Connect with us

Coronavírus

Covid cresce e atinge 93% dos municípios paranaenses

Aumento foi significativo desde os últimos 40 dias

Publicado

em

A Covid-19 alcançou 373 cidades do Paraná (93%), 117 dias após os primeiros registros da pandemia (12 de março). Apenas em 26 municípios não havia casos de pessoas infectadas pelo novo Coronavírus.

A evolução é significativa em julho. Os sete primeiros dias do mês concentraram 11.322 casos, ou 33% de toda a pandemia, iniciada em março. Já são 202 óbitos apenas neste mês, 24% do total registrado no ano.

O aumento significativo nos últimos 40 dias tirou o Paraná da liderança do índice de casos por 100 mil habitantes, alcançada desde o começo da pandemia com o esforço da sociedade e do Governo do Estado.

Na terça-feira, segundo o Ministério da Saúde, o índice do Paraná era de 300,1, enquanto Minas Gerais (287,7) e Rio Grande do Sul (297,1) tinham taxas menores.

“É uma doença muito séria. Tanto que mesmos os países que já tiveram a sua pior fase da pandemia estão em constante alerta para frear novos surtos, com medidas de isolamento e distanciamento para as pessoas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Não há fórmula para vencê-la, precisamos estar juntos nessa batalha”.

Para ajudar a conter o avanço, o Governo do Estado restringiu a circulação e as atividades econômicas em oito regionais de Saúde (Cascavel, Cianorte, Cornélio Procópio, Região Metropolitana de Curitiba, Londrina, Foz do Iguaçu, Toledo e Litoral) por 14 dias. Essa medida leva em consideração um cálculo epidemiológico que considera a taxa de incidência por 100 mil habitantes, o número de mortes pela mesma faixa populacional e a ocupação de leitos de UTI nas quatro macrorregionais (Leste, Oeste, Norte e Noroeste).

“É uma abordagem de saúde pública. Os casos estão aumentando, a situação é preocupante, e é momento de agir”, acrescenta Beto Preto.

CRONOLOGIA 

O Paraná convive com a doença há mais de três meses. Os primeiros seis casos, divulgados no dia 12 de março, foram registrados em dois municípios: Cianorte e Curitiba. Eram pessoas que viajaram para o exterior e retornaram infectadas. Com o passar dos dias, a circulação e deslocamentos constantes alteraram o padrão e começou a transmissão comunitária.

Um mês depois, em 12 de abril, o monitoramento da secretaria registrava 738 casos em 78 cidades e 30 óbitos em 14 municípios do Estado. Em 12 de maio os casos mais que dobraram em quantidade de pacientes e municípios: 1.906 confirmados em 158 cidades e 113 mortos em 44 cidades.

No dia 12 de junho a Secretaria da Saúde divulgou 8.705 casos registrados em 296 municípios e 294 mortos em 100 municípios. Até o dia sete de julho, 117 dias após os primeiros casos, o Paraná registra 33.939 casos em 373 municípios e 837 pacientes que morreram em 164 cidades.

Beto Preto explica que a Covid-19 representa um desafio para a administração pública e para a sociedade.  “O avanço da doença é assustador quando olhamos para o mapa e os números. Mas é muito cruel porque perdemos 837 cidadãos neste curto período”, afirma.

DECRETO 

Governo do Estado publicou no dia 30 de junho medidas restritivas para oito regiões do Paraná com objetivo de conter a transmissão do novo Coronarívus.

O Decreto 4.942/2020 impôs fechamento de estabelecimentos, restrição de horários e adequações para uma nova rotina em 141 municípios paranaenses, 35% do total de cidades.

Entre todos os municípios alcançados pelo Decreto, apenas seis não tinham casos confirmados da Covid-19 até quarta-feira, 8: Miraselva, Santo Antônio do Paraíso, Pitangueiras, Nova Santa Bárbara, Doutor Ulysses e Tunas do Paraná.

A população que reside nos 141 municípios é de 6.593.043 pessoas, o que representa 58% de todos os moradores do Estado, mas a quantidade de casos confirmados é bem acima disso: 75% são de moradores destes municípios. Do total de 837 mortes da terça-feira, 657, ou 78%, eram pessoas que residiam nestas regiões. Em 77 dos 141 municípios ao menos uma pessoa morreu em decorrência da infecção pelo novo Coronavírus.

Fonte: AENPR – Foto: Geraldo Bubniak/AENPR