Connect with us

Coronavírus

Quem furar fila da vacina contra a Covid-19 poderá ir preso e pagar multa

“Fura-fila” poderá ser preso de um a três anos e pagar multa

Publicado

em

Quem furar fila da vacina contra a Covid-19 poderá ir preso e pagar multa

Câmara Federal aprovou projeto de Lei que poderá agravar penas se infrator for agente público

Em sessão na quinta-feira, 11, o Plenário da Câmara Federal, em Brasília, aprovou o Projeto de Lei N.º 25/2021, que tipifica crimes de infração de plano de imunização, de peculato de vacinas, bens medicinais ou terapêuticos e, por fim, de corrupção em plano de imunização. O projeto, que é de autoria do deputado federal Fernando Rodolfo (PL-PE), visa a coibir a prática de furar a fila da vacinação contra a Covid-19, bem como outros desvios que estão ocorrendo durante a pandemia. A matéria agora segue para análise do Senado Federal.

Segundo o Legislativo Federal, em conjunto com o projeto de Lei em questão, estavam tramitando 17 projetos que estipulavam penas diferentes contra quem burlar o plano de vacinação. “O Plenário aprovou substitutivo da relatora, deputada Margarete Coelho (PP-PI), que destacou a importância e qualidade das propostas”, informa a assessoria. “Os deputados tiveram a sensibilidade para perceber o momento de grave crise instalada pela pandemia”, afirma a deputada federal Margarete Coelho.

Penas

“A infração de ordem de prioridade de vacinação, também caracterizada como afronta à operacionalização de plano de imunização, pode resultar em pena de reclusão de um a três anos e multa. A pena é aumentada em um terço se o agente falsifica atestado, declaração, certidão ou qualquer documento”, explica a assessoria da Câmara.

Segundo o Legislativo, a pena de peculato (apropriação, desvio ou subtração) de vacinas, bens ou insumos medicinais ou terapêuticos é de reclusão de 3 a 13 anos e multa. “O crime vale tanto para vacina pública como para particular”, informa.

“O crime de corrupção em plano de imunização se caracteriza por valer-se do cargo para, em benefício próprio ou alheio, infringir a ordem de prioridade de vacinação ou afrontar, por qualquer meio, a operacionalização de plano federal, estadual, distrital ou municipal de imunização. A pena é de reclusão, de dois a doze anos, e multa”, afirma a assessoria da Câmara de Deputados.

Agente público

Caso o infrator seja funcionário público que deixe de tomar providências para apurar o crime de corrupção em plano de imunização, ele poderá receber a mesma punição. “A pena é aumentada em um terço até a metade se o funcionário exige, solicita ou recebe, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida”, informa a assessoria.

Deputados destacam importância do projeto 

O deputado Alex Manente (Cidadania-SP), que é um dos autores dos projetos, destacou em discussão no Plenário que os “fura-filas” da vacina não podem ficar impunes. O deputado federal paranaense Gustavo Fruet (PDT) afirmou que é a favor do projeto de Lei, entretanto destacou que, mais importante do que a pena e o seu tamanho, é a certeza de que haverá punição para quem furar a fila de imunização. Fruet fez questão de lamentar a demora no plano de vacinação em todo o Brasil. “Neste ritmo, todas as projeções apontam que chegaremos a 70% da população vacinada apenas em 2023 ou 2024”, finaliza. 

Com informações da Agência Câmara de Notícias

Leia também: Entenda a ordem dos grupos prioritários para vacinação contra a Covid-19

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.