Logotipo

Catarata: Oftalmologista cita os sinais de alerta para a doença

24 de novembro de 2019

Dr. Sidarta Keizo Hossaka explicou quando é realizada a cirurgia que devolve qualidade de vida aos pacientes

Compartilhe

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e a Agência Internacional de Prevenção da Cegueira apontam que o número de pessoas cegas ou com visão comprometida no mundo chega a 253 milhões. No entanto, estima-se que 75% dos casos podem ser reversíveis, ou seja, há soluções que possibilitam devolver a visão para grande parte dessas pessoas.

A catarata é uma das causas da cegueira e o médico oftalmologista, Dr. Sidarta Keizo Hossaka, é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Refrativa e Catarata e atua em Paranaguá no Instituto de Olhos Pró-Visão. Ele explica quais os sinais que podem servir de alerta para que a população procure ajuda médica para solucionar o problema. A cirurgia de catarata, através da tecnologia aplicada, evoluiu muito ao longo dos anos e pode devolver qualidade de vida ao paciente. Confira:

Folha do Litoral News: O que é a catarata e quais os primeiros sinais que podem servir de alerta para procurar ajuda médica?

Dr. Sidarta: Dentro do olho temos uma estrutura chamada cristalino e, com o passar dos anos, ela pode começar a ter uma perda de transparência. Qualquer opacidade parcial ou total do cristalino é chamada de catarata. Os sintomas geralmente são embaçamento visual, aumento de sensibilidade com a claridade e também é muito comum a redução de sensibilidade em situações de baixo contraste como no fim do dia e noite a visão fica mais prejudicada. Alguns tipos de catarata também podem apresentar sintomas diferentes. Mas, basicamente, os mais comuns são esses.

 

Folha do Litoral News: A catarata pode acometer crianças, adultos e idosos?

Dr. Sidarta: A catarata pode ser dividida entre a forma congênita ou adquirida. A congênita não é muito comum, já a adquirida, a mais comum é a senil, que é a do idoso. Mas pode acontecer em pacientes mais jovens. Os fatores associados para surgimento mais cedo são o diabetes, tabagismo, algum traumatismo ocular, algum tipo de inflamação dentro do olho, o uso frequente de corticoide, seja de forma tópica em colírio ou de forma sistêmica que são as injeções e comprimido, esses fatores podem aumentar o risco de catarata mais cedo. Há ainda outras causas como o choque elétrico, que não é tão comum, mas pode acontecer.

 

Folha do Litoral News: Sol em excesso e a utilização de óculos de sol de baixa qualidade podem ser consideradas algumas das causas da catarata?

Dr. Sidarta: Sim. A radiação ultravioleta, a UVB, pode com o tempo danificar a lente dos olhos, que é o cristalino, e isso levar ao amarelamento e catarata. Os óculos de sol de pouca qualidade não têm o filtro adequado contra irradiação, porém, por ser escuro, vai propiciar que a pupila fique maior, o que aumenta a radiação solar nos olhos. Por isso, os óculos inadequados até aumentam mais o risco de problemas do que, por exemplo, se a pessoa não utilizasse óculos de sol.

 

Folha do Litoral News: A cirurgia de catarata evoluiu muito com o passar dos anos. Em que momento ela é indicada?

Dr. Sidarta: A cirurgia só é indicada quando há um comprometimento da visão do paciente, isso pode acontecer em qualquer estágio da doença. Tem paciente idoso com catarata, mas é um quadro inicial, e não restringe em nada a sua atividade, nesse caso não seria necessário operar nesse momento. Mas, invariavelmente com o tempo todas vão desenvolver algum grau de catarata, o que pode comprometer alguma atividade diária. A cirurgia realmente sofreu muitas mudanças nas últimas décadas, é um procedimento considerado de alta complexidade porque utilizamos bastantes materiais bem complexos, mas é uma cirurgia bastante segura e acabou, por conta disso, ficando mais rápida. A tecnologia avançada permitiu que fosse uma cirurgia rápida e segura, mas há equipamentos de alta precisão. A recuperação, na grande maioria das vezes, costuma ser bem rápida. O que diferencia um pouco é o processo inflamatório no pós-operatório. Há pacientes que têm uma catarata mais avançada ou algumas comorbidades o que faz com que o quadro demore mais para ter uma pronta recuperação.

 

Folha do Litoral News: Qual o salto em qualidade de vida que uma pessoa tem após a cirurgia?

Dr. Sidarta: Estudos indicam que a cirurgia de catarata pode aumentar a longevidade, porque a visão permite uma certa independência, seria um dos sentidos que permite mais independência das pessoas. Por isso, é muito comum pacientes que fazem a cirurgia conseguirem ter uma convivência familiar melhor, praticar atividade física, isso acaba influenciando na qualidade de vida e até na longevidade.


Colunistas