conecte-se conosco

Carnaval

Irmãos mantêm a tradição no desfile das escolas de samba

Os irmãos Simone e Willian são presenças marcantes no Carnaval parnanguara

Publicado

em

Uma das novidades deste ano no Carnaval de Paranaguá vai acontecer quando o Leão da Estradinha pisar na avenida. Isso porque, pelo 5.º ano consecutivo no Carnaval parnanguara, um casal de irmãos forma a dupla oficial em um dos quesitos mais importantes: mestre-sala e porta-bandeira. 

Willian Sant’Anna e Simone Caroline estarão juntos devido a uma situação inesperada ocorrida em novembro de 2014, quando a mãe deles, a tradicional porta-bandeira Helenice Sant’Anna, se submeteu a uma intervenção cirúrgica na perna. Com isso, os dois assumiram com naturalidade uma missão importante de manter a tradição e, principalmente, as boas notas que a mãe sempre conquistou. 

Tanto William como Simone já possuem experiência na função, mas nunca tiveram a oportunidade de atuar juntos.

“Para mim, como mãe, vai ser uma emoção sem tamanho, vê-los fazendo a evolução com o pavilhão que eles aprenderam a amar e a respeitar desde pequenos: o Leão da Estradinha”, destaca Helenice.

Na família Sant’Anna, o Carnaval vem de berço. A matriarca da família, dona Maria de Lourdes, a qual já recebeu a faixa de cidadã do samba em 2010, sempre esteve na avenida. Impossibilitada de desfilar desde 2011 em função da artrose (desgaste na bacia), sempre atuou nas agremiações, seja como baiana ou costureira de belas fantasias. A mesma paixão pelo Carnaval foi transmitida para a filha Helenice e para os netos. 

SIMONE: DUAS DÉCADAS COMO PORTA-BANDEIRA

“O Carnaval entrou na minha vida aos quatro anos quando desfilei na ala das crianças no Cartolas de Prata. Mas, foram muitos acontecimentos ao longo de todos esses anos. Já concorri a Rainha do Carnaval pela verde e rosa parnanguara. Não venci, mas fui convidada para ser a Rainha da Bateria pela mesma escola”, recorda Simone.

Foi também no Acadêmicos que Simone teve oportunidade de estrear como porta-bandeira em 1999, com apenas 16 anos. Simone foi a 2.ª porta-bandeira da escola e, no ano seguinte, foi mais além, coreografando a comissão de frente da Acadêmicos, umas das comissões mais marcantes na história do Carnaval de Paranaguá, obtendo a nota máxima no ano 2000. O incentivo veio de pessoas importantes em sua vida como a dona Milene Gomes, o saudoso Nelson Uberna e, principalmente, da mãe Helenice.

“No Acadêmicos eu não era oficial, mas valeu como experiência. A estreia que contou pontos para a escola, sendo avaliada pelos jurados, foi em 2001 na União da Ilha, onde permaneci até 2008. De 2009 a 2011, atuei como porta-bandeira do Grêmio São Vicente, querido e eterno no meu coração”, ressalta Simone. 

Em 2012, Simone desfilou como porta-bandeira no Grêmio Recreativo Filhos da Gaviões, ficando afastada do cargo por dois anos (2013-2014). “Em 2015 retornei, substituindo minha mãe, desfilando no Leão da Estradinha ao lado do meu irmão. É uma emoção que nunca poderia imaginar que fosse acontecer”, ressalta Simone.

WILLIAN: MESTRE-SALA E PESQUISADOR

“Comecei a desfilar no Carnaval com a mesma idade da minha irmã,  também aos quatro anos, na ala das crianças do Acadêmicos do Litoral. Em 2002 saí na bateria e, em 2003, a convite do saudoso Nelson Uberna, desfilei como mestre-sala mirim. No ano seguinte, continuei na função, mas na Filhos da Gaviões”, relembra Willian.

De 2005 a 2010, Willian foi o mestre-sala oficial da Filhos da Gaviões, agremiação a qual ele acompanhou desde que foi fundada. Ele ficou afastado do cargo de mestre-sala por três anos (2011 a 2013), retornando em 2014 por intermédio de Dicésar Tramujas, presidente da Leão da Estradinha. 

“Foi impossível recusar o convite, afinal eu estaria desfilando ao lado da minha mãe. Fomos apresentados oficialmente no Grito de Carnaval, realizado no final de 2013”, recorda. Em sua trajetória carnavalesca, Willian não foi apenas mestre-sala, ele já coreografou comissões de frente e fez desenhos de fantasias para as agremiações. 

“Em 2011, juntamente com Leila Oliveira, assinamos o Carnaval da Império do Irajá. Também em 2011 fui destaque de chão na São Vicente e, em 2012, vim apenas como mestre de cerimônia do casal do Leão”, ressalta Willian. 

Em 2013, Willian fez parte da equipe de aderecistas do Acadêmicos e também integrou a comissão de frente. Em 2014, ao lado de sua mãe como mestre-sala, ele viveu uma das maiores emoções de sua vida na avenida do samba. Emoção esta que se repete ao lado da irmã, Simone. 

Willian é formado em Letras pela Unespar (Universidade Estadual do Paraná) e ousou no final de 2017. Sua família vive intensamente dentro da cultura carnavalesca, impossível que Willian não se rendesse. Com o tema “A Caracterização de Sinopse de Escolas de Samba em Perspectiva de Gênero Textual”, Willian levou o mundo do samba para dentro dos trabalhos científicos. Esse foi o tema de seu trabalho de conclusão de curso, o qual obteve a nota máxima pela banca. Hoje, Willian conta com um artigo publicado a respeito do assunto. Além de ser mestre-sala, Willian é pesquisador de Carnaval.

LEÃO DA ESTRADINHA 2019

Nesse ano, a Leão da Estradinha vem com o enredo “A Fantástica Fábrica de Sonhos e Pesadelos” e um dos pontos fortes da escola é justamente o casal, que é considerado um dos melhores no Carnaval de Paranaguá. Eles agradecem ao presidente Dicésar, o carnavalesco Mágico Júnior e ao atelier Ana Kienteka.  


 

Continuar lendo
Publicidade