Connect with us

Instituto Histórico e Geográfico de Paranaguá

Sete de Setembro de 2020 – em plena pandemia

Há exatamente um ano escrevi sobre esse tema, sem imaginar que este ano estaríamos enfrentando uma pandemia durante a semana da Independência do Brasil.

Publicado

em

Há exatamente um ano escrevi sobre esse tema, sem imaginar que este ano estaríamos enfrentando uma pandemia durante a semana da Independência do Brasil.

Observando o cenário atual, ouso repetir o que já escrevi: enquanto houver penúria na casa de um brasileiro, a independência não terá sido integralmente realizada. Com a pandemia essa penúria ficou ainda mais evidente. A advertência de José do Patrocínio ainda ecoa nas mentes conscientes e que desejam um Brasil realmente livre: “Enquanto houver um brasileiro passando fome, somos um povo que ri, quando deveria chorar.”

Por vezes choramos, sim, choramos de vergonha ao ver nosso patrimônio dilapidado por pessoas que ocupam cargos públicos e que deveriam dar o exemplo. Nem mesmo num momento de pandemia observamos honestidade e solidariedade em alguns dirigentes do nosso querido Brasil, o que nos causa pesar.

A palavra do Mestre deveria estar na agenda durante a semana da Independência do Brasil, ao invés de discursos ou de comemorações meramente protocolares: “Amai-vos uns aos outros tanto quanto eu vos amei, somente assim sereis reconhecidos como meus discípulos se tiverdes amor uns pelos outros!”

O Brasil é um País maravilhoso, talvez não haja um povo tão acolhedor em toda a face da Terra. Nossas riquezas são muitas, fomos privilegiados com uma alta diversidade de ambientes, que nos confere a maior biodiversidade do mundo, além de terras férteis, água em abundância. Temos história, temos diversidade cultural, porém, carecemos de uma administração responsável.

Quando governo e povo realmente se unirem, o Brasil terá um grande e definitivo avanço. A potência do Brasil está na alma do seu povo. “O Pensamento de Deus dirige a História!”, escreveu com acerto, o grande filósofo italiano, Pietro Ubaldi.

Enquanto não amarmos o próximo como a nós mesmos, não seremos um povo livre.

Viva o Brasil! Caminhemos rumo a um Brasil melhor, rumo a uma sociedade mais feliz.

Sônia Machado

Historiadora – Membro do IHGP