Connect with us

Política

Senador Oriovisto é contra o aumento exagerado do Fundo Eleitoral

Senador sugere que o aumento do Fundo Eleitoral seja por meio da correção monetária de acordo com a inflação, que é medida pelo IPCA.

Publicado

em

O senador Oriovisto Guimarães (PODE-PR) redigiu na quarta-feira, 7, uma carta aos colegas parlamentares membros da Comissão Mista de Orçamento (CMO) para evidenciar sua preocupação com o aumento exagerado do Fundo Eleitoral proposto no Relatório Final do PLDO.

No documento, Oriovisto Guimarães explica as razões de apresentar um destaque a esse relatório e também sugere, nesta mesma carta, um aumento do Fundo Eleitoral por meio da correção monetária de acordo com a inflação, que é medida pelo IPCA. “Vale destacar que o Fundo Eleitoral foi criado em 2017 pela Lei 13.487/2017, para bancar os gastos de campanha de candidatos a cargos eletivos. Sua criação decorreu da necessidade de prover alternativa ao financiamento privado de campanhas. Esse tipo de financiamento privado de campanhas praticamente deixou de existir com a proibição das doações das empresas privadas às campanhas eleitorais pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Desse modo, a Lei 13.487/2017 incluiu o art. 16-C à Lei Eleitoral (Lei 9.504/1997) prevendo a existência do Fundo Eleitoral. O Fundo Eleitoral não se confunde com o Fundo Partidário, que é regido pela Lei 9.096/1995, e destina-se à manutenção das sedes e das atividades estatutárias dos partidos”, descreve Oriovisto, destacando que o Fundo Eleitoral foi utilizado pela primeira vez nas eleições gerais de 2018. “O valor total nele alocado naquela oportunidade foi de R$ 1,7 bilhão, em obediência à regra inscrita no dispositivo de sua criação. Desse modo, o Fundo Eleitoral é composto de duas parcelas, uma definida pelo TSE e outra alocada pelo Congresso no momento da tramitação do Orçamento. Assim, em 2018, a parcela definida pelo TSE representou R$ 400 milhões e a alocada pelo Congresso (estipulada pela lei em 30% do valor das emendas de bancada do ano de 2018) foi de R$ 1,3 bilhão, totalizando R$ 1,7 bilhão naquele ano. Observe-se que essa norma sequer estabeleceu regra de correção desse valor. Cabe salientar que a redação do dispositivo acima não vincula o valor da parcela a ser alocada pelo Congresso à variação do valor das emendas de bancada a cada ano. O dispositivo fixa o valor das emendas de bancada em 2018, sem previsão de reajuste ou fixação de novas bases de cálculo”, completa.

Para as eleições de 2020, o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) encaminhado pelo Poder Executivo previu, em menção genérica, a destinação de recursos para o Fundo Eleitoral, porém sem elevar seu valor, explica Oriovisto. “No entanto, o relator do PLDO 2020, Deputado Cacá Leão (PP/BA) alterou, em seu Relatório Final, esse dispositivo de modo a aumentar o valor da parcela alocada pelo Congresso em mais de R$ 2 bilhões. De acordo com a redação dada pelo Relator, apenas a parcela definida pelo Congresso passaria de R$ 1,3 bilhão para R$ 3,7 bilhões, podendo o valor total chegar a R$ 4,1 bilhões, caso a parcela definida pelo TSE se mantenha em R$ 400 milhões”, destaca Oriovisto, que faz um resumo de como ficou a alteração apresentada. “Resumidamente, o argumento do Relator é que o valor das emendas de bancada foi ampliado por meio da Emenda Constitucional (EC) n.º 100/2019, o que justificaria a elevação também do Fundo Eleitoral. Ocorre que em nenhum momento da tramitação da EC 100 – nem no seu texto, nem nos debates – foi mencionado que o aumento que essa Emenda Constitucional promovia deveria ser refletido sobre o Fundo Eleitoral. Portanto, não se sustenta o argumento de que deva obrigatoriamente haver reflexos dos recursos da EC 100 sobre o Fundo Eleitoral. Quanto ao mérito, essa proposta é totalmente inadequada, uma vez que não atende ao interesse da população brasileira em relação à forma de utilizar os recursos públicos. Em especial, porque a elevação do valor do Fundo Eleitoral irá reduzir o valor dos recursos aprovados para sustentar políticas públicas de interesse (e até de necessidade) da população, tais como saúde, educação e segurança pública. Nesse sentido, apresentarei um destaque ao Relatório Final do PLDO 2020, no momento de sua apreciação na CMO, para suprimir o texto proposto pelo Relator e para que se volte a observar apenas a regra prevista pela Lei Eleitoral (Lei 9.504/1997,art. 16-C)”, destaca o senador, apontado que poderia ser incluída na LDO 2020 uma cláusula de correção de acordo com a inflação do período, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Ele finaliza a correspondência aos membros da Comissão Mista de Orçamento afirmando a defesa ao Fundo Eleitoral, como importante evolução no processo eleitoral brasileiro. “Por defendê-lo e por buscar defender a imagem dos políticos brasileiros é que me oponho ao aumento exagerado de seu valor. Se aprovarmos a redação atual do Relatório Final do PLDO 2020, neste ponto, estaremos arruinando ainda mais nossa imagem junto à população brasileira”, pedindo a todos os membros da Comissão Mista de Orçamento que reflitam sobre o assunto e que votem favorável ao destaque que apresentou.

Confira a carta na íntegra:

Continuar lendo
Publicidade

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.