conecte-se conosco

Centro de Letras

As Torcedoras

Publicado

em

centro de letras

Por Alexandre Camargo de Sant’Ana

No início do século XX, os clubes de futebol já eram bastante importantes em Paranaguá, com várias equipes enfrentando-se em campos espalhados pela cidade. Segundo o jornal local, seria uma “diversão de nobres e de plebeus, de ricos e de pobres, de pretos e de brancos”. Até a relação com os estrangeiros melhorou, a ponto de se machucarem em jogo e não pedirem indenização do Estado brasileiro. As mulheres também participavam dos eventos futebolísticos, mas apenas como torcedoras e admiradoras dos jogadores: o “sport-man, hoje, é amado, predilecto das moças”. 

Assim como nas notas jornalísticas sobre elas passeando na Rua XV, as citações delas no futebol seguem a exaltação do mesmo modelo feminino, com afirmações como o “bello sexo” se fez presente e o jogo contou com a participação “de gentis senhoritas, da elite paranaguense, admiradoras do” futebol.

Em 1916, um jornal comentou a presença feminina em jogo deixando bem claro o papel reservado às mulheres: “As meninas e moças, que quase não gostam de namorar tiveram o prazer de hospedar em seus coraçãosinhos o affecto provisório dos Jovens da Capital”. Elas esperaram o trem chegar e “a Praça Fernando Amaro apresentava um aspecto encantador, [com] muitas senhoritas ali [aguardando] o desembarque dos foot-ballers”. Quando o trem se aproximou, “todas [movimentaram-se] com a maior alegria” esperando os jogadores curitibanos. “Durante o match, ellas namoraram, demonstraram partidarismo, (torceram!) etc”. Segundo a nota jornalística, elas estariam mais interessadas em namorar os atletas de Curitiba e os torcedores do Rio Branco do que assistir ao jogo.

Continuar lendo
Publicidade