conecte-se conosco

Polícia

Receita Federal apreende quase meia tonelada de cocaína em Paranaguá

Em 2019, a equipe da SAVIG da Receita Federal já apreendeu mais de 13 toneladas de cocaína.

Publicado

em

Agentes da SAVIG (Seção de Vigilância Aduaneira da Alfândega da Receita Federal do Porto de Paranaguá) fizeram duas apreensões de cocaína, na madrugada de quinta-feira, 17, no terminal de contêineres do Porto de Paranaguá. Ao todo, foram apreendidos cerca de 450 quilos do entorpecente.

170 QUILOS

A primeira apreensão aconteceu no começo da madrugada, por volta da 1h, quando os agentes detectaram as bolsas com o entorpecente dentro de um contêiner que seria transportado para o porto italiano de Gioia Tauro. Nesta ação de fiscalização foram apreendidos cerca de 170 quilos da droga.

SEGUNDA APREENSÃO

Horas depois, por volta das 4h, uma segunda apreensão do entorpecente foi realizada. A equipe da SAVIG localizou dentro de um contêiner que seria embarcado para o Porto de Sines, em Portugal, bolsas com cloridrato de cocaína, a forma mais pura do entorpecente. Ao todo foram apreendidos 280 quilos da droga.

RIP-ON/RIP-OFF

O método utilizado pelos traficantes internacionais para enviar a droga para a Europa é conhecido como rip-on/rip-off, quando as bolsas, ou tabletes, com cocaína são colocados, clandestinamente, junto com a mercadoria, no interior do contêiner pouco antes do embarque, sem o conhecimento do dono da carga.

22.ª APREENSÃO

Esta foi a 22.ª apreensão de cocaína realizada no terminal de contêineres do Porto de Paranaguá este ano. A última aconteceu no dia 11, quando cerca de 1,3 toneladas da droga foram encontradas dentro de um contêiner carregado com sacos de açúcar, que seria embarcado para o Porto de Antuérpia, na Bélgica. Ao todo, a equipe da SAVIG já apreendeu, em 2019, mais de 13 toneladas do entorpecente.

Toda cocaína apreendida foi encaminhada para a sede da Polícia Federal em Curitiba, que segue com as investigações.

Com informações e fotos da Receita Federal

Continuar lendo
Publicidade

Em alta