conecte-se conosco

Coronavírus

Paranaguá já vacinou 168 adolescentes entre 12 a 17 anos com a terceira dose

A secretária municipal de Saúde, Lígia Cordeiro, faz o chamamento aos jovens, bem como, relembra a importância de completar o ciclo vacinal

Publicado

em

Foto: Secom/PMP

Adolescentes de 12 a 17 anos já podem receber a terceira dose da vacina contra a Covid-19, e desde o início da vacinação da terceira dose, dia 31 de maio, até a manhã do dia 2 de junho, já estavam vacinados com a terceira dose (por idade), 168 adolescentes desta faixa etária. 

Para que a aplicação ocorra é necessário um intervalo de quatro meses completos após a segunda dose.

A vacinação contra a Covid-19 está ocorrendo no Terminal Urbano, no Centro, e na Subprefeitura, no Nilson Neves, das 8h às 17h. É importante lembrar que para entrar nos dois locais é preciso estar usando máscara de proteção.

Para receber a vacina é necessário apresentar o documento de identidade (RG), documento de vacinação e Cartão SUS. 

A secretaria Municipal de Saúde de Paranaguá, informa também que as demais etapas da vacina também continuam disponíveis à população. “Todas as etapas estão sendo oferecidas. Primeira dose, a partir dos 5 anos de idade, segunda dose conforme o intervalo indicado no documento vacinal, terceira dose para adolescentes de 12 a 17 anos e adultos, além da quarta dose para imunocomprometidos e pessoas com 60 anos ou mais idade”, informa a pasta. 

A secretária municipal de Saúde, Lígia Regina de Campos Cordeiro, faz o chamamento aos jovens a se vacinarem, bem como relembrar a importância de completar o ciclo vacinal. “A liberação da terceira dose para adolescentes era bastante esperada e desde o dia 31 já está sendo aplicada em Paranaguá. É mais um reforço contra a Covid-19. Lembramos que a vacina é a melhor forma de evitar agravos e óbitos pela doença. Desta forma, reforçamos a todos que ainda não se vacinaram ou não completaram o esquema vacinal que procurem um dos dois pontos de vacinação para se proteger contra a doença. A pandemia ainda não acabou”, reforça a secretária de Saúde.