conecte-se conosco

Ciência e Saúde

Paraná registra o primeiro caso de Chikungunya no período epidemiológico

A pessoa que contraiu a doença em Alagoas reside em Araucária

Publicado

em

O Informe Técnico semanal divulgado na segunda-feira, 16, pelas coordenadorias de Vigilância Ambiental e de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde do Paraná (Sesa) confirma o primeiro caso de chikungunya do período, que começou a ser monitorado a partir de 28 de julho de 2019.

O caso é “importado” e o local provável de infecção foi o município de Arapiraca, em Alagoas. A pessoa que contraiu chikungunya reside em Araucária; é uma mulher, de 55 anos. Ela já foi medicada e passa bem.

Em relação à dengue, o informativo apresenta 354 casos confirmados neste novo período epidemiológico. São 97 casos confirmados a mais que o boletim anterior, representando aumento de 37,74% em uma semana.

A doença está presente em 79 municípios pertencentes a 16 Regionais de Saúde do Estado. As Regionais com mais ocorrências são: Maringá, Foz do Iguaçu, Paranavaí, Cornélio Procópio, Londrina, Umuarama e Campo Mourão.

O Paraná apresenta hoje 3.355 notificações para a dengue.

Cinco municípios estão em situação de alerta para a doença: Inajá, Flórida, Uraí, Floraí e Indianópolis. A incidência registrada nestas cidades é maior que 100 e menor que 300 casos por 100 mil habitantes.

O Boletim da Sesa também chama a atenção para o Serviço de Alerta Climático da Dengue do Laboratório da Universidade Federal do Paraná, que fornece informações para que os municípios identifiquem sua situação de risco e intensifiquem as medidas de controle e combate ao mosquito transmissor da doença. Nesta semana, a publicação alerta municípios das regiões Oeste, Noroeste e Norte com condições favoráveis à proliferação do Aedes aegypti

 

RESPONSABILIDADE COLETIVA

A Secretaria da Saúde do Paraná reforça que o controle vetorial é o principal componente para combater a dengue e outras arboviroses, como chikungunya e zika.

“Pedimos a todos os gestores municipais e à população que mantenham as ações de prevenção, como verificar diariamente se existe algum tipo de depósito de água parada em seu imóvel, no prédio público, no quintal e dentro de casa”, orienta o secretário da Saúde do Paraná, Beto Preto.

“Estes pontos que acumulam água parada se  transformam facilmente em criadouro do Aedes aegypti”, afirma a coordenadora de Vigilância Ambiental da Sesa, Ivana Belmonte.

Segundo levantamento feito entre abril e junho deste ano, 40,69% dos criadouros foram encontrados em recipientes plásticos, garrafas, latas, sucatas e entulhos de construção; 29,84% em vasos e pratos de vasos de plantas, recipientes de degelo em geladeiras, bebedouros, fontes ornamentais e  materiais em depósitos de construção; 15,77%  em depósitos de água ao nível do solo para armazenamento doméstico e 6,72% em pneus velhos. Também são locais favoráveis para a formação de criadouros: depósitos de água elevados, tanques em obras e em borracharias, calhas, toldos em desníveis, ralos sanitários em desuso, piscinas não tratadas, cacos de vidro em muros, buracos em árvores ou rochas, entre outros. 

“Pedimos para que todos redobrem a atenção aos principais locais para formação de criadouros e proliferação do mosquito transmissor da dengue. A temporada primavera-verão está chegando e a associação entre calor e chuva facilita ainda mais a proliferação”, reforça a coordenadora.

Foto: Arquivo SESA

Fonte: Secretaria de Saúde do Paraná

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.