Connect with us

Semeando Esperança

“Um mundo de irmãos e irmãs”

Certamente, como realistas esperançosos, podemos sonhar, também hoje, como Cidade e como Diocese de Paranaguá, com esse mundo de irmãos e com a proposta da não violência e da cultura da paz, de maneira que ninguém seja “descartável” ou permaneça invisível ao olhar do nosso coração

Publicado

em

Jesus Cristo, para que seus discípulos compreendessem que a força da oração não depende do palavreado, ensinou-lhes o Pai-Nosso. Essa oração foi dada a eles e a todas as pessoas que nele acreditassem: “Pai nosso, (…) venha a nós o vosso Reino”. Enquanto a oração foi deixada por Jesus às pessoas que se tornam suas discípulas, isto é, os cristãs, a realidade do Reino de Deus desconhece barreiras sociais e religiosas. Ao apresentar Deus como Pai – “Pai nosso” – Jesus proclamava a fraternidade universal. Por isso, é importante recordar hoje uma colocação de Dom Helder Câmara (Arcebispo de Olinda e Recife, de 1964 a 1985), ao mesmo tempo simples e exigentíssima: “O Reino de Deus é um mundo de irmãos e irmãs”. Essa utopia do Reino deu sentido à sua vida inteira, enraizando a esperança no mais profundo do seu ser. Tal “mundo de irmãos” sustentou a sua convicção de que a vida eclesial deveria ser simples e comprometida com os pobres, e, ao mesmo tempo, de que a sociedade deveria buscar sempre os caminhos da não violência. Esse Reino que Jesus nos ensinou a pedir “venha” é o motivo das três parábolas do Evangelho deste 17.º Domingo do Tempo Comum, tempo propício para que o cotidiano encontre luzes no fermento potente da pregação de Jesus: “O Reino dos Céus é como…” Assim Jesus inicia as três parábolas contidas no Evangelho de Mateus 13,44-52: a do tesouro escondido no campo, a do comprador de pérolas preciosas e a da rede lançada ao mar. Quem encontra o tesouro escondido em um campo, vai, “cheio de alegria, vende todos os seus bens e compra o campo”. O comprador que passa a vida à procura da pérola preciosa, quando a encontra “vende todos os seus bens e compra aquela pérola”. A rede não separa mas recolhe peixes de todo tipo. As duas primeiras parábolas falam do necessário despojamento de tudo para se alcançar o Reino de Deus, o mais importante na vida de uma pessoa, cujo valor é insuperável. A terceira, apresenta o Reino como um dom oferecido a todas as pessoas; a rede não faz distinção entre os peixes que recolhe, sejam eles bons ou ruins.

Assim, uma vez que nossa Cidade completará 372 anos (29/07) e a Diocese de Paranaguá, 58 (21/07), parece necessário lançar algumas perguntas: que Paranaguá queremos? Que tipo de Cidade cada um estamos procurando construir? E, enquanto Diocese de Paranaguá: como a utopia do Reino de Deus pode marcar nossas escolhas, tendo em vista celebrar o jubileu dos 60 anos, em 2022? Certamente não há “receitas prontas” a serem assumidas, mas sim, propostas a serem buscadas para a Cidade e para a Diocese. Em todas elas, porém, a característica principal deveria ser a preocupação com as pessoas, com a possibilidade de vida digna, saudável e feliz para todos, a começar das pessoas sofridas, agora, ainda mais pobres do que antes da pandemia.

Certamente, como realistas esperançosos, podemos sonhar, também hoje, como Cidade e como Diocese de Paranaguá, com esse mundo de irmãos e com a proposta da não violência e da cultura da paz, de maneira que ninguém seja “descartável” ou permaneça invisível ao olhar do nosso coração.

Feliz aniversário, Cidade de Paranaguá!

Feliz aniversário, Diocese de Paranaguá!

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.