conecte-se conosco

Meio Ambiente

Case global: gestão da Floresta Metropolitana do Paraná é destaque no anuário da ONU

IAT aparece na página 66 do anuário com o case da Unidade de Conservação localizada em Piraquara

Publicado

em

O Termo de Cooperação foi assinado em 2022 e busca compartilhar as responsabilidades de gestão da UC no que diz respeito ao uso público do local. / Foto: Roberto Dziura Jr/AEN

O Instituto Água e Terra (IAT) está na edição mais recente do livro anual da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas, publicado nesta quarta-feira, 29. O órgão ambiental do Paraná aparece na página 66 do anuário com o case Floresta Estadual Metropolitana, Unidade de Conservação (UC) localizada em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, cuja gestão é compartilhada entre o IAT e indígenas das etnias Caingangue, Guarani Ñandeva, Guarani Mbya, Avá- Guarani e Tukano, moradores do local, representados pelo Instituto e Centro de Formação Etno Bio Diverso Ângelo Kretã.

O Termo de Cooperação foi assinado em 2022 e busca compartilhar as responsabilidades de gestão da UC no que diz respeito ao uso público do local, dando oportunidade à disseminação da educação ambiental sob a perspectiva dos saberes dos povos originários da terra. Além disso, visa a preservação local, com proteção do espaço contra invasores, caçadores e queimadas; o reflorestamento com árvores nativas; a conservação e restauração do bioma da Mata Atlântica; e a recepção a turistas que desejam visitar o espaço.

Para o diretor do Patrimônio Natural do IAT, Rafael Andreguetto, esse é mais um reconhecimento à política ambiental implementada pelo Governo do Estado a partir de 2019, baseado no desenvolvimento social, econômico e sustentável.

“Um trabalho como esse representa a consolidação e o reconhecimento da política ambiental do Estado do Paraná, que busca cada vez mais um desenvolvimento sustentável, privilegiando a conservação e a proteção ambiental, o desenvolvimento econômico e também todas as questões socioculturais e socioambientais necessárias”, destaca.

O diretor lembra que o associativismo chamou a atenção da comunidade internacional há alguns anos. O projeto, diz ele, foi destaque em eventos relacionados ao meio ambiente, como Adaptation Future, em Montreal, no Canadá.

“É um orgulho para o IAT, para o Paraná e para o Brasil”, diz Andreguetto.

Ao todo, são 35 indígenas em 11 famílias que ocupam e fazem o manejo da UC por meio do Termo de Cooperação. Pelo acordo, o IAT fica responsável pelas reformas e manutenção estruturais, delimitações de áreas que não devem ser acessadas por visitantes e o envio de mudas para o replantio. A permanência dos povos originários no local atende ao acordo estabelecido no Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC), sobre abrigar populações tradicionais.

Visa a preservação local, com proteção do espaço contra invasores, caçadores e queimadas; o reflorestamento com árvores nativas, entre outros. / Foto: Roberto Dziura Jr/AEN

COP 28

Outros dois programas estaduais ganharão destaque internacional nesta semana a partir da entrada do Paraná na Regions4, coalizão internacional formada por governos regionais (estados, regiões, províncias e organizações) para buscar soluções voltadas às mudanças climáticas, biodiversidade e desenvolvimento sustentável.

O Poliniza Paraná e o ICMS Ecológico serão apresentados durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2023 (COP 28), evento que começou nesta quinta-feira, 30, e vai até 12 de dezembro., em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

O Poliniza Paraná consiste na construção de jardins para criação de abelhas sem ferrão em parques urbanos e Unidades de Conservação. O programa busca a preservação da biodiversidade local, pois as abelhas são responsáveis pela polinização de aproximadamente 90% das espécies vegetais da Mata Atlântica, principal bioma do Paraná.

Já o ICMS Ecológico, criado em 1991 no Paraná, tem o objetivo de repassar recursos financeiros aos municípios que possuem Unidades de Conservação e ou mananciais que abastecem cidades vizinhas, estimulando o incremento da área protegida e a melhora na gestão do patrimônio natural no Paraná. Os recursos servem para promover a conservação e a melhoria da qualidade ambiental dessas áreas.

Fonte: AEN

plugins premium WordPress