Connect with us

Direito & Justiça

Advogada esclarece que trabalho em casa pode ser solução para isolamento do Coronavírus

Para que o empregado trabalhe nessa modalidade é fundamental que a relação seja formalizada mediante contrato de trabalho assinado com a empresa (Foto: Divulgação/Migalhas)

Publicado

em

Lisiane Mehl Rocha explica regulamentação jurídica do home office

A pandemia global do Coronavírus chegou ao Brasil e ao Paraná, com casos da doença sendo confirmados e diversos eventos com aglomeração de pessoas sendo suspensos ou cancelados no País. Apesar de não haver circulação viral do Coronavírus, há necessidade de cuidados de higiene e evitar aglomeração de pessoas. Na relação de emprego, uma opção, caso haja fechamento de empresas e locais de trabalho, é o home office ou o teletrabalho, ou seja, a possibilidade de o trabalhador desempenhar suas funções na sua residência com conexão on-line com colegas empregados e com a chefia.

Segundo a advogada Lisiane Mehl Rocha: pós-graduada em Direito e Processo do Trabalho pela Escola da Associação dos Magistrados do Trabalho no Paraná (EMATRA/PR). Membro da Comissão de Direito do Trabalho da Ordem dos Advogados do Brasil – Paraná (OAB/PR), com mais de 20 anos de experiência na área do Direito do Trabalho, explica que o teletrabalho poderá ser uma opção para continuidade da relação de emprego em tempos de Coronavírus. "A necessidade de isolamento imposta pelo Coronavírus mostrou a aplicabilidade do teletrabalho/home office, pois é uma alternativa viável para quem tem condições de trabalhar. Ressalto que algumas empresas estão utilizando o home office em caráter preventivo, especialmente para aqueles empregados que retornaram de viagem recente de países onde o surto já está disseminado", explica a jurista.

Regulamentação

De acordo com a advogada, o teletrabalho foi regulamentado pela Reforma Trabalhista, por meio da Lei Federal N.º 13.467/2017, que incluiu na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) regras específicas sobre o assunto nos artigos 75-A e seguintes. "Para que o empregado trabalhe nessa modalidade é fundamental que a relação seja formalizada mediante contrato de trabalho assinado com a empresa, onde deverão constar as disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária para a realização do trabalho remoto", completa.

"Caberá ao empregador orientar o empregado sobre as precauções que deverão ser tomadas pelo empregado para evitar doenças e acidentes de trabalho. Após receber orientações nesse sentido, deverá o empregado assinar 'termo de responsabilidade' comprometendo-se a segui-las", afirma Lisiane Rocha.

Controle de horas

"A necessidade de isolamento imposta pelo Coronavírus mostrou a aplicabilidade do teletrabalho/home office, pois é uma alternativa viável para quem tem condições de trabalhar", ressalta a advogada Lisiane Mehl Rocha (Foto: Divulgação)

A operadora do Direito ressalta que no home office não há controle de horas e o empregado é livre para dispor dos seus horários, organizando seu trabalho de acordo com suas conveniências. "Considerando isso, o teletrabalho retira o direito do empregado ao recebimento de horas extras. Conforme esclarecido acima, a questão da infraestrutura para o trabalho em casa (mesa, computador, energia elétrica, rede de dados, etc.) deve ser objeto de cláusula específica do contrato de trabalho, pois a lei apenas prevê a necessidade de ajuste escrito a esse respeito. A lei não estabelece de quem serão os custos e responsabilidades, as partes é que deverão negociar esse ponto", acrescenta.

Remuneração inalterada

Com relação ao pagamento de salário e possível redução devido ao teletrabalho, a advogada esclarece que isso não é permitido por Lei. "Alterações contratuais somente são possíveis com a concordância do empregado e desde que o mesmo não sofra prejuízos. Portanto, caso o empregado seja obrigado a atuar em regime de “home-office”, em razão do Coronavírus ou por qualquer outro motivo,  não é possível ter sua remuneração alterada", finaliza Lisiane Mehl Rocha.

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.