Connect with us

Paraná Produtivo

Postos de trabalho

O Paraná abriu 33.008 vagas formais de trabalho em outubro, terceiro melhor resultado do País em volume de carteiras assinadas

Publicado

em

Postos de trabalho

O Paraná abriu 33.008 vagas formais de trabalho em outubro, terceiro melhor resultado do País em volume de carteiras assinadas. O Estado registra o quinto mês seguido de alta nas contratações, e se recupera dos efeitos mais severos da pandemia, que fechou cerca de 100 mil postos de trabalho. O saldo de vagas abertas no acumulado de janeiro a outubro já é de 33.615 novos empregos, segundo melhor indicador do Brasil. Os números de outubro foram os melhores do ano, com crescimento de quase 70% em relação a setembro, que apontou 19.578 vagas criadas. O resultado também representa mais de 8% dos 394.989 empregos gerados em todo o território nacional no mês passado.

Soja do Paraná

O Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), estimou, em seu relatório mensal, que a produção da safra de soja em 2020/21 deve chegar a 20,467 milhões de toneladas, contra 20,751 milhões de toneladas da safra anterior, com uma queda de 1%. Em outubro a safra havia sido apontada em 20,499 milhões de toneladas. A área plantada com soja na safra 2020/21 deve ficar em 5,559 milhões de hectares, contra 5,472 milhões na safra 2019/20, com incremento de 2%. A produtividade média foi estimada em 3.681 quilos por hectare, abaixo dos 3.792 quilos registrados na última safra.

Pitch Paraná

Na última rodada do Pitch Paraná, realizada na última quarta-feira, 25, quatro startups apresentaram soluções na área de Empreendedorismo Social. Iniciativa do Governo do Estado para identificar ideias inovadoras e tecnologias inclusivas, o Pitch Paraná já trouxe projetos para o Agronegócio, Saúde e Biotecnologia, Governo e Cidades Inteligentes e Indústria 4.0. No dia 2 dezembro será anunciada a startup vencedora de todas as categorias. O Pitch Paraná é uma iniciativa da Superintendência Geral de Inovação, vinculada à Casa Civil, com execução da SGI e Celepar, parceria da Fiep, Sebrae, Assespro e Icities e apoio da Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Fundação Araucária, Faciap, PTI, Iguassu Valley, Instituto Legado, Hotmilk e Distritobusca.

Startup paranaense

A startup curitibana AgroRaptor está entre as dez startups brasileiras de agro selecionadas para um programa de aceleração da rede social Facebook. A gigante se uniu à aceleradora Baita, com sede na Universidade Estadual de Campinas, para avaliar soluções propostas para ajudar a contornar gargalos enfrentados pelo produtor. As startups selecionadas passarão os próximos quatro meses recebendo mentoria para definir metas e avaliar o modelo de negócio, palestras, workshops e networking com profissionais do agronegócio. A AgroRaptor criou uma solução que utiliza drone próprio e plataforma de processamento e diagnóstico por imagens com mais de 25 índices vegetativos. É acessível aos produtores, por dispensar a compra de drones e computadores.

Agepar suspende reajustes

O Conselho Diretor da Agepar (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados) decidiu cautelarmente na última quinta-feira, 26, suspender por 60 dias os reajustes das tarifas de pedágio de três concessionárias. A decisão faz parte de uma análise sobre cálculos na aplicação de degraus tarifários e índices de depreciação de investimentos e deve afetar o reajuste anual previsto em contrato para o mês de dezembro. O Conselho, após abertura de prazo para manifestação das concessionárias, definiu a suspensão em reunião virtual em que discutiu processos de autotutela e contou com participação de representantes legais das concessionárias Econorte, Rodonorte e Viapar.

Empregos formais

A economia brasileira gerou 394.989 empregos com carteira assinada em outubro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na última quinta-feira, 26. De acordo com o Ministério da Economia, o número de empregos formais criados em outubro de 2020 é o maior registrado na série histórica do Caged, que começou em 1992. Foi o quarto mês seguido em que as contratações com carteira assinada superaram as demissões. No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, houve a perda de 171.139 empregos com carteira assinada. No mesmo período do ano passado, o Brasil registrou 841.589 contratações a mais do que demissões.

Do Brasil para o mundo

As exportações de carnes do Brasil deverão atingir novos recordes em 2021, impulsionadas especialmente pelas expectativas de firme demanda chinesa por cortes bovinos, suínos e de aves, projetou o Rabobank em estudo publicado na última quarta-feira, 25. Segundo a estimativa do banco, os embarques de carne bovina do país devem alcançar uma máxima de 2,61 milhões de toneladas na nova temporada, incremento de 5,5% em relação a 2020. Movimento semelhante será visto nos embarques de carne suína, com alta estimada em cerca de 6%, a 1,2 milhão de toneladas. O Rabobank espera que as exportações da proteína ultrapassem a marca de 1 milhão de toneladas pela primeira vez na história em 2020.

Exportação para o México

O Brasil foi informado pelas autoridades mexicanas da aprovação do Certificado Zoossanitário Internacional proposto para a exportação de ovos de aves, subprodutos e partes, o que abre as portas do mercado mexicano às exportações brasileiras desses produtos. O anúncio foi feito na última quarta-feira, 25, em uma nota conjunta assinada pelo Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Agricultura (Mapa). O México também estabeleceu uma quota tarifária plurianual para a importação de arroz com casca. O volume do produto autorizado a ingressar com tarifa zero é de 30 mil toneladas, até 31/12/2020, e de 75 mil toneladas, no período de 1/1/2021 a 31/12/2021.

Emissões recordes

As emissões da dívida pública federal somaram R$ 173,26 bilhões em outubro, no que foi o maior volume da série histórica, iniciada em 2006. O nível elevado de colocações tem por objetivo suprir a necessidade de financiamento do governo frente à pandemia, mas também garantir a manutenção do caixa acima do limite prudencial, de acordo com o Tesouro Nacional. Em outubro, a dívida pública subiu 2,47% e chegou a R$ 4,64 trilhões. Segundo o coordenador de operações da dívida pública, Roberto Lobarinhas, o Tesouro vai chegar ao final do ano com o caixa em patamar acima do prudencial e em nível suficiente para fazer frente aos compromissos dos quatro primeiros meses do próximo ano, período no qual os vencimentos programados ultrapassam R$ 650 bilhões.

Confiança da indústria

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 1,9 ponto de outubro para novembro deste ano. Com o resultado, a confiança do empresário da indústria brasileira chegou a 113,1 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, o maior valor desde outubro de 2010 (113,6 pontos). Doze dos 19 segmentos industriais pesquisados pela FGV tiveram registraram aumento da confiança. Quinze setores estão em nível acima de fevereiro desse ano, ou seja, do período pré-pandemia. O Índice de Situação Atual, que mede a confiança no presente, aumentou 4,5 pontos e atingiu 118,2 pontos, o maior valor desde dezembro de 2007 (118,9 pontos). Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, caiu 0,7 ponto, passando para 107,9 pontos.

Dívida Pública Federal

A Dívida Pública Federal (DPF) subiu 2,47% em termos nominais na passagem de setembro para outubro, somando R$ 4,638 trilhões. O número ficou dentro da meta estabelecida no Plano Anual de Financiamento (PAF), que determina uma oscilação entre R$ 4,6 trilhões e R$ 4,9 trilhões em 2020. De acordo com números divulgados na última quarta-feira, 25, pelo Tesouro Nacional, a Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) registrou uma alta de 2,48% em outubro, para R$ 4,386 trilhões. Já a Dívida Federal Externa (DFE) somou R$ 251,59 bilhões (US$ 43,59 bilhões), o que representa elevação de 2,32% ante setembro. As emissões da DPF corresponderam a R$ 173,26 bilhões, enquanto os resgates somaram R$ 97,31 bilhões, o que resultou em emissão líquida de R$ 75,96 bilhões. Desse total líquido, R$ 76,79 bilhões referem-se à emissão líquida da DPMFi e R$ 830 milhões ao resgate líquido da Dívida Pública Federal Externa.

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

Leia também: Grupo RIC