Connect with us

Semeando Esperança

Quem sou eu para julgar?

A parábola apresenta um fariseu e um publicano, que foram ao templo para rezar. Enquanto rezavam, mostravam o que preenchia o coração de cada um.

Publicado

em

A palavra Jesus é sempre atual: foi dita aos discípulos que estavam com ele naquele momento e é dita hoje a nós que temos a oportunidade de ouvi-la, nesse 30º Domingo do Tempo Comum: “Jesus contou esta parábola para alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros” – Lucas 18,9-14.

A parábola apresenta um fariseu e um publicano, que foram ao templo para rezar. Enquanto rezavam, mostravam o que preenchia o coração de cada um. O fariseu, homem que conhecia profundamente a Escritura Sagrada e se empenhava para praticá-la com fidelidade, rezava assim: “Ó Deus, eu te gradeço, porque não sou como os outros homens, que são ladrões, desonestos, adúlteros, nem como esse cobrador de impostos. Eu faço jejum duas vezes por semana e dou o dízimo de toda a minha renda”. Ele rezava de maneira arrogante, seguro de si, desprezando os outros homens. O publicano, isto é, um cobrador de impostos, apresentava uma atitude bem diferente. Permanecia “à distância, e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu, mas batia no peio, dizendo: ‘Meu Deus, tem piedade de mim, que sou pecador!’ ”.

Certamente, ao ouvirmos esse Evangelho, rejeitamos interiormente o fariseu, repudiamos sua arrogância diante de Deus e seu desprezo pelos outros homens, inclusive aquele que estava lá no templo, rezando perto dele. Ao mesmo tempo, aflora uma espontânea simpatia para com o publicano que, na oração, humildemente se reconhecia pecador. Mas, atenção! Ao darmos asas a esses sentimentos, não sejamos exatamente como aquele a quem estamos criticando: “Agradeço-te, meu Deus, porque não sou como este fariseu, da parábola”.

Jesus nos ensina a não nos sentirmos santos diante de Deus e, precisamente por isso, a não nos tornarmos juízes dos outros, desprezando e condenando quem não pensa como nós. Infelizmente, com que facilidade nos sentimos melhores dos que os outros. “A parábola, diz o Padre Pagola, é uma penetrante crítica que desmascara uma atitude religiosa de engano, que nos permite viver seguros da nossa inocência, enquanto condenamos desde a nossa suposta superioridade moral a todos os que não pensam ou agem como nós”.

Essa autocrítica, uma contínua revisão de vida, arrancará cada dia a erva daninha da arrogância religiosa que insisti em brotar em nossos corações. Ela nos conduzirá à humildade de quem não se acha santo, mas, acima de tudo, é capaz de se entregar à misericórdia de Deus. Fujamos da tentação de nos considerar melhores do que as outras pessoas que não acreditam do mesmo jeito que nós acreditamos; que estamos mais perto de Deus do que as pessoas que não participam de nossas comunidades; que devemos rezar pelos pecadores como se outros fossem esses pecadores; de viver reparando nos pecados dos outros, sem assumir um caminho de verdadeira conversão.

Parafraseando a Primeira Carta de João, podemos dizer: Não é possível louvar a Deus, a quem não vemos, e desprezar o irmão, a quem vemos. Quem diz que louva a Deus, mas condena o irmão, é mentiroso, e a verdade de Deus, não está nele (1Jo 1,8; 4,20-21).

Enfim, vamos experimentar a alegria de não julgar e de não sermos julgados (Mt 7,1), a alegria de viver como irmãos e irmãs.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.