conecte-se conosco

Direito & Justiça

Feminicídio: especialista em Direito Penal esclarece como ocorrem as prisões

Segundo advogado, é importante que haja uma mudança cultural para redução da violência contra a mulher

Publicado

em

Recentemente, dois casos de violência contra a mulher tiveram ampla repercussão na mídia nacional. Um deles resultou na morte de uma idosa de 66 anos, assassinada a tiros pelo ex-marido. O feminicídio aconteceu na segunda-feira, 18, no município de Corbélia, no Paraná. O segundo caso foi registrado no domingo, 17, quando uma empresária foi torturada durante quatro horas, em seu apartamento no Rio de Janeiro. Ela resistiu aos ferimentos, portanto o caso não se enquadra em feminicídio, e foi internada em estado grave.

A pena para o crime de feminicídio é de 12 a 30 anos de reclusão, prevista no Código Penal. Essa previsão específica do feminicídio foi incluída pela Lei 13.104, de 2015. Em muitos casos de violência contra a mulher, ela ainda tem tempo de recorrer à ajuda policial, ligando para o 180 ou, em Paranaguá, para o 153, da Patrulha Maria da Penha.

O especialista em Direito Penal e Processual Penal, João Rafael de Oliveira, é também professor na área e destacou que a prisão em flagrante é uma medida processual que tem como objetivo inibir a prática de um crime que esteja acontecendo e/ou arrecadar elementos probatórios de um crime que acabou de acontecer.

“Após a prisão em flagrante, o juiz criminal analisa se é o caso de o acusado responder ao processo preso ou em liberdade. Mas, destaque-se, a prisão em flagrante não serve por si própria para manter o acusado preso”, declarou o advogado João Rafael.

A lei do feminicídio é recente e, de acordo com o advogado, a dificuldade da punição se encontra na falta de estrutura para investigação policial nas delegacias. “O olhar sobre a dificuldade da punição deve ser voltado para as dificuldades da investigação policial, não raramente muito precária, muitas vezes carente até mesmo de contingente policial. O Estado do Paraná, salvo engano, é o único que ainda possui presos em delegacia, o que faz com que muitos investigadores exerçam papel de agente penitenciário quando, a rigor, deveriam estar investigando”, analisou João Rafael.

NECESSIDADE DE RESPOSTAS RÁPIDAS

Para o advogado, é imprescindível a agilidade na conclusão e punição dos casos de feminicídio, algo que está previsto na constituição. “A justiça tardia não é justiça. Todo caso criminal deve ser investigado e julgado no tempo razoável, como, aliás, determina a Constituição Federal no artigo 5º, LXXVIII. A agilidade na investigação e também no andamento processual é medida que se impõe em todos os casos, pois só assim o Estado dará a resposta devida ao agente que tenha cometido o crime, à família da vítima e, enfim, para a comunidade que sempre anseia pela atuação estatal efetiva”, observou o João Rafael.

MUDANÇA DE PENSAMENTO

Apesar de recente na legislação e devido a divulgação pela mídia do elevado número de casos de feminicídio em todo o País, a informação tem chegado até a sociedade. Segundo o especialista, com base em estudos sobre o sistema penal, a lei não tem força, por si só, para mudança de qualquer cultura.

“O machismo impregnado na nossa sociedade certamente não mudará com a lei. Isso não significa que as condutas violentas não devam ser repelidas e punidas legalmente. Mas é fato que, para além da efetiva punição, precisamos investir muito em educação e conscientização, de modo tal que desde a infância e adolescência os meninos passem a enxergar e respeitar as meninas como sujeitas de direitos e donas de seus próprios destinos, com capacidade de exercerem a profissão que quiserem, assim como liberdade de escolherem com querem se relacionar, afastando de uma vez por todas o estereótipo patriarcal da mulher enquanto objeto,  propriedade e subjugada pelo homem. Só assim teremos condições de semear um futuro melhor”, opinou o advogado João Rafael.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA

Integrantes do grupo de trabalho que desenvolve o modelo do Formulário Nacional de Avaliação de Risco e Proteção à Vida (FRIDA), a ser aplicado às mulheres vítimas de violência doméstica, definiram em reunião que os modelos aplicados atualmente pelo sistema de segurança do Distrito Federal e o utilizado em Portugal servirão de base para o questionário a ser utilizado em todo o país. A decisão foi informada, em seguida, ao presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli.

Reunido na sede CNJ, em Brasília, o grupo debateu o formato do questionário que deverá ser utilizado pelos agentes de segurança pública para identificar a probabilidade de uma nova ocorrência de violência doméstica, assim como verificar situação de risco para a integridade psíquica e física da mulher.

Desde janeiro deste ano, 126 mulheres já foram assassinadas, vítimas de feminicídio, segundo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

 

Continuar lendo
Publicidade

Em alta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.