Logotipo

Lideranças religiosas explicam o simbolismo cristão do Natal

24 de dezembro de 2018

Pastor Emerson Alves e Padre Emerson Zella destacam que Jesus Cristo deve ser celebrado pelos fiéis não só no Natal, mas também durante todos os dias (Arte: Divulgação)

Compartilhe

Padre Emerson Zella e Pastor Emerson Alves destacaram a importância da data em que é celebrado o nascimento de Jesus

O Natal vai muito além de consumismo, enfeites natalinos, Papai Noel e ceia. O real simbolismo dessa data é cristão e possui relação direta com o nascimento de Jesus, anualmente sendo comemorado no dia 25 de dezembro. Os líderes religiosos, padre Emerson Zella, pároco da Catedral Diocesana Nossa Senhora do Rosário, e Pastor Emerson Alves, dirigente do Templo Central da Assembleia de Deus em Paranaguá, representando o entendimento católico e evangélico, mas que convergem para o mesmo sentido de Cristianismo, destacaram a importância desta festividade, que é um período de reflexão da importância de Jesus, de aproximação familiar e de amor ao próximo.

Segundo o padre Emerson Zella, a questão simbólica do nascimento de Cristo é a grande celebração da data. "No tempo do Papa Júlio I, que dirigiu a Igreja do ano 337 a 352, é que foi introduzida essa solenidade no calendário da Igreja. Até então celebrava-se apenas a Festa da Epifania – isto é, a manifestação do Senhor aos povos pagãos, representados pelos magos do Oriente. Ficava assim claro que Jesus era o Salvador de todos os povos, e não apenas de um só povo", explica. Sobre a escolha do dia 25, o padre explica que o Império Romano havia decidido que todos os povos deveriam comemorar a festa do “sol invicto”, o renascimento do sol invencível, algo celebrado no mesmo dia 25, visto que o sol era considerado um deus, símbolo de justiça e de luz contínua. "Ao invés de simplesmente combater essa festa pagã, os cristãos passaram a apresentar Jesus, nascido em Belém, como o verdadeiro sol, já que nos veio trazer a verdade e a justiça. Também ele passou pela morte, mas dela ressurgiu, mostrando que era invencível. Seu nascimento – isto é, seu natal -, já que não se sabia em que dia havia ocorrido, passou a ser celebrado no dia do sol invicto", complementa.

Para o Pastor Emerson Alves, o período natalino é de celebração da vida de Jesus e de aproximação familiar. "O Natal é o momento em que todos nós, cristãos evangélicos ou católicos e até mesmo aqueles que não professam uma fé, devemos despertar para este símbolo do amor de Deus para com a humanidade enviando seu filho para nascer e viver entre nós. O Natal nos faz reviver este momento de comunhão, de fraternidade, de amor e de fé", comenta.

Ainda de acordo com o padre, o Natal é junto com a Páscoa, uma festa importante na fé católica. "É a celebração da acolhida de Deus entre os homens, celebramos a humanidade que acolhe o Menino-Deus que veio ao mundo para nos salvar, para unir o céu e a terra, para trazer paz aos corações, para demonstrar o amor de Deus para conosco", explica. "Todos os símbolos natalinos nos ajudam a celebrar este mistério de Cristo que é  Deus que se fez homem para nos salvar. Vamos citar alguns: o presépio, a árvore enfeitada, os presentes trocados, a figura do Papai Noel, a estrela, as comidas, tudo isso serve para nos ajudar a buscarmos os valores de solidariedade, partilha, perdão, fraternidade, união e amor, realizados em Cristo que devemos imitar. Neste sentido, esses valores devem ser vividos, sobretudo, no âmbito familiar", complementa.

Para o Pastor Emerson Alves, o período natalino é de celebração da vida de Jesus e de aproximação familiar

NATAL VAI MUITO ALÉM DOS PRESENTES

Segundo o pastor Emerson, no contexto atual há uma exploração comercial do Natal. "Não há como fugir disso tudo, pois, na verdade, hoje em dia, tudo está interligado. Há um velho ditado que diz que: enquanto alguém chora, outro vende lenços. O que não podemos deixar é o fato de sermos dominados pelo consumismo exacerbado, descontrolado, sem limites e por aí vai. Precisamos  resgatar o verdadeiro símbolo do Natal em nossas atitudes sinceras.

"Os presentes fazem parte deste ato. Jesus recebeu presentes ao ser visitado pelos magos do oriente: ouro, incenso e mirra. O ouro, por ser um material nobre, nos fala da divindade de Jesus e o revela como um Rei. O incenso representa Jesus como um Sacerdote, pois o incenso fazia parte do ritual de sacrifícios como símbolo de uma oração recebida por Deus. E, a mirra, um óleo aromático usado pelos profetas fazendo de Jesus um verdadeiro Profeta. Portanto, os nossos presentes devem ser símbolos de amor, de gratidão, de fraternidade, caso contrário, serão meros consumismo e ostentação", explica Padre Emerson Zella.

"Trocar presentes, se vestir de Papai Noel, fazer uma ceia abundante são coisas bonitas e devem ser mantidas como símbolos do Natal. Todavia, se isto, nos leva a uma vaidade, ganância, ambição, gula, desprezo pelo outro, bebedeiras, soberba, orgulho, arrogância, perde o seu sentido. Não podemos fazer das festas natalinas um momento de diversão por diversão. Precisamos nos deixar envolver pelo mistério da festa, Deus que veio mostrar aos homens o seu amor, que se mostrou a nós na simplicidade de sua família, na pobreza de quem o acolheu, na humildade de se fazer criança, na pureza, na partilha de vida, ou seja, podemos ir às compras, podemos comer bem, podemos nos divertir, mas, desde que não percamos de vista o principal, o amor de Deus para com todos e nosso chamado a nos amarmos uns aos outros do jeito que Ele nos amou", afirma padre Emerson.

PROGRAMAÇÃO NO NATAL

De acordo com o dirigente da Assembleia de Deus, a participação dos evangélicos nos cultos durante o período natalino é algo importante, porém Jesus deve ser lembrado todos os dias. "Seu nascimento, sua morte, sua ressurreição, sua vida por completa. Mas, ao dedicarmos um dia específico para isto, fazemos notório ao mundo sua importância e a sua missão, resgatar a humanidade perdida. Em nossa igreja, no Templo Central da Assembleia de Deus aqui em Paranaguá, realizaremos a Cantata 'Natal na Igreja' no dia 25 de dezembro, às 19h. Neste ano, em especial, traremos uma mensagem sobre as Promessas de Deus para as nossas vidas. Vale a pena você e sua família participarem conosco, deixo aqui o meu convite a vocês, será uma honra recebê-los", explica Alves.

Para o pároco da Catedral, celebrar a fé é motivo constante de alegria, em que a missa é uma celebração dos mistérios da vida de Cristo. "A Santa Missa é memorial da vida, paixão, morte e ressurreição de Cristo, nela fazemos comunhão com irmãos e com a Santíssima Trindade", explica, destacando a importância do católico participar das missas, tanto no período natalino quanto durante todo o ano. "Em nossa Catedral temos missas de segunda a sábado às 18h30 e, nos domingos às 7h, 10h, 18h e 19h30. Agora, no dia 24 e 25 de dezembro, os horário se darão assim: no dia 24 haverá a Missa do Galo, às 19h30 com apresentação de músicas natalinas e no dia 25 haverá a Santa Missa do Natal às 19h30", acrescenta.

"Todos os símbolos natalinos nos ajudam a celebrar este mistério de Cristo que é Deus que se fez homem para nos salvar", afirma Padre Emerson Zella

MENSAGENS AOS FIÉIS

"Minha palavra a todos os meus queridos parnanguaras e leitores deste jornal: deixem Cristo nascer no coração de cada um de vocês. Este é o maior desejo de Deus, salvar a toda humanidade através de Cristo. Jesus disse que está à porta do nosso coração e bate, se abrirmos, ele entrará e irá cear conosco. O melhor presente que podemos receber é Jesus Cristo. O melhor presente que podemos levar a Ele é a nossa vida. Um feliz Natal a todos e um 2019 repleto das bênçãos de Deus", afirma o pastor Emerson Alves.

"Caros amigos e amigas, a mensagem do Natal de Jesus é simples e de fácil entendimento, está centrada no amor de Deus, esse Deus que ama a todos os homens, que nos criou por amor e para amar. O pecado nos afastou deste amor, no entanto, Cristo veio ao mundo para unir de novo o céu e a terra e, nos fazer todos irmãos. Sendo assim, vamos abrir nossos corações para o amor de Deus e ao próximo, vamos permitir que o mistério de Cristo (Deus que assumiu a nossa humanidade), nos encoraje a buscarmos um mundo melhor, onde haja respeito para com todos, solidariedade, fraternidade, perdão, partilha e justiça. Que na noite de Natal cada um de nós permita que o menino-Deus entre na manjedoura de nosso coração e nos ensine a amar. Um forte abraço a todos e minha bênção sacerdotal, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém!", finaliza padre Emerson Zella.

 


Colunistas