Connect with us

Direito & Justiça

Manifestações virtuais de violência contra a mulher também são crimes

Lei Maria da Penha completa 13 anos da criação de mecanismos para coibir a violência doméstica

Publicado

em

A Lei Maria da Penha completa, hoje, 7 de agosto, 13 anos de existência. Desde sua implantação, os diversos tipos de violações aos direitos das mulheres têm ganhado mais visibilidade em todo o País, fazendo com que os agressores sejam denunciados. 

A lei trata de cinco tipos de violência que ultrapassam a física, atingindo a psicológica, moral, sexual e patrimonial. Por isso, manifestações virtuais de violência também são crimes e podem ocasionar uma punição ao agressor.

De acordo com informações divulgadas pelo Ministério Público, os autores de violência praticada pela Internet podem responder civil e penalmente. O constrangimento mediante grave ameaça, em relacionamento virtual ou através de um dispositivo eletrônico, e a prática de ato libidinoso diverso da conjunção carnal configuram o delito previsto no art. 213 do Código Penal, que tem pena de 6 a 10 anos de prisão, podendo ser agravada nas hipóteses previstas na lei.

O MP ainda lembra que as principais manifestações de violência sexual on-line estão relacionadas à extorsão sexual ou chantagem. É conhecido também por “sextortion”, “pornografia de revanche“, “pornografia de vingança” ou “revenge porn”.
O advogado João Rafael de Oliveira, mestre em Direito pela UFPR e especialista em Direito Penal e Processual Penal, explicou como a Lei Maria da Penha considera a violência sexual on-line. Segundo ele, tal violência demanda incidência da Lei Maria da Penha desde que exista vínculo afetivo entre o autor da violência e a vítima (ex-namorado, ex-marido etc.).

“Se não for nesse contexto, não se aplicará a Lei Maria da Penha que, sobretudo, tem por objetivo combater a violência doméstica. A depender da forma como a violência sexual on-line é cometida pode configurar violência psicológica. Exemplo: a chamada vingança pornográfica, quando a pessoa coloca na Internet vídeos íntimos com o objetivo de humilhar a ex-parceira”, destacou Oliveira.

O advogado afirmou, ainda, que não há dados que permitam dizer se a violência sexual on-line aumentou no País. “No entanto, constantemente a mídia trata de algum caso dessa natureza. É difícil dar uma orientação, pois envolve a intimidade e a liberdade de cada um. Talvez, apenas tomar os cuidados de conhecer a pessoa com quem esteja se relacionando antes de expor sua intimidade”, enfatizou Oliveira.

“A depender da forma como a violência sexual on-line é cometida pode configurar violência psicológica”, afirmou o advogado João Rafael de Oliveira

MEDIDAS PROTETIVAS

Segundo o MP, configurado o quadro de violência doméstica e familiar pela Justiça, é assegurado à mulher o direito de pedir medidas protetivas de urgência, que variam da suspensão da posse ou restrição do porte de armas pelo agressor, passando por seu afastamento do lar e pela proibição de contato e aproximação da vítima, entre outras.

Em uma situação de violência, inclusive on-line, a vítima pode procurar tanto o Ministério Público quanto a Polícia Civil. Se a violência estiver acontecendo, a mulher pode acionar a Polícia Militar. Ainda existe a possibilidade de realização de denúncia pelo disque 180.
 

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.