Connect with us

Cultuando

Orientações para a conservação durante a pandemia de Covid-19

O Canadian Conservation Institute publicou algumas orientações para a conservação do patrimônio durante a pandemia de Covid-19

Publicado

em

Conservação

O Canadian Conservation Institute publicou algumas orientações para a conservação do patrimônio durante a pandemia de Covid-19. Responde assim a muitas questões de todos aqueles que têm à sua guarda coleções e bens patrimoniais. 

Covid-19 contaminação de materiais. O vírus da Covid-19 pode ser transmitido através de objetos de coleção ou superfícies? Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as pessoas podem apanhar a Covid-19 tocando superfícies ou objetos contaminados e depois tocando nos olhos, nariz ou boca. Se uma pessoa infectada tossir ou exalar na direção de objetos de coleção ou manipular objetos com as mãos contaminadas, os materiais dos objetos poderão ser contaminados com o vírus que, em teoria, poderá ser transmitido àqueles que manuseiam as peças posteriormente. Como os objetos tendem a ser manuseados com pouca frequência e o vírus desativa naturalmente fora do corpo humano, a chance de transmissão é baixa. O risco pode ser maior quando as pessoas trabalham em interiores históricos e usam móveis antigos.

Quanto tempo o vírus persiste nas superfícies? O vírus da Covid-19 tem um tempo finito de atividade. O SARS-CoV-2 é um vírus do envelope de membrana com picos de glicoproteínas. Sem interrupção por desinfetantes, as membranas lipídicas de duas camadas que envolvem micro-organismos, incluindo esses tipos de vírus, degradam com a secagem e a exposição ao ar. Como as informações sobre a persistência do Coronavírus ainda estão em desenvolvimento, as orientações são baseadas em pesquisas com humanos anteriores. Verificou-se que o vírus SARS-CoV, perdia a maior parte da infectividade por 6 dias e toda a infectividade por 9 dias à temperatura ambiente. Essa estimativa conservadora de persistência, de uma semana a 9 dias, provavelmente permanecerá como uma recomendação até que mais testes de SARS-CoV-2 sejam feitos. Influência de contaminantes e características da superfície na persistência viral. A pesquisa examina materiais adicionados a suspensões e testes em superfície seca de vírus para medir seu efeito na persistência. As proteínas estabilizaram vírus em superfícies secas, estendendo a persistência significativamente ao diminuir a degradação. Os vírus misturados com contaminantes são mais frequentemente testados em materiais representativos da superfície hospitalar, pois há um elevado motivo de preocupação por infecção em ambientes hospitalares. Os metais (aço inoxidável e cobre são cupons de teste comuns) exibem algumas diferenças de persistência entre si e podem se sobrepor a substratos porosos orgânicos (papel, cartão, tecido). Continua…