Connect with us

Coronavírus

Escola Roque Vernalha realiza oficina “Primeiro Acesso”

Objetivo é orientar os estudantes para ter acesso às plataformas digitais. Oficina foi ministrada pelo diretor Bruno Rueda.

Publicado

em

A Escola Estadual Roque Vernalha realizou na tarde de quarta-feira, 6, a oficina “Primeiro Acesso”. O objetivo é orientar os estudantes para o acesso ao aplicativo “Aula Paraná” e à plataforma “Google Classroom”.

Desde 6 de abril, as aulas na rede estadual estão acontecendo de forma on-line. A mudança temporária ocorre em função da pandemia ocasionada pela Covid-19.

As oficinas reúnem cinco estudantes acompanhados pelos pais e têm duração de 20 minutos. De acordo com o diretor da instituição de ensino, Bruno dos Santos Rueda, atualmente 60% dos alunos estão acessando a plataforma e o aplicativo. A meta é atingir 100%.

“Na semana passada, recebemos do Núcleo Regional de Educação uma planilha para preencher para saber como estão os acessos dos alunos e verificamos que muitos não estão acessando. Sabemos que a maioria tem Internet, mas muitos não estão acessando a plataforma. Não sabemos o motivo, se estão com dificuldade no acesso, ou alguma outra questão que esteja impedindo”, explica o diretor.

Na ocasião foi explanado sobre as plataformas e aplicativos

Na terça-feira, 5, aconteceu uma reunião pela web com a chefia do Núcleo e outros diretores e foi constatado que o problema é o mesmo em todos os estabelecimentos. “A nossa missão como diretor agora é fazer com que esses alunos acessem. Vimos que essa dificuldade do primeiro acesso é enorme, então estamos oferecendo essa oficina. A escola tem em média 390 alunos e, pela nossa contagem, 60% estão acessando as aulas. Quarenta por cento ainda não acessaram a plataforma ou não fizeram nenhuma atividade. Nossa meta é chegar a 100%”, aponta.

Oficina reuniu estudantes juntamente com pais

A escola entrega o kit merenda a cada 15 dias para as famílias que possuem cadastro no ‘Bolsa família’. Nesse dia também são entregues atividades aos alunos que não têm acesso à Internet, neste caso o estudante não precisa acessar a plataforma. O mesmo ocorre para os demais estabelecimentos de ensino.