justus. O documento retomou a restrição do acesso, o trânsito e a permanência em todas as praias, faixas de areia, calçadões, baías e rios do Município de Guaratuba, para qualquer finalidade, o que inclui as práticas esportivas, algo que já havia sido firmado no dia 4 de abril e acabou sendo suspenso no último dia 14, sendo retomado o fechamento nesta sexta-feira, 17. 

“Já se reconheceu a incompetência deste Tribunal de Justiça para apreciação de Habeas Corpus em face de ato administrativo do prefeito Municipal para o combate do novo coronavírus; que não é possível a impetração de habeas corpus quanto à ato normativo de caráter geral, o que torna ilegal a concessão da medida liminar ora combatida”, explica o TJ. Além disso, o Tribunal afirma “que é de competência municipal a imposição de medidas restritivas de circulação de pessoas em praias localizadas em território de município no cenário do enfrentamento da Covid-19”, complementa.

Reforço da decisão

No mandado de segurança, o magistrado argumenta uma nota de esclarecimento divulgada pelo 1.º vice-presidente do TJPR, Desembargador Coimbra de Moura, que ressaltou que o habeas corpus concedido para interdição das praias, através do Desembargador José Maurício Pinto de Almeida. “Em sua decisão, antes de tratar do caso concreto, consignou o ilustre Desembargador que a 1ª Vice-Presidência, na pessoa do Desembargador Coimbra de Moura, ao apreciar requerimento de distribuição do habeas corpus número 0015492-16.2020.8.16.0000, admitiu a competência do Tribunal de Justiça do Paraná para apreciar pedidos de habeas corpus impetrado para o combate de decisões de chefes de Poder Executivo municipal limitadoras do direito de ir e vir dos cidadãos. Equivocou-se o nobre magistrado, data venia”, complementa o desembargador.

STF e prefeitura em conformidade com o MPPR

No habeas corpus foi alegado que o prefeito teria cometido abuso de autoridade, o que poderia caracterizar uma penalização por infração penal, algo que não se sustenta, de acordo com o mandado. “Em primeiro lugar, em decisão recente, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade, confirmou o entendimento de que as medidas adotadas pelo Governo Federal na Medida Provisória (MP) 926/2020 para  o enfrentamento do novo coronavírus não afastam a competência concorrente nem a tomada de providências normativas e administrativas pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios”, detalha o TJPR.

Ainda segundo o desembargador, o STF, em decisão firmada na quarta-feira, 15, reforçou a autonomia da Prefeitura de Guaratuba e outros municípios para medidas restringindo a circulação de pessoas. “Ao editar o ato administrativo de restringir o acesso, o trânsito e a permanência de pessoas em todas as praias, faixas de areia, calçadões, baías e rios do município de Guaratuba, para qualquer finalidade, incluídas as práticas esportivas, o prefeito nada mais fez do que cumprir a Recomendação n.º 01/2020 das Promotorias de Justiça do litoral feitas aos Municípios litorâneos do Estado do Paraná, entre os quais o de Guaratuba”, complementa. 

O desembargador Paulo Pacheco reforçou a incompetência absoluta da 2.ª Câmara Criminal para determinar a  suspensão da interdição das praias de Guaratuba. “É preciso levar em conta que as medidas restritivas adotadas pelo art. 2.º do Decreto 23.337/2020 do município de Guaratuba visam a prevenção da pandemia da Covid-19, doença altamente transmissível e com expressiva taxa de letalidade, situação que determina a proteção rápida e efetiva do direito à vida.

Tutela de urgência

A decisão do TJPR foi em tutela de urgência, ou seja, possui efeito imediato em Guaratuba, visto que, “certamente as praias, faixas de areia, calçadões, baías e rios do Município de Guaratuba poderão ser tomados de aglomeração nos próximos dias, inclusive em feriados, em flagrante e injustificável prejuízo a todo o esforço que se tem feito para continuidade do isolamento social tão necessário para a preservação do maior número possível de vítimas durante o período em que perdurar essa lamentável pandemia que assola a população mundial”, explica.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.