conecte-se conosco

Entrevista

Comandante do 9.º BPM afirma que aplicativo 190 é a forma mais rápida de acionar a PM no litoral

Major Tavares destacou os benefícios da ferramenta

Publicado

em

Atualmente, a população paranaense não precisa mais ligar para a Polícia Militar para comunicar alguma ocorrência. Pelo aplicativo 190 PR, os moradores podem relatar a situação, otimizar o atendimento e facilitar o trabalho da Polícia Militar. Quem destacou e deu mais detalhes sobre a ferramenta foi o comandante do 9.º Batalhão de Polícia Militar, Major Durval Tavares Júnior, que solicitou à população para que baixe o aplicativo que tem apresentado bons resultados no Estado. Na entrevista, o major também esclareceu porque as ligações para o 190 realizadas no litoral caem em uma central em Curitiba. Além disso, reforçou a importância de fazer o boletim de ocorrência para que as ações sejam melhor planejadas na região. Confira:

Folha do Litoral News: Por que as ligações do 190 realizadas no litoral caem em Curitiba?

Major Tavares: Essa é uma política do alto comando do Governo do Estado de que o 190 fique centralizado na Central de Operações que temos em Curitiba. Lá nós temos dezenas de policiais militares que atendem exclusivamente o 190 e são treinados para isso, para atender ao público, tem um sistema que liga todas as cidades. Tudo que eles digitam no computador já é repassado de imediato para as centrais de operações. Isso é bom para a PM do meu ponto de vista porque aumenta o efetivo policial, consigo colocar mais efetivo para o policiamento ostensivo e preventivo. Porque não é só um policial que atendia o telefone, são vários devido às escalas, às folgas, gostaria que a população entendesse que apesar do 190 cair em Curitiba, quem despacha as viaturas é o policial do município que gerou a ocorrência. A pessoa tem que passar o máximo de informações possíveis. 

Folha do Litoral News: A ligação cair na central de atendimento em Curitiba implica na rapidez do atendimento da população no litoral?

Major Tavares: Por ser uma central de operações, são dezenas de policiais que atendem o 190 de Curitiba, região metropolitana e litoral. Infelizmente, é humanamente impossível atender todas as ligações ao mesmo tempo, principalmente aos fins de semana e próximo de feriados. Mas, existem outras formas de acionar o 190.

Folha do Litoral News: A população também pode acionar a PM através do aplicativo 190 PR?

Major Tavares: Hoje, 97% das pessoas possuem smartphones. Existe o aplicativo, é só buscar por emergência 190, e baixar. Pelo aplicativo é possível gerar uma ocorrência como se estivesse ligando, talvez seja uma forma até mais rápida para acionar a PM hoje. A principal ocorrência que temos hoje é a perturbação do sossego, que é a primeira coisa que aparece, ou furto, ou violência doméstica etc. O próprio aplicativo já capta a localização, contato, proximidades, o tipo de ocorrência, é possível gravar áudio ou vídeo, se quiser comprovar o que está acontecendo. 

Folha do Litoral News: A ferramenta é bastante utilizada?

Major Tavares: Sim, já é bastante utilizada no Paraná. Ainda não ganha do 190 por este ser um número que todos conhecem, mas acredito que estamos chegando aos 40% de acionamentos pelo aplicativo. Esperamos que este número aumente porque é uma ferramenta que vem para ajudar não só as pessoas que precisam da gente, mas principalmente nós porque temos mais dados, às vezes, do que colhemos pelo telefone.

Folha do Litoral News: Quando os moradores devem acionar a PM e quais informações precisam ter em mãos?

Major Tavares: Em todos os quartéis da PM no Paraná temos o BOU (Boletim de Ocorrência Unificado) e tem condições e devem fazer o boletim de ocorrência.  São obrigados por lei a fazer o boletim, independente do crime que seja, se é da nossa responsabilidade ou na Polícia Civil. Se o veranista chega na praia, por exemplo, e vê que levaram a sua televisão, ele procura o quartel da PM e faz o boletim de ocorrência. A competência da PM é impedir que esse furto ocorra, mas neste caso a PM faz o boletim e encaminha para a Polícia Civil. A população pode confiar na PM, se chegar em qualquer quartel e o policial não quiser fazer nos informe porque ele está errado. A Polícia Civil também tem o Boletim de Ocorrência On-line (www.policiacivil.pr.gov.br/BO), por isso no caso de furto de bicicleta, de veículo, de residência, uma ameaça, pode ser feito o boletim on-line, não precisa se deslocar ao quartel da PM ou a delegacia da Polícia Civil. Até perda de documentos pode ser comunicado para que possa requisitar outro. Quando você coloca seu RG o sistema já puxa as informações, então é um modo mais fácil de acionar a PM e a Polícia Civil.

Folha do Litoral News: Acidentes de trânsito também podem ser comunicados pela internet?

Major Tavares: Sempre que houver acidentes sem vítimas e as pessoas ficam esperando a secretaria de trânsito ou a guarda civil municipal ou qualquer outro órgão, a pessoa pode pegar os dados do que ocorreu, tire fotos e faça o registro on-line. É o programa Bateu (www.pmpr.pr.gov.br/bateu), que registra ocorrências de trânsito e não precisa ficar esperando a viatura. Se houver vítimas é necessário acionar a PM, o Corpo de Bombeiros e o Samu, que são órgãos que podem ajudar. São ferramentas que nos ajudam.

Folha do Litoral News: Qual a importância de sempre fazer o boletim de ocorrência em casos de furto?

Major Tavares: Infelizmente, sabemos que existem vários furtos, principalmente de bicicletas em Paranaguá e nós trabalhamos com um programa que pega todos os boletins de ocorrência registrados no Paraná e nos mostra onde tem mais roubos, mais tráfico etc. Acompanhamos as redes sociais e sempre vemos pessoas reclamando que levaram a bicicleta e que a PM não aparece, mas não registram o boletim. Dessa forma não sabemos que ali está acontecendo furto de bicicleta? Trabalhamos com as estatísticas, as ações são planejadas nos locais onde ocorrem mais crimes. O que eu peço, independente se for uma bicicleta ou uma televisão, que as pessoas registrem o boletim pelo aplicativo ou pelo site porque essas informações alimentam o nosso sistema e a gente sabe quais regiões estão com mais furtos e a gente pode direcionar o policiamento para esses locais. Chamamos de mancha criminal, conseguimos ver quantos furtos foram registrados em Paranaguá no ano e o sistema mostra as manchas, assim como os homicídios. Confiem na Polícia Militar e registrem o boletim de ocorrência. 

Folha do Litoral News: Quanto as câmeras de monitoramento têm contribuído com o trabalho da PM?

Major Tavares: Não adianta um local ter câmera que só cuida da minha residência e do meu comércio. Gostaria que as pessoas se conscientizassem de que, dentro das suas possibilidades financeiras, comerciantes e grandes empresas, em especial de Paranaguá, cuidem também do seu vizinho. Coloque mais uma câmera para cuidar do vizinho, da sua rua, porque auxilia preventivamente. Sabemos que os índices de criminalidade reduzem drasticamente quando as ruas têm câmeras. Gostaria de pedir para que a população do litoral cuide do seu vizinho, para que um ajude o outro, é uma forma de trazer segurança.