conecte-se conosco

Cidadania

Conselho Tutelar realiza audiência pública em outubro

Evento é aberto à comunidade e terá o tema “A família que queremos”

Publicado

em

O Conselho Tutelar de Paranaguá promoverá Audiência Pública em outubro com o tema “A Família que Queremos”. Na oportunidade, haverá prestação de contas dos atendimentos realizados pelo conselho nos últimos doze meses, discussões e palestras. O presidente do Conselho Tutelar, Getúlio Rauen, explicou que o evento ocorrerá no dia 10 de outubro, das 14h às 18h, no Teatro Rachel Costa. “Essa é uma audiência que iniciamos no ano passado e estamos seguindo a instrução da Lei Municipal 3.176/2011 que é a lei que fala das atribuições, prerrogativas, como é o funcionamento do Conselho Tutelar acompanhado da Lei Federal 8.069/90”, informou.

Rauen destacou que a lei municipal determina que o Conselho Tutelar faça audiência pública para prestação de constas do trabalho realizado. “Trabalhos como atendimentos, notificações feitas, denúncias, averiguações, entre outros”, comentou. “Após a apresentação dos dados teremos uma palestra focada nos pais de alunos do 1.º ao 5.º ano e dos Centros municipais de Educação Infantil. A população, de forma geral, está convidada e, em especial, essa comunidade escolar”, salientou.

Para o presidente do órgão, o tema A Família que Queremos é relevante. “Temos trabalhado de forma intensa no Conselho Tutelar com o apoio das escolas destacando a importância desse vínculo com a família. Percebemos muitas vezes que o adolescente cometeu um ato infracional, não vai para a escola, tem problemas porque falta o vínculo familiar”, observou. “Não vemos mais, em muitas casas, o almoço em família, cada um come distante do outro, uns no quarto, outros na sala, ou seja, não se reúnem mais à mesa, por exemplo. Precisamos começar a trabalhar isso como forma de prevenção porque a solução da maioria dos problemas, da situação que vive nossa juventude, é a base familiar independente de como é formada essa família, seja de um pai e uma mãe, dois pais, duas mães, uma avó ou tia, o que importa são os valores que eles passam às crianças e adolescentes”, enfatizou. “Esperamos que esses responsáveis entendam, de fato, o que é família”, enfatizou.

 

Continuar lendo
Publicidade










plugins premium WordPress