Connect with us

Paraná Produtivo

Caique Ferreira

A Renault anunciou a nomeação de Caique Ferreira como diretor de comunicação região Américas, em substituição a Stephane Guilbaud que retorna à França.

Publicado

em

A Renault anunciou a nomeação de Caique Ferreira como diretor de comunicação região Américas, em substituição a Stephane Guilbaud que retorna à França. Caique se reportará a Luiz Fernando Pedrucci, vice-presidente sênior e presidente região Américas. O executivo mantém a função de diretor de comunicação da Renault do Brasil reportando-se a Ricardo Gondo, presidente da Renault do Brasil. Caique tem 53 anos e é formado em Engenharia Mecânica pela PUC-MG e em gestão pela Fundação Dom Cabral. Está há nove anos na Renault do Brasil, com sede em Curitiba, e há mais de 25 anos atuando no setor automotivo, tendo passado por diversas funções nas áreas de pós-venda, logística e desenvolvimento de produto. Fernanda Stocco assumiu a gerência de comunicação, passando a ser responsável pela assessoria de imprensa da Renault do Brasil. A executiva segue responsável pela comunicação interna.


Transporte de grãos

O volume de grãos transportados na malha ferroviária da região Oeste do Paraná até o Porto de Paranaguá mais que dobrou no primeiro semestre deste ano, comparado ao mesmo período de 2019. O acréscimo foi de 128%, apesar dos efeitos da pandemia da covid-19 que impacta diretamente em limitação de operações e redução da demanda. Um dos fatores preponderantes é a parceria desenvolvida pela Ferroeste, estatal que opera a malha ferroviária entre Cascavel a Guarapuava, e a empresa Rumo Logística, que movimenta as cargas de Guarapuava para Paranaguá. Assinado em fevereiro de 2020, o Contrato de Operação Específico tem como objetivo ampliar a capacidade de escoamento da safra da região Oeste pelo ramal ferroviário. Nestes primeiros seis meses, o volume de grãos saltou de 133,2 milhões de toneladas úteis para 303 milhões de toneladas.

Consumo de energia

O consumo de energia no Brasil recuou 4,7% no acumulado de junho até o dia 26, em comparação com igual período do ano passado, uma queda menor que a vista nos meses de consumo mais baixo devido à pandemia do novo Coronavírus, informou na última segunda-feira, 6, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Segundo comunicado da entidade, o resultado reforça uma tendência de retomada gradativa de demanda em meio à reabertura econômica em diversos Estados e municípios do país, depois de o índice atingir retrações de 12,1% em abril e 10,9% em maio. Nesse período, o consumo de energia elétrica no Brasil foi fortemente afetado pelas medidas restritivas impostas para contenção da pandemia de Covid-19.


E-commerce brasileiro

Segundo a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico), desde o início da pandemia mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado. A média mensal antes da pandemia era de 10 mil lojas por mês. A instituição diz que os setores mais aquecidos na abertura de estabelecimentos virtuais são os de moda, alimentos e serviços. “É importante ressaltar que essas 135 mil são lojas ativas e que realmente têm produtos/serviços para oferecer. Ou seja, um número gigante de lojas realmente ativas e vendendo”, disse o presidente da ABComm, Maurício Salvador.

Exportação de arroz

As exportações brasileiras de arroz bateram recorde em junho, totalizando 316.175 toneladas (base casca), crescimento de 1.108% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a consultoria Cogo, com base em dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). “Esse também é o maior volume mensal já exportado pelo país, superando dezembro de 2018, quando foram embarcadas 287.104 toneladas”, informa. Em junho, os embarques de arroz em casca responderam por 30,2% do total. As exportações de produto beneficiado responderam por 42% das vendas externas e as de quebrados de arroz, por 27,8%. Os destaques do mês passado foram as exportações de arroz em casca, com embarques de 30 mil toneladas para Montenegro; 25,5 mil toneladas para a Venezuela; e outras 25 mil toneladas para a Costa Rica.



PIB do agronegócio

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro teve alta de 3,78% no primeiro quadrimestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado, puxado principalmente pelo crescimento de 8,22% do segmento primário (dentro da porteira). Os dados são da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, calculados em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Segundo o estudo, de janeiro a abril deste ano, o resultado se manteve positivo para todos os segmentos. Além da alta da atividade primária, o setor de agrosserviços cresceu 3,98%, seguido por insumos (0,97%) e agroindústria (0,44%). Tanto a agricultura quanto a pecuária tiverem crescimento no acumulado do primeiro quadrimestre, de 1,72% e 8,01%, respectivamente.



Máquinas agrícolas

As vendas de máquinas agrícolas e tratores no Brasil caíram 1,3% no primeiro semestre de 2020, na comparação com o mesmo período do ano passado, para 19.642 unidades, em meio aos impactos da pandemia de Covid-19, informou a Anfavea na última segunda-feira, 6. Mas a associação está confiante de que terá um segundo semestre melhor nas vendas de máquinas agrícolas e elevou as projeções para uma alta de 3% em 2020 – ante aumento de 0,5% na previsão de janeiro-, com o agronegócio sendo menos afetado pela crise do covid-19, diante do impulso do câmbio nos preços das commodities. Em junho, as vendas totais, de máquinas agrícolas e rodoviárias, somaram 3.910 unidades, alta de 0,9% ante maio e uma queda de 9,6% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Open Banking

O Banco Central comunicado no qual informa as associações aptas a indicar representantes para o comitê que vai acompanhar a implementação do Open Banking no mercado brasileiro. O Open Banking é uma das apostas do BC para modernização do sistema financeiro nacional, ao lado do PIX – ferramenta de pagamentos instantâneos prevista para entrar em operação em novembro. Entre as associações consideradas aptas pelo BC a integrar esse colegiado estão a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), a ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs), entre outras.


  
O que é o Open Banking?

O Open Banking corresponde a um conjunto de regras e tecnologias que permitem o compartilhamento – seguro, eficiente e mediante autorização prévia – de informações cadastrais e financeiras de pessoas e empresas. Em suma, ele parte do princípio de que a propriedade dos dados é do consumidor, e não do banco ao qual ele está vinculado. Dessa forma, a expectativa é que seja muito mais fácil para esse consumidor mudar de uma instituição financeira para outra, por exemplo. Assim como o PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central que entra em operação em novembro, o Open Banking também estabelece um padrão que terá de ser seguido por todos os integrantes do ecossistema financeiro nacional. Um ambiente que tende a favorecer as fintechs.

Francal cancelada

Os organizadores da Feira Internacional de Moda em Calçados e Acessórios (Francal) anunciaram na última terça-feira, 7, que não realizarão o evento em 2020 em função da pandemia do covid-19. Uma das maiores do setor calçadista do mundo, a feira fundada em Franca (SP), que há décadas é realizada em São Paulo, tinha sido adiada de junho para o início de setembro por conta da crise sanitária, mas foi remanejada para o primeiro semestre de 2021. A proibição de se realizar grandes eventos, mantida pelo governo do estado até 12 de outubro, motivou o cancelamento, inédito em 52 anos de história da Francal. Os organizadores, no entanto, estudam a possibilidade de promover eventos regionais ainda em 2020.


Produção de leite

Santa Catarina se consolida como quarto maior produtor brasileiro de leite e registra crescimento recorde na produção. Um levantamento do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa) demonstrou que, de 1996 a 2017, o aumento na produção estadual superou até mesmo a taxa de crescimento mundial. Os catarinenses aumentaram em 223,5% a produção em 21 anos, três vezes mais do que a taxa nacional e quatro vezes mais do que o crescimento mundial. O único país que supera o desempenho catarinense é a China, com um aumento de 250,2% no mesmo período. Em 1996, Santa Catarina produziu 869 milhões de litros de leite e, em 2017, a quantidade saltou para 2,81 bilhões de litros. As estimativas são de que a produção catarinense deve superar com folga os três bilhões de litros neste ano de 2020.


Tarifas adicionais

A China aumentou as tarifas sobre as importações australianas de carne bovina e sugere um aumento nas tarifas do leite em pó integral no final de 2020. Segundo uma matéria da ABC News, o imposto sobre carne bovina aumentaria de 4,8% para 12% no restante de 2020. O analista de carne australiano Simon Quilty explicou que o aumento retirará as tarifas preferenciais acordadas sob o Acordo de Comércio Livre China Austrália (ChAFTA), desencadeando uma Salvaguarda Agrícola Especial (SSG). Este ano, a salvaguarda foi fixada em 179.687 toneladas de carne bovina, volume atingido em 30 de junho. Apesar de a Austrália ter desencadeado a salvaguarda, uma porta-voz do Departamento de Agricultura disse que junho foi o primeiro mês em que tarifas preferenciais caíram desde que o ChAFTA foi promulgado em 2015.

Redação ADI-PR Curitiba
Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados.

Saiba mais em www.adipr.com.br.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.