conecte-se conosco

Economia

Semana do Consumidor: Procon-PR dá dicas para não cair em golpes pela internet

Em caso de crimes desse âmbito, deve procurar uma delegacia mais próxima e registrar a ocorrência

Publicado

em

O Dia do Consumidor é comemorado todos os anos no dia 15 de março e o comércio aproveita a data para criar uma semana ou mês com descontos especiais, e muitos estabelecimentos aproveitam a data para oferecer descontos. Ou seja, o momento pode ser uma oportunidade de adquirir aquele produto tão desejado.

Na “semana do consumidor” é possível encontrar promoções em diversos produtos, tanto em lojas físicas como on-line. Mas como o consumidor pode se certificar que realmente não está sendo lesado em sua compra na internet? Quem explica é a diretora do Procon-PR, Claudia Silvano, que também deixa dicas para quem vai fazer compras on-line. “Comprar pela internet é sempre um risco. É claro que alguns fornecedores já se apropriaram dessa data que é o Dia do Consumidor para fazer a “Semana do Consumidor ou o “Mês do Consumidor”. Pois bem, como o consumidor pode se certificar está sendo lesado? Bom, todo cuidado é pouco. Ele deve evitar clicar em links recebidos através de redes sociais. No próprio Facebook você encontra lá ofertas de produtos com preço absolutamente incompatível com o preço real deste produto. As pessoas acabam clicando e sendo direcionadas para estes sites falsos, pagam e não recebem o produto evidentemente.  Então todo cuidado é pouco. Link recebido através de rede social ou acessado através da rede social é sempre um risco”, destaca Claudia, que recomenda evitar comprar nessas situações.

“Atualmente, o golpe do boleto falso se tornou muito comum”, diz a diretora do Procon, Claudia Silvano – Foto: AEN

Quantos aos golpes que estão sendo aplicados no momento, a diretora do Procon destaca os principais. “Atualmente, o golpe do boleto falso se tornou muito comum, e como é que funciona, a pessoa tem um financiamento, com determinado banco precisa pagar esse financiamento, e não tem a via do boleto. Ela dá um Google pesquisando segunda via boleto banco X Y ou Z. Invariavelmente ela vai ser direcionada para um site falso. Normalmente abre uma conta de WhatsApp em que alguém já imediatamente tem a logo do banco. Imediatamente essa pessoa pede os dados do consumidor e emite um boleto que é um boleto falso. Então tomar cuidado com isso simplesmente dar um Google, entrar no primeiro link que aparece pode ser muito arriscado. É uma das situações. Outro golpe é o do WhatsApp, onde alguém se apropria da conta do consumidor de forma enfim indevida. Coloca uma foto, e hoje é fácil conseguir, qualquer rede social você consegue uma foto daquela pessoa e manda para os contatos e alguém acaba caindo. Se você receber um pedido de dinheiro, olha aqui é o fulano, eu mudei meu telefone, anota aí o novo número, viu. Você pode me ajudar, eu preciso trocar um dinheiro e não estou conseguindo acessar minha conta e tal, pode saber que é golpe. Então para evitar cair no golpe do WhatsApp é importante que a pessoa que receber esse tipo de solicitação, falar tudo bem, então vamos fazer uma chamada de vídeo. Nessa hora o golpista “vaza” porque não vai fazer uma chamada de vídeo, ou se recusar também fique de olho porque é problema”, alerta a diretora, que reitera as dicas para o consumidor não cair neste tipo de golpe. “Tomar muito cuidado, evitando links suspeitos e não acreditar em ofertas mirabolantes. Não existe nada de graça no mercado, então tomar cuidado se a oferta é muito grande, o santo tem que desconfiar porque pode ser uma arapuca”, completa.

Em casos de crimes de golpe, é importante que o consumidor faça uma denúncia na Delegacia do Consumidor, explica a diretora do Procon-PR. “Em crimes de golpe é importante que o consumidor faça a denúncia, e hoje em algumas hipóteses é possível fazer online. A prevenção e a informação é sempre o melhor negócio. Nunca passe seus dados pessoais, número de cartão, senha, para desconhecidos ou ligações recebidas, porque pode cair também em uma arapuca”, alerta Claudia Silvano.

Orientação da PCPR

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) possui uma unidade especializada em crimes contra o consumidor, em Curitiba. A Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon) atua nos casos de propaganda enganosa, cobrança vexatória, além de fiscalizar a condição de produtos perecíveis e de bombas de combustível.

A PCPR orienta a população que em caso de crimes desse âmbito, deve procurar uma delegacia mais próxima e registrar a ocorrência.

O delegado Cássio André Conceição ressalta a importância do consumidor registrar boletim de ocorrência. “Os procedimentos de investigações são iniciados a partir dos boletins de ocorrência. É através da confecção do B.O. que tomamos conhecimento do crime”, disse.