Connect with us

Educação

Grupo de Alfabetização da Catedral já instruiu cerca de seis mil pessoas em Paranaguá

Grupo de Alfabetização da Catedral é responsável pela transformação de vida de muitas pessoas da terceira idade. Foto: Arquivo

Publicado

em

O Grupo de Alfabetização da Catedral celebrou seus 23 anos de fundação em Paranaguá na segunda-feira, 16, com programação especial na Catedral Diocesana de Paranaguá. A entidade, que já alfabetizou cerca de 6 mil idosos desde sua criação, faz parte da Pastoral Social da Catedral Diocesana de Paranaguá e concede aulas semanalmente às segundas e quintas-feiras, no horário das 14h às 16h. Além de alfabetizar idosos de Paranaguá e região, o grupo funciona como forma de resgate da autoestima e da cidadania de pessoas que anteriormente não sabiam ler e obtiveram, segundo a coordenadora Maria Aparecida Miorali, a “Cida da Catedral”, a “luz das letras”. 

De acordo com a coordenadora, a criação do grupo foi inspirada no antigo Movimento Brasileiro de Alfabetização (Mobral), quando ela foi transferida de Londrina para Paranaguá, e encontrou o apoio do padre José Miguel na Catedral. “Juntou o sonho dele com o meu e montamos o grupo de alfabetização para a terceira idade”, explica, destacando que a luta foi árdua no início para reconhecimento do trabalho.

“Nós tivemos no início até 180 alunos, até desfilávamos no aniversário da cidade”, explica a coordenadora, destacando que com o decorrer do tempo as escolas municipais abriram de noite a Educação de Jovens e Adultos (EJA), algo que fez com que houvesse uma redução no número de alfabetizandos, inclusive por causa de dificuldades financeiras para que eles pudessem pagar a passagem de ônibus para assistir às aulas. “Quando abriram essas novas oportunidades, orientamos os alunos para que frequentassem a escola da comunidade deles, que não gastassem e não perdessem aula. Então aí esvaziou e terminamos com o período da noite”, explica, destacando que desde então as aulas só são ministradas à tarde. 

Atualmente, são atendidos 40 idosos, sendo que a entidade está aberta a novos voluntários e ao recebimento de doações, visto que a cada dia de aula é oferecido lanche para os idosos, muitos dos quais são de comunidades distantes do centro e alguns em situação de necessidade social. “É muito difícil o idoso chegar para a aula, geralmente ele é trazido pelo neto, filho, colegas, então ele tem que passar por um trabalho de resgate da autoestima, da dignidade e da cidadania, algo feito já no primeiro mês. A partir disso ele cria uma vida nova e fica todo poderoso, inclusive em casa”, afirma Cida.

REFORÇO ESCOLAR

Além da questão da alfabetização, outro foco é o reforço escolar para pessoas que, por exemplo, não concluíram o Ensino Fundamental. “Temos alunos de empresas que querem terminar de primeira à quarta série. Eles não recebem o diploma, a gente os prepara e repassa para o EJA, que faz avaliação para passar para o CEEBJA. Quem não tiver concluído da primeira à quarta série e quiser pegar reforço temos vagas até o final do ano”, afirma Cida. 

VOLUNTARIADO

Outro foco é a questão do voluntariado. Segundo a coordenadora, o Grupo de Alfabetização da Catedral está aberto a novos voluntários e para ingressar é preciso ter foco, presença e respeito com os alunos. “Costumo dizer que ser voluntário não é fazer o bem ao próximo, é fazer o bem para nós mesmos. A maior parte dos nossos voluntários era depressiva, estava em casa aposentada, por exemplo, muitos param de trabalhar e acabam se sentindo inúteis. Falo para que venham aqui conosco, pois tem serviço e quanto mais professores e voluntários melhor para nós e para os alunos”, explica. 
Além de voluntários, o grupo afirma que aceita doações de alimentos, visto que são oferecidos aos idosos lanches antes e depois das aulas na Catedral. “São pessoas humildes, que muitas vezes vêm sem almoçar ou tomar café e chegam a tremer de fome. Então a gente os acolhe com algum mimo, uma pipoca, canjica, arroz-doce, outros lanches, para que eles possam entrar em sala de aula”, complementa Cida. 

“O grupo é gratuito, nem os voluntários ganham nem os alunos pagam, no entanto, eles têm um pagamento, que é no retorno do ano, quando peço para cada aluno que gostou trazer outro para o Grupo de Alfabetização, como forma da corrente avançar”, explica. 

A diferença do idoso para o jovem é que o mais novo vai empurrado para a escola e o idoso tem pressa em aprender, ele quer sugar o máximo de aprendizado possível. É uma emoção grande ver que eles aprendem a ler e escrever e muitos falam que hoje sabem o ônibus que devem pegar, e antes precisavam fingir que tinham deixado os óculos em casa. Eles dizem: eu vi a luz das letras e isso para mim é vida. Não existe salário ou dinheiro que pague isso”, finaliza. 

METODOLOGIA DE ENSINO

Juciara Afonso, coordenadora pedagógica do Grupo de Alfabetização da Catedral, afirma que a entidade realiza um importante trabalho em prol da educação local. “Agradecemos a Catedral por ter aberto este espaço há 23 anos e trazer essas pessoas para a convivência social”, explica, ressaltando que além da educação, os alunos sempre voltam ao grupo pela questão da convivência.

“Quando o aluno chega é feita uma entrevista com ele para ver se ele já estudou até algum ano. Se ele não estudou, é encaminhado para uma turma que vai trabalhar com a coordenação motora, pois eles não sabem nem o peso de um lápis, bem como com foco no incentivo, pois no início eles desistem. Passada esta fase, eles começam a conhecer as letras e formar sílabas. Aprendendo a formar palavras e ler, eles vão para o segundo ano e começam a aprender a gramática, ficando até o terceiro que é o final e a gramática completa. Funciona como uma escola regular e só vai concluir quem souber, de fato, ler e escrever e ter conhecimento das quatro operações”, afirma Juciara. 

“As vagas estão abertas. Se você chegar hoje ou amanhã vai estudar. Convidamos a comunidade a nos ajudar como voluntários, porém eles devem vir com vontade”, completa.

IMPORTÂNCIA DO GRUPO

“A alfabetização é a menina dos olhos e da vida nossa. Começamos com a esperança de que íamos fazer um trabalho bonito e que ia dar certo. E deu certo graças aos voluntários e à Cida, que é uma batalhadora, não tem tempo ruim, para ela é tudo maravilhoso”, afirma o padre José Miguel. “Prezamos pela autoestima do idoso. Eles demonstram no grupo que se sentem bem. O grupo em si faz todo o possível para que se sintam em casa como irmãos, com um trabalho de acolhida, de apoio, o que é fundamental para eles neste momento da vida”, complementa.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.