Connect with us

Tecnologia

Tecnologia a serviço da doação de sangue

Aplicativo facilita comunicação e informação sobre onde e quando doar

Publicado

em

Quem baixa o aplicativo Hemogram permite que o processo de doação de sangue comece pela Internet de forma rápida e segura. Isso porque, o aplicativo, disponível para os sistemas Android e Ios, faz o compartilhamento dos pedidos de doação via Facebook e envia alertas para notificar os doadores sobre a data da próxima doação. Quando o aplicativo é instalado, o usuário informa o tipo sanguíneo e fica sabendo de que forma pode ajudar, como, por exemplo, qual banco de sangue necessita de doação.

No Hemepar em Paranaguá, a novidade da tecnologia é levada ao conhecimento de quem vai ao local para doar sangue por meio de um imenso banner colocado logo na entrada da recepção do banco de sangue. “A ideia é que as pessoas baixem o aplicativo para que a rede social seja um aliado a mais dentro desta tarefa que é a busca, incessante, por doadores de sangue”, disse a diretora da Primeira Regional de Saúde, Ilda Nagafuti.

De acordo com a bioquímica do Hemepar, Eliete Wolinnki, o aplicativo ajuda a encontrar pessoas que estejam precisando de doação, de modo a fazer com que haja uma comoção, nas redes sociais, sobre a necessidade do sangue para alguém. “Isso acontece porque o usuário do Hemogram, que precisa de sangue, comunica, via aplicativo, a informação do pedido, a qual é recebida por inúmeros outros usuários, situação que pode gerar uma instantânea e imediata mobilização social do bem”, explicou.

No entanto, vale lembrar que somente quem tem o aplicativo instalado no smartphone ou tablet recebe as mensagens. “Por isso, para que a rede social traga os resultados esperados, pedimos para que todos que puderem baixem o aplicativo em seus respectivos aparelhos”, pede Ilda.

 

NÚMEROS BAIXOS

O pedido da chefe da 1.ª Regional de Saúde se justifica ainda mais quando se constata que o Brasil, apesar de ter uma população imensa e ser tido como um País solidário, é um dos países com o menor volume proporcional de doação de sangue da América Latina.

 

 

Apesar de ser o primeiro em termos quantitativos, o País fica atrás de Argentina, Uruguai, Cuba e Chile quando o cálculo é proporcional (relativo ao número de habitantes). O levantamento feito entre os anos de 2012 e 2013 pela Organização Pan-Americana de Saúde, braço da Organização Mundial de Saúde nas Américas, mostra que ainda há falta de conscientização e engajamento por aqui.

Atualmente, menos de 2% da população brasileira doa sangue, sendo que a ONU considera ideal um percentual de 4% a 5%, índice alcançado apenas por Japão, Estados Unidos e outros países desenvolvidos. Para reverter esse quadro, o Instituto das Cidades Inteligentes (ICI) lançou recentemente a nova versão do Hemogram.

Continuar lendo