conecte-se conosco

Semeando Esperança

DEUS AMA O MUNDO

“Deus ama o mundo”. Não um mundo ideal, pensado e defendido por certos grupos, mas o ama tal como é: inacabado e incerto; cheio de conflitos e contradições; capaz do melhor e do pior

Publicado

em

Bispo Dom Edmar Peron

A possibilidade de meditar um texto do Padre José Antonio Pagola intitulado “Deus ama o mundo” foi de grande conforto. Por causa da missão, tenho experimentado como tantas pessoas muitas tristezas acentuadas ou provocadas pela pandemia. Há, também, a percepção da crescente onda de fundamentalismos extremistas, tanto de cunho religioso quanto político, gerando comportamentos intolerantes e violentos. Por isso pensei em partilhar alguns elementos do texto meditado.

Para iniciar o assunto é importante reiterar que a afirmação “Deus ama o mundo” não é uma frase a mais ou uma daquelas expressões que poderiam ser eliminadas do Evangelho sem que nada de fundamental mudasse. Não! Trata-se do núcleo essencial da fé cristã: “Deus amou tanto o mundo, que deu seu Filho unigênito”. Esse amor de Deus é a origem e o fundamento da nossa esperança.

“Deus ama o mundo”. Não um mundo ideal, pensado e defendido por certos grupos, mas o ama tal como é: inacabado e incerto; cheio de conflitos e contradições; capaz do melhor e do pior. É este mundo concreto que Deus ama e não deixa percorrer um caminho sozinho, perdido e desamparado. Deus o envolve com seu amor por todos os lados. Esta compreensão ajuda a perceber consequências da máxima importância.

Primeiramente é preciso afirmar que Jesus é, antes de tudo, o “dom” que Deus fez ao mundo, não só aos cristãos. Ainda que os investigadores possam discutir sem fim sobre muitos aspectos de sua figura histórica, e os teólogos continuem desenvolvendo suas teorias – algumas muito estranhas e longe do Jesus de Nazaré, apresentado pelos quatro evangelistas –, fundamental mesmo é se aproximar dele. Somente quem busca Jesus Cristo, deixa-se encontrar por ele e o acolhe como o grande dom ou presente de Deus, pode paulatinamente descobrir, com emoção e alegria, que Deus está próximo de cada ser humano.

Em seguida, vem a questão eclesial. A razão de ser da Igreja – aliás, a única razão que justifica sua presença no mundo – é lembrar a todos o amor de Deus. O Vaticano II sublinhou isso diversas vezes: a Igreja é enviada por Cristo para manifestar e comunicar o amor de Deus a todos os seres humanos. Não há nada mais importante do que essa missão. Comunicar o amor de Deus a todas as pessoas é a primeira coisa a fazer.

Decorre, igualmente, da afirmação “Deus ama o mundo” que ele dá ao mundo esse grande dom que é Jesus, “não para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”. É perigoso fazer da denúncia e da condenação do mundo moderno todo um programa pastoral. Grave é do mesmo modo uma proposta e ação política que, em nome de Deus, condene pessoas e grupos. Só com o coração cheio de amor a todos podemos nos chamar uns aos outros à conversão e à fraternidade. Se as pessoas se sentem condenadas por Deus, não estamos transmitindo a elas a mensagem de Jesus, mas outra coisa: talvez nossos ressentimentos e descontentamentos.

Enfim, no momento atual, em que tudo parece confuso, incerto e desalentador, nada impede que cada um de nós introduza um pouco de amor no mundo. Foi o que fez Jesus. Não devemos esperar por nada. Por que não sermos nesse momento homens e mulheres que introduzam no mundo amor, amizade, compaixão, justiça, sensibilidade e ajuda aos que sofrem? E isso, claro, independentemente da fé que professamos e, até mesmo, sem ela.

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.