Connect with us

Direito & Justiça

Formulário de risco é compromisso com a prevenção da violência doméstica

O formulário é uma nova ferramenta a integrar o conjunto de ações que visam a prevenir a reincidência de violência contra a mulher, ajudando as instituições a gerenciar o risco do aumento das agressões e de feminicídio.

Publicado

em

Identificar os riscos de escala de violência contra a mulher vítima de agressão e auxiliar as instituições que compõem o Sistema de Justiça a avaliar e decidir as medidas protetivas a serem adotadas. Esses são os objetivos do “Formulário de Risco de Violência e de Feminicídio”, apresentado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) durante a XIII Jornada Maria da Penha, realizada em Brasília.

“O formulário é completo, muito robusto e absolutamente sério”, disse a conselheira do CNJ, Cristiana Ziouva, coordenadora do painel de apresentação do mais recente instrumento do Sistema de Justiça no combate à violência doméstica.

Composto por 25 perguntas e dividido em quatro blocos, o questionário foi desenvolvido por magistrados com atuação em juizados de violência contra a mulher. Os juízes integram o grupo de trabalho criado pelo CNJ especificamente para a elaboração dessa nova ferramenta da Política Judiciária Nacional de Enfrentamento à Violência contra a Mulher, instituída pela Resolução CNJ n.º 254.

O formulário é, conforme expôs a juíza Madgéli Frantz, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, uma nova ferramenta a integrar o conjunto de ações que visam a prevenir a reincidência de violência contra a mulher, ajudando as instituições a gerenciar o risco do aumento das agressões e de feminicídio.

O questionário será utilizado pela rede de proteção e atendimento à mulher vítima de violência e pelo Sistema de Justiça, tais como policiais e delegados, defensores públicos, promotores e juízes de forma a identificar a probabilidade de novas ocorrências de agressão e de feminicídio.

Na prática do dia a dia nas diversas instâncias que lidam com a violência doméstica, o questionário direcionado à vítima deverá ser, preferencialmente, preenchido por um dos agentes no atendimento à mulher. Na ausência desses profissionais, deverá ser respondido pela própria vítima e visa a identificar os riscos de reincidência de agressões, incluindo a avaliação do risco de assassinato da mulher.

Trata-se, também, conforme disse a juíza Adriana Ramos, de uma medida que prevê a realização de curso de 20 horas para a capacitação dos juízes e demais profissionais das equipes multidisciplinares, além de servidores que atuam em varas e juizados especializados em violência doméstica.

“A sociedade aumentou sua percepção sobre a gravidade desse problema, que é uma questão multicausal. Há um aumento alarmante dos assassinatos de mulheres”, comentou a juíza Luciana Lopes, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. “O espírito desse nosso tempo é o da defesa global das meninas e mulheres e de compromisso atual para prevenção e construção de novas masculinidades”, destacou.

HISTÓRICO E PERFIL DO AGRESSOR

O primeiro bloco do formulário é composto por um conjunto de perguntas que visam a montar um histórico de violência e aferir probabilidade de feminicídio.

São feitas perguntas como: o agressor fez ameaças anteriores com armas de fogo? armas brancas ou de outras formas?; o agressor praticou agressões como sufocamento, enforcamento, queimadura, facada, tiro ou paulada?; o agressor já obrigou a vítima a ato sexual?.

O segundo bloco de perguntas visa a compor o perfil do agressor. Nessa parte são feitos questionamentos como: o agressor faz uso abusivo de álcool e drogas?; o agressor possui doença mental comprovada?; o agressor fala em suicídio?; o agressor está desempregado ou em dificuldades financeiras?; o agressor tem acesso a armas de fogo?.

Essa última pergunta leva em consideração a informação divulgada na XIII Jornada Maria da Penha de que, entre 2011 e 2013, metade dos crimes de feminicídio no Brasil foram praticados com o uso de armas de fogo.

CONDIÇÃO DA VÍTIMA

O terceiro bloco do formulário trata, por sua vez, da condição da vítima. Entre as questões, a mulher responde se houve uma separação recente do companheiro.

Conforme mencionado durante o evento, o inconformismo com o término do relacionamento é um dos principais fatores de risco para agressão, escalada de violência e feminicídio.

Também são feitas perguntas se a vítima tem filhos com o agressor ou de relacionamentos anteriores. No caso de separação, é questionado se a vítima vive situação de conflito com o ex-companheiro por questões da guarda dos filhos ou por pensão alimentícia.

Também há perguntas sobre a ocorrência de violência durante o parto ou pós-parto, tidas como indicadores de alto risco de feminicídio.

O quarto e último bloco do formulário é composto por questões que ajudam a compor o quadro geral do problema. São feitos questionamentos como: a vítima é dependente financeira do agressor?; a vítima aceita abrigo temporário?.

Fonte: Agência CNJ de Notícias

 

 

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.