conecte-se conosco

Editorias

Monitor de Secas registra abrandamento da seca em todos os Estados do Sul

Paraná e Rio Grande do Sul permanecem com seca em 100% de seus territórios, mas com uma gravidade menor do que a registrada em meses anteriores

Publicado

em

A última atualização do Monitor de Secas aponta que na região Sul houve, em fevereiro, uma atenuação do grau de severidade da seca no sul do Rio Grande do Sul, no nordeste de Santa Catarina e no sudoeste do Paraná, devido às chuvas acima da média nos últimos meses.

No Paraná, houve uma queda da área com seca grave de 39% para 36% do estado, que permanece com 100% de seu território com seca desde sua entrada no Mapa do Monitor em agosto de 2020. A situação de fevereiro é a melhor já registrada no Paraná por conta da menor área com seca grave do histórico (36%).

O Rio Grande do Sul, apesar de ter a situação mais grave de seca do Sul e estar com o fenômeno presente na totalidade do seu território desde outubro do ano passado, também teve a atenuação do fenômeno com o fim da área com seca extrema registrada em janeiro e a diminuição da área com seca grave (de 69% para 57%) no Estado.

Santa Catarina, por outro lado, registrou a melhor condição da região – com a maior presença de seca fraca (29%) e com 14% de área livre de seca, sendo que o estado jamais registrou essa situação desde o início do monitoramento em agosto de 2020. Além da redução da área com o fenômeno, aconteceu seu abrandamento com as quedas das áreas com seca grave (de 32% para 29%) e moderada (de 47% para 42%) em comparação a janeiro.

Em fevereiro deste ano, em comparação a janeiro, as áreas com seca tiveram redução em nove das 20 unidades da Federação acompanhadas pelo Monitor de Secas: Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Piauí, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. O DF foi o que teve a maior mudança com a extinção do fenômeno em seu território – o único sem seca no contexto do Monitor. Três estados do Sudeste também tiveram fortes reduções de áreas com o fenômeno: Espírito Santo (79,9%), Rio de Janeiro (61,3%) e Minas Gerais (42%).

Já em dez unidades da Federação, 100% de seus territórios continuaram com seca no último mês em comparação a janeiro: Alagoas, Ceará, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e Tocantins.

O Monitor de Secas é coordenado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), com o apoio da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (FUNCEME), e desenvolvido conjuntamente com diversas instituições estaduais e federais ligadas às áreas de clima e recursos hídricos, que atuam na autoria e validação dos mapas.

As instituições que atuam no Monitor de Secas em seus respectivos estados são as seguintes:

Paraná: Instituto Água e Terra (IAT) e o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (SIMEPAR);

Rio Grande do Sul: Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (SEMA);

Santa Catarina: Secretaria Executiva do Meio Ambiente (SEMA) da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE). 

A metodologia do Monitor de Secas, em operação desde 2014, foi baseada no modelo de acompanhamento de secas dos Estados Unidos e do México. O cronograma de atividades inclui as fases de coleta de dados, cálculo dos indicadores de seca, traçado dos rascunhos do Mapa pela equipe de autoria, validação dos estados envolvidos e divulgação da versão final do Mapa do Monitor, que indica a ausência do fenômeno ou uma seca relativa, significando que as categorias de seca em uma determinada área são estabelecidas em relação ao próprio histórico da região.

Com informações da Asscom Agência Nacional de Águas

Foto: Rio Uruguai (RS) Zig Koch / Banco de Imagens ANA

Leia também: Cenário no Paraná não é favorável para neve, avalia Simepar