conecte-se conosco

Cultura

Três espetáculos se apresentam nesta terça-feira no Festival de Teatro

‘Nem tudo foram flores’, grupo de Jundiaí se apresenta às 20h de terça-feira

Publicado

em

O 9.º Festival de Teatro de Paranaguá foi aberto na noite de sábado, 17, com o espetáculo “La Cena” da Cia G2 do Teatro Guaíra. A programação segue até sexta-feira, 23, com espetáculos gratuitos  no Teatro Rachel Costa. Os grupos são provenientes de  cidades do Paraná, Santa Catarina e São Paulo. 

A comissão julgadora é formada por Julio Cristiano, Sueli Costa e Ari Rodrigues, os quais são artistas de grande expressão nas artes cênicas, atuantes como atores e diretores. O evento é promovido pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo.

 

Programação de terça-feira 20/11

Às 10h  acontece a apresentação da peça “Chapéuzinho quer casar”, da Cia de Teatro 100 Limites, de Pontal do Paraná. A história mostra as aventuras de um cupido em busca de um casamento para chapeuzinho. (censura livre).

 

Às  15h acontece a apresentação da peça “Três casamentos e um Fantasma”,  grupo Teatral Escutaqueeuteconto, da cidade de Arapongas. O espetáculo acontece em uma noite surreal, onde Pepe Montenegro, um jornalista desempregado, tem lembranças de seus quatro casamentos. Passado e presente dialogam em um conflito interno do personagem com suas ex-esposas. Toda a trama se passa dentro do apartamento de Pepe. Em suas alucinações, com fantasias e realidade, ele filosofa, de maneira bem-humorada, seus erros e acertos. Ao findar dessa longa noite, o destino prega-lhe uma peça inesperada.

 

Às 20h30 acontece a apresentação da peça “Nem Tudo Foram Flores” da Cia. Um do Outro de Teatro, da cidade paulista de Jundiaí. O espetáculo  mostra a vida de duas mulheres, Rita e Marta, durante os primeiros anos de chumbo da ditadura militar passando por acontecimentos reais desse passado obscuro da história, mostrando as transformações em suas vidas.Da Declaração do AI-5, passando pela “limpeza” dos homossexuais das ruas do centro de São Paulo até o ponto em que qualquer pessoa poderia ser confundida com um “terrorista” e perseguida em nome da Segurança Nacional. Sentimentos se cruzam e amores são descobertos, fraquezas são exploradas e vidas se perdem, afinal nem tudo floresceu no meio do caos da Repressão.

 

Continuar lendo
Publicidade