Connect with us

Entrevista

Estatuto da Igualdade Racial completa 10 anos

Pesquisador Thiago Hoshino falou sobre o preconceito contra as religiões de matriz africana (Foto: Divulgação)

Publicado

em

O Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288) completou 10 anos e chama a atenção para a liberdade de consciência e de crença e do livre exercício dos cultos religiosos, especialmente das religiões de matriz africana. Na entrevista, quem fala mais sobre o tema, é o advogado, pesquisador e escritor, Thiago Hoshino. Ele é membro do Fórum Paranaense de Religiões de Matriz Africana e da Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde (Renafro).

Hoshino explicou o que são as religiões de matriz africana, falou sobre preconceito e o racismo religioso e apontou como essas formas de violência podem ser noticiadas, inclusive ao Ministério Público. Confira:

Folha do Litoral News: O que são as religiões de matriz africana?

Hoshino: Religiões afrobrasileiras representam um conceito amplo para falarmos de uma série de tradições da diáspora negra e dentro deste guarda-chuva nós temos vertentes. No Brasil, temos desde o Batuque no Rio Grande do Sul, passando pela Umbanda e o Candomblé, que são mais conhecidos, mas há também a Jurema, o Catimbó, o Tambor de Nina, o Xangô. Por todo o País existe uma série de tradições que podem ser entendidas como herdeiras, em diversas composições, de princípios de vida e de modos de fazer, de se expressar, da matriz africana. Aqui, não se pode entender a África como um bloco homogêneo como, às vezes, acontece culturalmente. Os africanos que chegaram ao Brasil vieram de diversas origens e essas matrizes culturais também se expressam nas matrizes religiosas que se organizaram no Brasil. De certa forma, podemos dizer que o Candomblé brasileiro e suas manifestações coirmãs, são parte de um complexo de espiritualidades que está também em Cuba, no Haiti etc. O mais importante que acho interessante frisar neste momento são três elementos que atravessam todas as experiências religiosas: uma é a herança diaspórica, que é resignificada nas Américas; a questão da resistência histórica, pois foram muito perseguidas; e a sua pluralidade. É difícil traduzir esse amplo leque em apenas uma denominação religiosa.

Folha do Litoral News: Quando se fala em diáspora, seria a expansão dos africanos pelo mundo?

Hoshino: Exato, quando falamos de diáspora negra, estamos falando desses trânsitos por diversos países a partir da expriência da escravização e, posteriormente, da ressitência no novo mundo que africanas e africanos promoveram. 

Folha do Litoral News: Considerando esse histórico de escravidão, essas religiões ainda são muito estigmatizadas, sofrem muitos preconceitos?

Hoshino: Os dados que o Governo Federal tem através do Disque 100 e de outros canais de denúncias, indicam exatamente isso. No Brasil, as religiões de matriz africana ainda são as mais vitimizadas por situações que a gente pode denominar de preconceito, discriminação, intolerância religiosa, mas que, inegavelmente, também partem de um quadro de racismo religioso, neste caso.

Folha do Litoral News: O Estatuto da Igualdade Racial trata especificamente do livre exercício dos cultos religiosos?

Hoshino: O Estatuto trouxe essa temática, disciplinou regras específicas para o livre exercício das religiões de matriz africana, entendendo que, isso que a gente, às vezes, chama de intolerância, no caso dos terreiros, é uma das manifestações do racismo religioso e estrutural. Mesmo que não ocorra uma situação de agressão, de violência contra uma pessoa negra, ainda que seja um praticante não negro dessas religiões, o que está por trás do sentimento de violência, de agressão, de demonização da sociedade contra essas práticas, é uma mentalidade ainda racista. É uma compreensão culturalmente embranquecida daquilo que é religião. Como se essas crenças não pudessem se encaixar em um conceito condicional de religião. Por isso, é importante, além da constituição que já prevê isso, também reforçar isso dentro de uma lei específica, no caso da lei do Estatuto da Igualdade Racial e também a lei Caó, que trata do racismo e discriminação.

Folha do Litoral News: Esse preconceito religioso deve ser denunciado às autoridades policiais? Como denunciar e a quem?

Hoshino: Não só podemos, como devemos noticiar e denunciar todos esses casos. Alguns municípios contam com delegacias especializadas, no caso de Curitiba, a delegacia de vulneráveis, que tem uma atenção especial para este caso. Mas em todo Estado é possível levar ao conhecimento da polícia essas situações que podem se configurar em diversos crimes e, especilamente, os contidos na lei Caó, de racismo. Ainda tem também a motivação religiosa como uma das suas possibilidades. É importante levar a registro não só para que as investigações possam ser abertas e os casos resolvidos, mas também para que tenhamos dados para formular políticas públicas, pois eles ainda são muito escassos no País. 

Folha do Litoral News: Com base na sua experiência, o que pode ser feito para quebrar o preconceito contra as religiões de matriz africana?

Hoshino: Tem a ver com desvelar e vencer algo que atravessa a sociedade brasileira que é o racismo. Existem diversas formas de combater o racismo estrutural e o religioso. Talvez a primeira delas seja uma posição firme das instituições na defesa da igualdade racial e nos direitos das religiões de matriz africana. O Ministério Público tem papel nisso, no monitoramento de políticas de promoção da igualdade racial dentro dos poderes executivos e também na persecução penal resolutiva dessas situações no âmbito criminal. Além do MP, todas as intituições brasileiras precisam estar comprometidas com essa temática, principalmente agora que o tema está mundialmente em todas as mídias. Vamos admitir que o racismo existe, que ainda é velado no País, mas que precisa ser enfrentado.

Com informações do MP no Rádio

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.