Connect with us

Polícia

Propina dos pedágios era paga em sala secreta

Concessionárias de pedágio que operam no Paraná mantinham uma sala em um edifício comercial de Curitiba para operar dinheiro captado ilicitamente

Publicado

em

 

Concessionárias de pedágio que operam no Paraná mantinham uma sala em um edifício comercial de Curitiba especificamente para operar dinheiro captado ilicitamente a partir do esquema investigado na Operação Integração II – 55ª fase da Lava Jato. Segundo as apurações, o principal arrecadador de propina era o diretor da Associação Brasileira de Concessões Rodoviárias (ABCR-PR), João Chiminazzo Neto, que está preso preventivamente. Além dele, a operação emitiu mandado de prisão para 18 pessoas. 

A sala em questão fica no conjunto 1501, do Curitiba Business Center, localizado no Centro da capital. Segundo as investigações, o imóvel havia sido alugado por Ruy Giublin, que também está preso e que era, então, diretor da concessionária Caminhos do Paraná. Trata-se de uma sala pequena, sem qualquer placa de identificação e que passava despercebida de quem frequentava o edifício comercial.

Segundo o depoimento de Hugo Ono – ex-contador da concessionária Triunfo Econorte e que firmou acordo de colaboração premiada –, “esta sala tinha única e exclusivamente finalidade de receber valores de propinas”. Não havia telefone, computadores ou cadeiras. A decoração se restringia a um móvel e um armário de aço, onde o dinheiro em espécie era guardado. Posteriormente, os operadores de propina providenciaram uma máquina de contar cédulas.

O delator disse ter recebido orientação de Hélio Ogama – ex-presidente da concessionária Econorte e que também fechou acordo de colaboração premiada – de fazer o repasse de propina sempre naquela sala. Ono afirmou ter sido sempre recebido por Beatriz Assini, apontada como secretária de Chiminazzo e que também foi presa. Segundo o depoimento de Ono, “Beatriz recebia o dinheiro e guardava no armário de aço”.

De acordo com Ono, a propina era destinada a pagar deputados que integravam a CPI dos Pedágios, instaurada pela Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e que foi concluída em 2014 sem indiciar ninguém. O delator não soube apontar que parlamentares foram beneficiados pelos pagamentos, mas ele mencionou ainda outros pagamentos mensais de R$ 7 mil a R$ 8 mil, destinados a “outros agentes públicos”. Os recursos também teriam bancado propina a membros do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR).

A sala também é mencionada no depoimento de Ogama, que ressaltou Chiminazzo como “captador” de propina e Beatriz, como “coletora do dinheiro em espécie”. Segundo o ex-presidente da Econorte, Chiminazzo era remunerado por meio de contratos fraudulentos firmados entre as concessionárias e a empresa Chiminazzo e Associados Consultoria Empresarial em Marketing e Comunicação.

As investigações contam ainda com a análise de portaria do Curitiba Business Center e apontam outros prováveis “carregadores de dinheiro”. Entre eles, Claudio José Machado Soares (diretor da Rodonorte), Cezar Xavier Silva (funcionário da Ecovia), que também estão presos. Também são citados como operadores de propina um homem apontado como funcionário da Caminhos do   Paraná, um ex-funcionário comissionado da Alep e dois homens apontados como quem ajudava “na ocultação de valores provenientes de crime”.

A “sala da propina” continua sem qualquer identificação. Segundo o porteiro do prédio, a sala estaria desocupada há pelo menos três anos.

 

Concessionárias e ABCR se manifestam

A ABCR informou que está contribuindo com as autoridades e fornecendo todas as informações necessárias.

A Caminhos do Paraná disse lamentar o ocorrido e considerar a prisão desnecessária, pois “tem prestado os esclarecimentos necessários e jamais negou colaboração”. A empresa defendeu José Julião Terbai Junior e Ruy Sergio Giublin, presos na operação, apontando que “possuem reputação ilibada ao longo de mais de 30 anos de atuação no setor de engenharia, no Brasil e no exterior. A Caminhos do Paraná também disse estar colaborando com as investigações.

A Triunfo Participações e Investimentos reiterou em nota que sempre “contribuiu de forma transparente com as investigações ligadas à Companhia e suas controladas.

A Ecovia e a Ecocataratas informam que “estão colaborando plenamente com as autoridades”. As concessionárias apontaram que têm “compromisso com a transparência e a ética em todas as suas relações profissionais.

 

 

 

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.