Connect with us

Paraná Produtivo

Startups paranaenses

Entre os dias 8 e 10 de outubro, empreendedores e membros de ecossistemas de inovação participarão, do Conecta 2020, promovido pelo Sebrae/PR

Publicado

em

Forbio

Entre os dias 8 e 10 de outubro, empreendedores e membros de ecossistemas de inovação participarão, do Conecta 2020, promovido pelo Sebrae/PR. O evento, que chega a sua sexta edição, neste ano será 100% online e gratuito. Além do conteúdo, networking e negócios, os participantes também contarão com premiações especiais como forma de reconhecer a importância das startups e dos ecossistemas de inovação do Paraná. O Conecta Awards premiará as startups revelação e referência em todas as regionais do Sebrae/PR (Curitiba, Ponta Grossa, Londrina, Pato Branco, Maringá e Cascavel). Para mais informações,  programação completa e convidados confirmados acesse https://startup.sebraepr.com.br/conecta/

Preços do trigo

A colheita do trigo avança no Paraná, mas os preços do cereal voltaram a subir no estado. Segundo pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP), produtores estão afastados do mercado, atentos ao baixo volume de chuvas, que deve prejudicar a qualidade do cereal e reduzir a oferta frente ao estimado anteriormente. Já no Rio Grande do Sul, os valores estão mais enfraquecidos. Entre 21 e 28 de setembro, as cotações do trigo no mercado de lotes (negociações entre empresas) subiram 2,65% no Paraná, mas caíram 5,45% no Rio Grande do Sul, fechando, respectivamente, a R$ 1.171,22/tonelada e a R$ 1.145,53/t.


Mais fertilizantes

Este ano, o tempo de espera para os navios que chegam para descarregar fertilizantes no Porto de Paranaguá está menor. De janeiro a agosto, do anúncio da chegada até a atracação, as embarcações aguardaram, em média, cinco dias. Em 2019, essa espera era de cerca de nove dias. “Tempo menor de espera é agilidade e agilidade significa economia para toda a cadeia do fertilizante”, afirma o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. Segundo ele, a redução do tempo de espera em mais de 44% é reflexo dos ajustes operacionais para atender a demanda crescente de fertilizante, alinhado com o atendimento às demais operações e segmentos atendidos nos portos paranaenses.


Fiep oferece portfólio

Com o objetivo de apoiar as indústrias neste momento de retorno das atividades pós-pandemia, o Sistema Fiep está oferecendo um portfólio completo de cursos, em sua nova plataforma de educação customizada a distância. Ao todo, são 60 cursos do Sesi, Senai e IEL, selecionados para atender às indústrias, sendo uma grande oportunidade para que as empresas ofereçam treinamento a seus funcionários, fazendo com que se adaptem às novas necessidades do mercado. Os cursos são divididos em três categorias: básicos, profissionalizantes e premium. Como os conteúdos são escaláveis, servem para indústrias de todos os portes, que podem contratar os cursos de acordo com as suas próprias demandas.

Concurso Café Qualidade

Produtores rurais do Paraná têm até esta sexta-feira, 2, para se inscrever no 18º Concurso Café Qualidade Paraná. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas nas unidades regionais do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná). Organizado pela Câmara Setorial do Café do Paraná e pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, o concurso é uma estratégia para valorizar e fortalecer a produção de cafés especiais. Os interessados podem se inscrever em duas categorias: Café Natural (via seca) e Café Cereja Descascado ou Despolpado (via úmida). O julgamento será no Centro de Pesquisa em Qualidade do Café do IDR-Paraná em Londrina. Todos os detalhes do regulamento estão disponíveis no site www.cafequalidadeparana.com.br

200 mil toneladas de arroz

Desde que o governo federal zerou a Tarifa Externa Comum (TEC) sobre a importação de arroz de fora do Mercosul, como medida para conter a alta nos preços do produto, o Brasil já negociou a compra de cerca de 200 mil toneladas do cereal em casca. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz), os Estados Unidos, Índia e Guiana são os principais fornecedores no momento. “A previsão é de que o arroz chegue no Brasil entre a segunda quinzena de outubro e novembro”, afirmou a entidade. A Câmara de Comércio Exterior (Camex) liberou o total de 400 mil toneladas, com tarifa de importação zerada para arroz não parboilizado, polido ou brunido, até 31 de dezembro de 2020.


México abre mercado

O México abriu seu mercado para as importações de ovos produzidos no Brasil, conforme informação repassada à Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A autorização foi emitida na última semana pelo Serviço Nacional de Sanidade, Inocuidade e Qualidade (SENASICA) do governo mexicano, e é válida para produtos processados em território brasileiro – um segmento que tem ganhado expressividade no segmento produtivo brasileiro. Maior consumidor per capita de ovos do mundo, com 378 unidades anuais (no Brasil, o consumo é de 230 unidades), o México importou 20 mil toneladas de ovos em 2019, segundo dados da União Nacional de Avicultores (associação local).


Investimento em mineração

Os investimentos na mineração no Brasil nos próximos cinco anos devem atingir cerca de US$ 40 bilhões, segundo o presidente do Conselho do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Wilson Brumer, na abertura de seminário sobre financiamento e acesso ao mercado de capitais para o setor mineral. Segundo ele, o Brasil tem potencial para ser desenvolvido, e a ampliação de pesquisas minerais pela Agência Nacional de Mineração (ANM) permite que o setor eleve suas projeções de investimentos. Na última sexta-feira, 25, o Ibram havia elevado suas projeções de investimentos em novos projetos de mineração, expansões e gestão e segurança de barragens de rejeitos no Brasil em US$ 4,5 bilhões, para US$ 37 bilhões no período de 2020 a 2024, na comparação com uma cifra divulgada no início do ano.


Serviços tecnológicos

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) lançou na última terça-feira, 29, a linha de crédito BNDES Crédito Serviços 4.0, para financiamento de serviços tecnológicos voltados para a modernização da indústria e do setor público. A linha complementa outra lançada no ano passado, a BNDES Finame Máquinas 4.0, voltada para aquisições de máquinas para a chamada indústria 4.0. Podem acessar o financiamento empresas de todos os setores e portes, além do setor público e produtores rurais que atuem como pessoa física. Os empréstimos têm prazo de dez anos e até 24 meses de carência, com limite por operação de R$ 5 milhões. A taxa de juros corresponde à TLP (Taxa de Longo Prazo), taxa fixa do BNDES ou Selic, mais 0,95% ao ano e uma taxa destinada ao agente financeiro, a ser negociada entre a instituição e o cliente.


Contas públicas

As contas do setor público consolidado registraram um déficit primário de R$ 87,594 bilhões em agosto. O valor foi informado pelo Banco Central na última quarta-feira, 30, e abrange governo federal, estados, municípios e empresas estatais. A conta não inclui os gastos com o pagamento dos juros da dívida pública. De acordo com a série histórica do Banco Central, iniciada em dezembro de 2001, esse também foi o pior resultado para o mês. Ou seja, foi o pior mês de agosto em 19 anos. No mesmo mês de 2019, o déficit fiscal foi de R$ 13,448 bilhões. No acumulado dos oito primeiros meses deste ano, as contas do setor público apresentaram déficit primário (receitas maiores do que despesas, sem contar juros da dívida) de R$ 571,367 bilhões.

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.