conecte-se conosco

Direito & Justiça

Decreto regulamenta legislação sobre igualdade salarial entre homens e mulheres

Medidas se aplicam a empresas com 100 ou mais empregados

Publicado

em

Foto: Ilustrativa/Freepik

Em julho deste ano, o Brasil deu um passo para estabelecer a igualdade salarial entre homens e mulheres com a Lei n.º 14.611, que fala sobre a obrigatoriedade. Em novembro, foi publicado um decreto que regulamenta essa legislação e especifica as atribuições das empresas para garantir o direito.

O decreto trata da transparência e igualdade salarial, além de critérios remuneratórios entre mulheres e homens que exercem trabalho de igual valor ou atuam na mesma função. As medidas se aplicam somente às empresas com 100 ou mais empregados e que tenham sede, filial ou representação no Brasil.

A regulamentação, de acordo com o Governo Federal, prevê que as empresas divulguem em suas páginas na internet e redes sociais um Relatório de Transparência Salarial e de Critérios Remuneratórios – que deverá ser disponibilizado para seus empregados, colaboradores e público em geral.

Tais relatórios devem conter o cargo ou ocupação de todos os trabalhadores e os valores de todas as remunerações: salário contratual; 13.° salário; gratificações; comissões; horas extras; adicionais noturno, de insalubridade, de penosidade, de periculosidade, entre outros; terço de férias; aviso prévio trabalhado; descanso semanal remunerado; gorjetas; e outras remunerações previstas em norma coletiva de trabalho.

Além disso, os dados e informações divulgados nos relatórios deverão ter caráter anônimo, estar de acordo com as leis de proteção de dados pessoais e devem ser enviados por meio de ferramenta digital do Ministério do Trabalho e Emprego. A publicação dos relatórios deve ser feita nos meses de março e setembro.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) também pode solicitar às empresas informações complementares àquelas que constam no relatório.

Penalidades

Caso o MTE identifique alguma desigualdade salarial e de critérios remuneratórios entre homens e mulheres, as empresas deverão elaborar e implementar o Plano de Ação para Mitigação da Desigualdade Salarial e de Critérios Remuneratórios entre Mulheres e Homens.

Este plano deve apresentar as medidas a serem adotadas, assim como as metas e os prazos. Também prevê a criação de programas de capacitação de gestores, lideranças e empregados a respeito do tema da equidade entre homens e mulheres no mercado de trabalho. A promoção da diversidade e inclusão, capacitação e formação de mulheres para o ingresso, permanência e ascensão no mercado de trabalho são outros pontos que também devem constar no plano.

Outro item garante a participação de representantes das entidades sindicais e dos empregados na elaboração e implementação do Plano de Ação.

Canal de denúncias

O MTE também deverá disponibilizar um canal específico para recebimento de denúncias relacionadas à discriminação salarial e de critérios remuneratórios, além de fiscalizar o envio dos relatórios e analisar as informações contidas neles.

Cabe também ao Ministério do Trabalho e Emprego e ao Ministério das Mulheres monitorar os dados e o impacto da política pública e a avaliação dos seus resultados.

Com informações do Governo Federal

Continuar lendo
Publicidade










Em alta

plugins premium WordPress