Connect with us

Coronavírus

Litoral entra em estado de atenção e deve ter quarentena regional decretada

Secretário afirmou que crescimento de casos no litoral fez com que Sesa cogitasse adotar quarentena regional em Paranaguá e região (Foto: AEN)

Publicado

em

Secretário de Saúde, Beto Preto, afirmou que região deve ampliar restrições para conter pandemia

No sábado, 4, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) divulgou informe epidemiológico sobre a situação da pandemia do novo Coronavírus em todo o Paraná, em que apontou um salto de casos da doença no litoral e em Paranaguá. Segundo o informe, somente naquele dia, 181 novos casos foram registrados na região, 147 deles somente em Paranaguá, algo que colocou o município em estado de atenção com relação à Covid-19. Ao todo, o litoral contabilizou 1.057 casos de Coronavírus e 21 óbitos decorrentes da doença, um deles importado, sendo Paranaguá o epicentro da pandemia na região com 683 pacientes infectados e 12 mortes de moradores, de acordo com registros feitos até a segunda-feira, 6.

De acordo com o coeficiente de incidência por Regional de Saúde registrado pela Sesa, o litoral registra um total de 321 casos de Covid-19 a cada 100 mil habitantes, algo que coloca a região em estado de atenção com relação à pandemia. Com isso, a região se iguala às Regionais de Saúde de Curitiba e Região Metropolitana, Foz do Iguaçu e Cornélio Procópio, que desde a última semana estão com quarentena regional decretada pelo Governo do Estado, ou seja, com abertura somente de serviços essenciais para a população. 

Secretário comenta decisão e crescimento de casos no litoral

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, comentou a possibilidade da quarentena regional e o crescimento da pandemia no litoral. “Temos a nossa grande batalha a favor do isolamento domiciliar. Temos sete regiões do Paraná em quarentena restritiva e nesta segunda-feira teremos possivelmente novas situações que devem ser colocadas em vigência principalmente em relação à 1.ª Regional de Saúde no litoral, onde Paranaguá é a sede”, explica. 

“O número de casos está aumentando muito e nós também devemos incluir a região logo mais, ainda nesta segunda-feira, na quarentena restritiva”, explica Beto Preto. “Reforçamos o pedido por isolamento domiciliar, distanciamento social, cuidados gerais de higiene, lavagem das mãos, uso de álcool em gel, máscara, tudo aquilo que a imprensa já vem falando há três meses no Paraná”, explica o gestor. “Nosso sacrifício não pode ser em vão. Juntos podemos passar por esta pandemia. Vamos em frente”, finaliza Beto Preto.

O que não funcionará e o que ficará aberto

Caso o decreto de quarentena regional, aos moldes do já vigente no Estado, seja aplicado na região de Paranaguá, Antonina, Morretes, Pontal do Paraná, Guaraqueçaba, Matinhos e Pontal do Paraná, as principais restrições de funcionamento possuem relação com serviços não essenciais, entre eles comércio de rua, academias, clubes, shoppings, galerias comerciais, bares, casas noturnas, barbearias, clínicas de estética e salões de beleza, que não deverão funcionar durante o período inicial de 14 dias. Além disso, reuniões comerciais ou privadas deverão ser feitas virtualmente, bem como procedimentos cirúrgicos eletivos deverão ser suspensos, bem como barreiras sanitárias ficam permitidas nas entradas dos municípios. 

Supermercados e mercados, panificadoras, frutarias e mercearias poderão abrir das 7h às 21h de segunda-feira a sábado, com fluxo máximo de pessoas de 30% e controle de entrada por senhas. Uma pessoa por família poderá entrar no mercado. Lojas de material de construção, pet shops (para assistência clínica), oficinas e lojas de autopeças (para manutenção) e lojas de conveniência (sem venda de bebida alcóolica) poderão funcionar. O transporte coletivo deverá operar com capacidade limitada em horários específicos de maior circulação.