conecte-se conosco

Eleições 2022

Deputada Aline fala sobre o propósito da pré-candidatura ao Senado

Em dois anos, deputada teve participação em 25 comissões permanentes

Publicado

em

fotos: divulgação

Com mais de R$ 175 milhões de recursos em emendas parlamentares e apresentação de 354 proposições legislativas, em pouco mais de três anos de seu primeiro mandato, a deputada federal Aline Sleutjes, ainda no PSL, fez mais que muitos parlamentares com mais anos em Brasília. Mulher guerreira, cristã, dedicada, conservadora, defensora de pautas de direita como antiaborto, antidrogas, escola sem partido e voto auditável, ela quer ser senadora da República. E para chegar até esse momento, de reconhecimento, a ponto de ser convidada pelo presidente Jair Bolsonaro para disputar esse pleito pelo Paraná, Aline Sleutjes precisou conquistar o seu espaço em Brasília. Com trabalhos intensos, em dois anos como deputada federal ela teve participação em 25 comissões permanentes, 24 comissões especiais, 14 comissões externas, três comissões parlamentares de inquérito, sete grupos de trabalhos e dezenas de frentes parlamentares, e isso lhe rendeu o convite para presidir a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) – a primeira na história a ter uma mulher no comando -, bem como tornar-se vice-líder do governo na Câmara e também no Congresso Nacional.

ADI – PR -Pelo que a deputada tem falado em várias entrevistas, a sua pré-candidatura ao Senado Federal não tem mais volta. Quando que surgiu esse convite? Quando foi o Dia D e quem te convenceu a sair pré-candidata?

Aline Sleutjes – Em novembro estive em reunião com o presidente Jair Bolsonaro e entre outras pautas ele me perguntou quem seriam os candidatos ao Senado pelo estado do Paraná. Eu respondi que até o momento tínhamos apenas um candidato, o qual iria para a reeleição e nenhum outro nome estava sendo cogitado, aí ele me perguntou se eu tinha coragem. Eu respondi, presidente, a única coisa que eu tive para chegar em Brasília foi coragem. O Presidente então disse ‘vá trabalhar deputada, vá para as bases’.

Como já trabalho em 220 municípios, mais de 110 prefeitos, mais de 280 vereadores, iniciei minha peregrinação para sentir minha aceitação ou não. E quando percebi que realmente era viável a pré-candidatura foi quando comecei a percorrer com a caravana todas as regiões do nosso estado. Em cada evento reunindo 300 a 500 participantes, de pessoas que confiam em mim, que estavam desejando uma nova candidatura, de renovação com uma pessoa de direita, com identidade com o Paraná. Foi ali que percebi que a nossa caminhada poderia ser muito forte e que eu estaria entre os nomes cogitados para disputar essa cadeira ao Senado.

ADI – Algumas pessoas dizem que seria muita presunção da sua parte ser candidata ao Senado Federal. Que recado você tem para elas? Eu digo isso porque a deputada vem de um primeiro mandato, de uma votação pequena.

Aline – Talvez as mesmas pessoas, e poucas pessoas que dizem que é minha presunção participar de uma candidatura ao Senado, sejam as mesmas que disseram lá atrás, que Castro nunca teria um Deputado Federal.

Eu tenho certeza que com o trabalho feito durante esses 3 anos e meio, com todos os resultados que eu atingi, com todos os municípios que eu consegui atender, tenho certeza que os paranaenses que me conhecem, que participam da minha vida política, sabem que não é presunção e sim, coragem, vontade, determinação, resultado, capacidade de trabalho e de articulação; de uma mulher com visão municipalista e cristã.

A votação que tive há 3 anos não reflete a pré-candidatura ao Senado nesse momento. Naquela oportunidade eu era a ex-vereadora de Castro, hoje eu sou a deputada federal pelo Paraná, vice-líder do Governo no Congresso, presidente da Comissão da Agricultura, e que em 3 anos de mandato deixou um legado de resultados, de um mandato qualificado, por isso tenho certeza que estou pronta para esta grande missão.

“Em novembro estive em reunião com o presidente Jair Bolsonaro”, diz a deputada Aline  Sleutjes

ADI – A deputada vem sendo sondada por vários partidos políticos. O Presidente Bolsonaro já foi para o Partido Liberal. Aproveitando essa janela partidária, a parlamentar já saberia dizer em qual partido pretende ingressar?

Aline – Tenho vários convites e estou avaliando todos esses partidos, para verificar a possibilidade de tempo de TV, deseja candidatura ao senado, se apoia o Presidente Jair Bolsonaro, se está alinhado às minhas pautas, se no estatuto consta o que eu acredito e se tem meu perfil de trabalho. Ainda tenho até 2 de abril para realizar minha filiação. E essa semana estou em Brasília com várias reuniões partidárias, avaliando todas as propostas; e acredito que até 20 de março já estarei com minha ficha assinada no novo partido o qual estarei concorrendo a próxima eleição.

ADI – Hoje, segundo levantamento, seriam dez pré-candidatos ao Senado Federal e inclusive Álvaro Dias estaria entre esses dez. A deputada é a única mulher que já se colocou nessa corrida. Isso ajuda?

Aline – Acredito que isso ajuda, pois somos 52% da população, as mulheres têm ganho em todas as eleições mais participação e efetividade. Somos 15% hoje na Câmara Federal e 17% no Senado, e a tendência é que continuemos crescendo na política. E além de ser uma representante mulher, eu também sou uma representante da família, do conservadorismo, do agro, da renovação, da mudança, da força, da coragem, então eu venho respaldada não só por ser mulher, mas também por ter a base e a identidade que o Paraná deseja neste momento.

ADI – Um dos seus desafios, Aline, é tornar-se conhecida. De deputada federal pelos Campos Gerais já está avançando em 220 municípios, mas são 399 municípios no Paraná. Como que você pretende se tornar conhecida a ponto de fazer com que sua campanha ao Senado decole nesse curto espaço de tempo?

Aline – Este desafio está sendo superado todos os dias, hoje eu já atendo como Deputada Federal, mais de 220 municípios. Eu sou a Deputada Federal que mais atendo municípios dentro do estado, e como pré-candidata ao Senado, visitarei até junho os 399 municípios. Como defensora do agro, que é uma pauta gigante, e que tem a cara do Paraná, acredito que todos os cantos do estado já me conheçam; pelo trabalho prestado, pelas minhas relatorias, autorias de projetos e pelos resultados na Comissão de agricultura.

Como deputada federal, atendo mais da metade dos municípios do estado, e provei com trabalho e resultado, que realmente fiz a diferença por onde passei.

Outra prova que tenho como reconhecimento dentro do estado, é conseguir andar nos quatro cantos do estado, fazendo eventos meses antes da eleição, apenas como pré-candidata e ter a participação de 300, 400 e até 500 pessoas por evento, em dias de semana, feriado de carnaval ou com chuva. Acredito que esse trabalho de reconhecimento, do que já entreguei para o estado do Paraná, tem sido visto e notado em todas as regiões.

E a partir de agora, ainda estou em pré-campanha, e tenho certeza que nesse período terei a oportunidade de mostrar ainda mais o meu nome, trabalho, através também das minhas redes sociais, trazer cada dia mais simpatizantes que desejam renovação política e um novo Paraná.

ADI – Como a deputada já definiu que vai sair ao Senado Federal, no caso desses eleitores que votaram em você como deputada, esses votos iriam para quem? A parlamentar pretende direcionar esses votos para algum outro nome para deputado federal ou vai deixar em aberto?

Aline – Esse espaço político que eu deixo como deputada federal, deve ser suprido regionalmente por outros candidatos. Muitos nomes estão surgindo ao cargo de deputado federal e têm me procurado, pedindo apoio, pedindo dobras, e nesse momento como pré-candidata ao senado não posso fechar nenhuma porta, preciso trazer esses apoiadores para junto, para que os eu os fortaleça e eles vice versa. Portanto, não terei um nome específico, não pedirei voto apenas para uma pessoa; todos que estiverem na minha base, apoiando minha candidatura, serão lembrados, serão priorizados, serão atendidos, e estaremos juntos nessa missão por todas as regiões do nosso Paraná querido.

ADI – A parlamentar é madrinha do Mielomeningocele. Como surgiu esse título e porque o seu interesse?

Aline – A causa da Mielomeningocele veio até mim, através da Kelli Cavalcanti presidente da Associação Superando a Mielo, apresentei dois Projeto de Leis, um para a disponibilização do tratamento fisioterápico por eletroestimulação pelo Sus, outro de cirurgia intrauterina. Havia uma terceira pauta muito importante, a de tratamento com células tronco, este estou tratando com o Ministério da Saúde e Ministério da Tecnologia.  Tenho muita preocupação com as famílias que sofrem muito com seus filhos que precisam de muitos cuidados especiais. Com a ajuda do Ministério da Saúde, secretário Rafael, estamos avançando também na prevenção na saúde-primária, diagnóstico dos fetos prematuramente em todos os estados e outros itens descritos na portaria. Tenho realizado anualmente o Audiência Pública Nacional em Brasília e no mês de outubro sobre a conscientização da Mielo, para ouvir as demandas e atualizar sobre os avanços obtidos.

ADI – Você criou e colocou em prática a caravana do leite que alcançou cinco estados. Qual a intenção dessa caravana?

Aline – A caravana do Leite teve como objetivo analisar de forma nacional a situação do produtor de leite, bem como da cadeia, observando todos suas peculiaridades. Verificando as boas ideias, os exemplos que estão dando certo, genética, nutrição, tipos de ordenhadeira, sistemas etc. Apresentei há 20 dias o PL 207/2022, que Institui a Política Nacional de Apoio e Incentivo à Pecuária Leiteira. Como presidente da Comissão da Agricultura, e filha de Castro, Capital Nacional do Leite me sinto na obrigação de enfrentar os gargalos e dificuldades deste setor que gera 20 milhões de empregos diretos e indiretos no país.

ADI –  Soubemos que a deputada realizou o sonho de uma cidade de pouco mais de 1.200 habitantes de ter uma ponte através de sua emenda, com custo de mais de R$ 2 milhões de reais.  Não é seu reduto político. Esse seria o seu estilo de trabalhar. De atender a todos?

Aline – Jardim Olinda é o menor município em população do Paraná, com menos de 1.500 habitantes, e o recurso da obra foi destinado através da minha emenda individual no valor de R$ 2 milhões para a construção de uma ponte sobre o Rio Pirapó, que liga Jardim Olinda a Itaguajé. A ponte não beneficia somente estas cidades mas toda região, trazendo desenvolvimento, emprego, renda, e possibilitando o melhor deslocamento de safra e produtos desta região. O meu estilo de trabalhar é assim, trazendo soluções e esperança à população, mostrando que com boa vontade e muito trabalho conseguimos avançar.

ADI – A ida de Guto para o PP coloca ele na corrida ao Senado com apoio do presidente Bolsonaro. O que isso muda na sua campanha também ao Senado?

Aline – Estamos num momento de escolhas partidárias, Guto Silva precisava de uma sigla e como todos os demais, foi acolhido pelo PP, mas isso não significa que terá a vaga ao senado. O jogo ainda é muito longo e bruto até agosto. Sobre o apoio do presidente, o Paraná e o Brasil sabem quem o trouxe para agenda no estado, quem é sua vice-líder, quem é seu voto e apoio certo na Câmara. A única coisa que tenho certeza, sou Bolsonaro e já provei isso desde que fui eleita. Eu sou e sempre fui alinhada ao presidente!

ADI – A deputada pode, nessas circunstâncias de ter mais um nome com apoio do presidente, de rever a intenção de disputar a vaga ao Senado Federal?

Aline – Já liberei minhas bases para escolherem outros deputados em novembro quando o presidente me falou: “vai trabalhar deputada, vai para estrada”, é o que fiz. Estou em Caravana pelo Estado desde dezembro e já estou em segunda nas pesquisas. O agro, a direita, o povo paranaense quer mudança, quer renovação pautada nos pilares que acreditamos e defendemos. Por acreditar no momento político, na necessidade, no espaço vazio, e no desejo do povo, neste momento sei que o melhor caminho é o Senado.

BIOGRAFIA DE ALINE

Aline Sleutjes, nascida em Castro, nos Campos Gerais, tem graduação em Educação Física e pós-graduação em Gestão Escolar. Foi coordenadora do Departamento de Esporte e Lazer, diretora e coordenadora de escolas em seu município e empresária. Deu início a sua carreira política em 2005 como vereadora no município de Castro, permanecendo por dois mandatos, até ser eleita em 2018 deputada federal.

Filha de produtor holandês, que veio buscar futuro e oportunidade no Brasil, Aline Sleutjes se dedica às pautas do agro, em especial dos produtores de leite. A atuação da deputada abrange pautas da educação, deficientes, saúde, desenvolvimento, conservadoras, nacionais e municipalistas.

Ela tem 42 anos, é mãe de Luiz Guilherme (11 anos), Lavinia (16 anos) e Yasmin (18 anos).

Por Sandro A. Carrilho

Por ADI Paraná